Parte 2 - A Breve História do Existencialismo: VI - Pós-Estruturalistas - Paul RicouersteemCreated with Sketch.

in psychology •  7 months ago 

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Parte 2 - A Breve História do Existencialismo:
VI- Pós-Estruturalistas - Paul Ricouer

"Quando começamos a escavar no nosso interior, começou uma revolução no Mundo." - charlie777pt

1- Introdução


Talvez a melhor maneira de entender a génese, as influências e a evolução do pós-estruturalismo, seja a perspectiva do Crítica Literária da literatura moderna no século XX, com a ajuda da figura abaixo.

A Europa na segunda década do século XX experimentou a ascensão do Formalismo Russo, nos anos 30, o círculo linguístico da Escola de Praga e depois as influências do neo-estruturalismo latino-americano dos anos 50, criando métodos básicos de análise estruturalista literária, com mais influência em Linguística e na Semiótica.
Nos Estados Unidos, o Pragmatismo Americano, com os desenvolvimentos da "ação simbólica" de Burke e a teoria dos "arquétipos" de Fryes, trazem uma nova crítica nas obras literárias.
Mais tarde nos anos 60, pela voz de Dell Hymes em "The Ethnography of Speaking", introduz o funcionalismo de Praga à antropologia linguística americana.

Nos anos 60, na Europa, o estruturalismo aparece com a fenomenologia da Escola de Génova, a psicanálise, e a Escola marxista de Frankfurt, para criar o pano de fundo para o surgimento da desconstrução, da hermenêutica e da psicanálise lacaniana, e posteriormente, das teorias francesas do feminismo.
Estes movimentos refletiram-se na filosofia norte-americana, com o nascimento do desconstrucionismo e do pós-estruturalismo americanos, enquanto a linha do filósofo marxista Althousser nos deu a crítica cultural americana.

Althousser também influenciou o pós-marxismo pós-modernista e o materialismo cultural francês / europeu e no Reino Unido, que serviria como base para o pós-estruturalismo contemporâneo americano com o pós-modernismo e o criticismo cultural e também com as teorias do multiculturalismo, do género e do pós-colonialismo.
Esses movimentos tiveram continuidade no nosso século com as atuais humanidades digitais americanas, e as críticas de rede e bio-eco.

No final do século XX, na Europa, vemos a visão pós-modernista da sociedade como a geradora de crescente instabilidade psicológica humana e sintomas de esquizofrenia e paranóia nas sociedades pós-industriais, principalmente com a obra de Louis A. Sass Loucura e Modernismo (Madness and Modernism) - Insanidade á Luz da literatura e arte e pensamento moderno, para explorar a relação entre doença mental e a cultura moderna pós-industrial

"Não há fatos, apenas interpretações." - Friedrich Nietzsche

Os efeitos desumanizantes da tecnologia na mão dos poderosos, estão a desrespeitar os valores e direitos humanos e o nosso planeta, numa realidade cada vez mais voltada para dados, que molda comportamentos conformistas e o consumismo ganancioso, e a única saída é passar pela nossa investigação profunda, sobre a natureza da existência, o sofrimento e o nosso verdadeiro Eu interno, para crescer a nossa consciência na ação prática.

Como comentei recentemente num post, O Conhecido e Desconhecido de nosso ego profundo, preso numa teia de estruturas do poder na realidade, talvez possa ser a interminável luta entre o nosso Consciente (David) e nosso Inconsciente (Golias), sendo o Subconsciente é o campo de batalha, onde a liberdade é forjada.

Numa visão interdisciplinar, e olhando para estudos recentes, podemos agora relacionar a alteridade (ser outro para o outro) e o comportamento, com o conceito de Neuroplasticidade da fisiologia e das neurociências, significando que o cérebro muda a sua estrutura, sempre que aprendemos e fazemos coisas novas, ou temos visões inovadoras, mas as estruturas de longo-prazo no cérebro só crescem pela disciplina e pela prática continuada.

     2 - Paul Ricouer (1913-2005)

"A Verdade está escondida nas tensões do nosso eu." - charlie777pt

Paul Ricoeur era um filósofo hermenêutico pós-estruturalista do século XX, com um vasto trabalho, um caçador do sentido da vida e das tensões internas dos seres humanos para encontrar a auto-inteligibilidade e a auto-estima mais importante, buscar a eterna questão de quem nós somos e o que estamos fazendo aqui.
Além de ser cristão, ele evita a concetualização teológica nos seus paradigmas filosóficos.

“Ao que um homem chama Deus, outro chama as leis da física.” - Nikola Tesla

As suas primeiras influências são o clássico Aristóteles, Kant, Hegel e Heidegger, que são a base para formular sua teoria.
Para ele, o sujeito está sempre numa situação, e ele viu a subjetividade humana na primazia da linguagem, intermediada por símbolos, onde a auto-compreensão é um ato ficcional de interpretação através da imaginação.

"O texto é um campo limitado de construções possíveis." - Paul Ricoeur

A subjetividade da auto-compreensão é o foco principal da filosofia de Ricouer, que é quase uma antropologia do sujeito, sempre inserido dentro de um contexto histórico, num lugar (físico), embutido num enquadramento social, e no eixo do tempo (data).
A sua hermenêutica analisa o quadro de textualidade para encontrar significado na fala, no texto escrito e nas condutas, para uma ter uma vida mais significativa na nossa atual alienação da sociedade pós-moderna.

"Não há realidade exceto a que está contida em nós. É por isso que tantas pessoas vivem uma vida irreal. Elas tiram imagens de fora delas para a realidade e nunca permitem que o mundo dentro delas se afirme." - Hermann Hesse

Ricouer quer encontrar uma maneira de investigar o Self nas tensões ontológicas , entre a nossa natureza neurofisológica e o animal social, bem como, o conflito entre causalidade material e a linguagem expressa por nossos motivos e ações, e que a filosofia deveria ser o caminho para encontrar e expressar essa natureza interior que se revela e se esconde no discurso.

"A narrativa constrói a identidade do personagem, o que pode ser chamado o seu/sua identidade narrativa, na construção da história contada. É a identidade da história que faz a identidade do personagem." - Paul Ricoeur

Nossa existência é o nosso Destino, sempre constrangido pela materialidade, normas e regras sociais, e pelo nosso destino de envelhecer e morrer, o que cria tensões internas entre a nossa natureza biológica e as nossas necessidades, e os nossos valores e princípios filosóficos e éticos, sendo nós os magos de inteligibilidade de nós mesmos.
As nossas tensões interiores, certamente têm reflexos na nossa ansiedade, e por isso devemos estar vigilantes, para poder encontrar um método para revelar o ser humano real, e atingir uma estabilidade e coerência no sentido e no significado da vida, como Ricoeur tentou nos mostrar.

"A sabedoria encontra a sua expressão literária na literatura de sabedoria." - Paul Ricoeur

3 - Conclusão da série sobre o Pós-Estruturalismo


Aqui termina a pequena série sobre o pós-estruturalismo, para finalmente entramos nas grandes figuras que expuseram e tornaram o existencialismo como a filosofia do século XX. a que iremos dedicar os próximos posts.
No século passado dizia-se que os gatos curiosos acabavam mortos, mas neste século, temos que perceber que um gato que não é curioso será rapidamente eliminado.
A filosofia é a modelação eterna da criação humana e das rupturas com o conhecimento coletivo, em que toda a suposição cognitiva é um produto de uma mudança filosófica, dum pensamento e discussão prévia, que serve para desmascarar e desconstruir a realidade.

A filosofia é ser curioso para questionar a realidade e a nós mesmos, e a ferramenta tipo faca suíça, que serve para lidar com o Mundo e nós próprios, para a criação de conhecimento inovador, novas tecnologias/produtos e para reestruturar ou revolucionar os paradigmas científicos vigentes.
Qualquer produto, técnica ou paradigma científico, é sempre o resultado de um questionamento pré-filosófico, como um processo de desconstrução da realidade para encontrar as estruturas e entidades internas de qualquer fenômeno.
Para fabricar um produto como uma garrafa, ou um sistema como o blockchain Steemit, há sempre uma longa fase de discussão filosófica, que hoje é chamada de design e estratégia, que no final é traduzida por final o trabalho final, que não é mais que o reflexo da dialética filosófica do questionamento da realidade.
A realidade dialética da Existência e da nossa Essência é uma questão eterna, sem respostas estáticas à verdade, exceto o ato de continuar a questionar.

O conhecimento cognitivo (saber) e o Eu (sentimentos e emoções) reduzem a ansiedade da incerteza crescente da realidade aumentada e acelerada da sociedade atual.
A intuição e o imaginário são forças para frear as cadeias do poder na Humanidade, perfurando as camadas de nossos Eus prisioneiros das teias da realidade.
O Conhecido e o Desconhecido de nossos egos profundos, que lidam com as estruturas do poder na realidade, é a luta entre o nosso Consciente (David) e o nosso Inconsciente (Golias), onde o Subconsciente é o campo de batalha.

Quase tudo já foi escrito e dito sobre a libertação interior como a forma mais eficaz para gerar transformação social.
A Filosofia, a literatura, as artes e uma ciência com consciência, foram criadas por personagens que anteciparam totalmente a degradação da atual sociedade materialista, na qual o homem já foi enfaixado e acorrentado para caminhar até um beco sem saída, onde está em risco a sobrevivência da própria espécie, em nome do poder e do dinheiro nas mãos dos executores da condição humana e do próprio planeta.
Ferramentas não faltam para a libertação da humanidade, o que falta é que as pessoas percebam que são uma condição para a sobrevivência.

4- Adenda


A Música industrial, a que vou dedicar um post nesta série, que é um movimento musical ativista, com um gostinho de pós-marxismo e pós-estruturalismo, sobre a desconstrução do poder na realidade, e os jogos da estrutura inconsciente da linguagem, implementados nos nossos cérebros, pela moderna e barulhenta transmissão de mídia e da sociedade baseada em dados, que é bem expressa nesta forma de arte que pode ser usada para drenar e reestruturar os nossos campos de consciência.

A próxima faixa da banda industrial Test Dept., mostra como a linguagem pode ser distorcida em contextos contranstantes., e que pretende exorcizar a máquina que nos possessionou, como um fantasma invisível que impregna e ofusca os nossos valores pessoais.

Test Dept. - New World Order (1990)
Parte das letras são de Bush Senior(42) que agora é crâneo e osso (that is now in skull'n'bone)

Video Curto (Legendado em Português)
Paul Ricoeur Fala de Sua Obra Filosófica - Legendado

Origem da Foto: Wikipedia

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

Introdução à Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

I - Anarquismo

II - Existencialismo

Próximos posts da Série:
II - Existencialismo(Cont.)

  • O que é o Existencialismo?(Cont)
    • Parte 3 - A Filosofia do Existencialismo : I - O significado do Sem Sentido
  • Os "Existencialistas"
    • Parte 1 - Os Jogadores e os Tempos
    • Parte 2 - Jean Paul Sartre - O Homem do Século XX
    • Parte 3 - Simone de Beauvoir - o Castor
    • Parte 4 - Albert Camus - o Absurdista
    • Part 5 - Merleau-Ponty - um humanista do Existencialismo
    • Part 6 - Gabriel Marcel
  • Humanismo e Existencialismo
    Parte 4 - O Medo da Liberdade de Erich Fromm
  • Existencialismo e Anarquismo
  • O Futuro: Pós-Humanismo, Transumanismo e Inumanismo

III - Descentralismo

  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

IV - Dialética da Auto-Libertação

  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • Psicadelismo e movimentos Libertários e Artísticos
  • O Budismo Zen de Alan Watts
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico

Referências:

- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Piotr Kropotkin - O surgimento do anarquismo
Colectivismo vs. Individualismo
Índice do Capítulo 1 - Anarquismo - desta série

Livros:
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Sarah Bakewell, At the Existentialist Café: Freedom, Being, and Apricot Cocktails with with Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty, and Others
Levy, Bernard-Henry , O Século de Sartre,Quetzal Editores (2000)
Jacob Golomb, In Search of Authenticity - Existentialism From Kierkegaard to Camus (1995)
Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Advanced Industrial Society
Louis Sass, Madness and Modernism, Insanity in the light of modern art, literature, and thought (revised edition)
Hubert L. Dreyfus and Mark A. Wrathall, A Companion to Phenomenology and Existentialism (2006)
Charles Eisenstein, Ascent of Humanity
Walter Kaufmann, Existentialism from Dostoevsky to Sartre (1956)
Herbert Read, Existentialism, Marxism and Anarchism (1949 )
Martin Heidegger, Letter on "Humanism" (1947)
Friedrich Nietzsche, The Will to Power (1968)
Jean-Paul Sartre, Existentialism And Human Emotions
Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo
Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense
Michel Foucault, Power Knowledge Selected Interviews and Other Writings 1972-1977
Erich Fromm, Escape From Freedom. New York: Henry Holt, (1941)
Erich Fromm, , Man for Himself. 1986
Gabriel Marcel, Being and Having: an existentialist diary
Maurice Merleau-Ponty, The Visible and The Invisible
Paul Ricoeur, Hermeneutics and the Human Sciences. Essays on Language, Action and Interpretation
Brigite Cardoso e cunha, Psicanálise e estruturalismo (1979)
G. Deleuze and F. Guattari, Anti-Oedipus: Capitalism and Schizophrenia
Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

This post was upvoted by SteeveBot!

SteeveBot regularly upvotes stories that are appreciated by the community around Steeve, an AI-powered Steem interface.

Este post recebeu 5.00% de upvote da conta @steemitportugal!
Obrigado por fazeres parte da comunidade @steemitportugal .


Telegram_PT2.jpg