Parte 2 - A Breve História do Existencialismo: VI- Pós-Estruturalistas - Jacques DerridasteemCreated with Sketch.

in psychology •  7 months ago  (edited)

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Parte 2 - A Breve História do Existencialismo:
VI- Pós-Estruturalistas - Jacques Derrida

"Nós somos os magos de nossa própria vontade e destino." - charlie777pt

Introdução

"O texto é uma prática que pode ser comparada à revolução política: a que traz ao sujeito o que o outro introduz na sociedade." - Julia Kristeva em Revolution in Poetic Language

Descartes e Fredrick Nietzsche são talvez os primeiros desconstrutores da verdade subjetiva da linguagem.
Um dos pressupostos mais interessantes sobre o pós-estruturalismo é o problema dos múltiplos significados, que foi também abordado por Roland Barthes.
Quando escrevemos um livro, ele representa um número de livros igual ao número de leitores, que criam múltiplos significados, separando o conceito de significado a uma miríade de "significados" para o significante de cada pessoa.

Na nossa vida moderna na cultura ocidental, com o seu narcisismo cultural arrogante, estamos mais fundamentados no pensamento lógico e racional, e tendemos a esquecer o nosso instinto e o imaginário, o poder da intuição e da imaginação como forma de desconstruir a realidade, a transcender e a reconstrur.

"Aqueles que têm o privilégio de saber, têm o dever de agir." - Dr. Tyrone Hayes em Tedx Talk

Einstein afirmava que a educação não é sobre fatos, mas para aprender a pensar por nós mesmos.
A Filosofia é a busca da sabedoria, onde somos tutores e alunos da Realidade, como uma Gestalt que não pode ser separada ou percebida em palavras, fala ou escrita.

“Mas o instinto é algo que transcende o conhecimento. Temos, sem dúvida, certas fibras mais finas que nos permitem perceber as verdades quando a dedução lógica, ou qualquer outro esforço intencional do cérebro, é fútil. ”- Nikolas Tesla sobre o ato da criatividade.

A ciência e a tecnologia são apenas o resultado da reflexão filosófica sobre o processos desconstrução da realidade, escavando para encontrar as camadas dos princípios e da génese da estrutura que estamos a analisar.

     2 - Jacques Derrida (1930-2004)

Jacques Derrida foi um filósofo da Argélia, de origem franco-judia, que sonhava em ser um grande jogador de futebol, mas acabou por ser uma das maiores influências do pós-estruturalismo e do pós-modernismo, e se tornou no pai do desconstrucionismo, usando a análise semiótica sob o guarda-chuva da fenomenologia, mas na maioria das vezes ele referia-se a si próprio como historiador.

Derrida foi um escritor prolífico e também influenciou a psicanálise, a política, a religião, o feminismo e os estudos de Lésbicas, gays, bissexuais e transgéneros (LGBT), bem como o pensamento académico em ontologia, epistemologia, ética, linguística hermenêutica, e também nas artes e sua crítica.
Parece existir um padrão das influências de Jacques Lacan, mas a parte mais importante foi o sopro de ar fresco no ativismo e nos movimentos políticos, que acabou por o tornar numa figura controversa.

"Não há nada fora do contexto" - Jacques Derrida

Ele foi acusado pelos académicos contemporâneos, de negar padrões científicos de inteligibilidade e precisão, de atacar os valores da erudição, do raciocínio e da verdade, por ele criticar as instituições "sagradas" e todo o sistema de crenças ocidental, nas questões da natureza, cultura, fala, e escrita, porque não há verdade na linguagem.

Derrida é hoje mais importante do que nunca porque queria abalar os fundamentos da filosofia e cultura ocidentais, e usou a desconstrução para questionar esses pressupostos, a que ele chamou o "logocentrismo", que se infiltra no pensamento filosófico como binário hierarquizado que se opõe em qualquer discurso ou escrita.

Ele criou uma descontinuidade no pensamento racionalista da vida intelectual ocidental tradicional, enfatizado pela teoria de Barthes do texto literário de múltiplos significados, "matando" a suposição da conexão com o significado pretendido pelo autor.

"Literatura é a questão menos a resposta." - Roland Barthes

Derrida usa conceitos linguísticos do significado dos signos, compostos com um significado (idéia) e um significante (palavra, som e imagem) que estão relacionados a outros signos complementares e aos traços(vestígios), que se escondem na diferença entre fala e a escrita.

"A universalidade do pensamento é suprema e soberana. Nada ultrapassa a compreensão e o entendimento. O que nos falta é o desejo de saber , ler ou interpretar , o desejo de dar sentido a todo o pensamento que se exprime" - Henry Miller in Para ler na Retrete

A sua análise de texto, usa a noção de oposições binárias como um conceito estruturalista que vê o pensamento humano como trabalhando em opostos com outros termos dentro da linguagem.
Derrida desenvolveu uma forma de análise semiótica que revela o logocentrismo das nossas crenças, como uma uma verdade egocêntrica, que serve como mestre de auto-engano de nossos pensamentos e comportamentos, e para justificar nossa existência.

Logocentrismo
O Logocentrismo é o Logos da metafísica (Deus, Raciocínio, Verdade) interagindo com a fala na linguagem e suas imitações na escrita e na linguagem de sinais.
O logocentrismo é a "metafísica da presença", um desejo de encontrar um significado que transcende todos os significantes para criar um significado que transcenda todos os signos.

Desconstrução
A desconstrução encontra os pressupostos metafísicos que não são questionados e, como ele apontou, não podemos compreender a estrutura se não entendermos sua gênese.
A desconstrução não significa destruição, mas uma espécie de engenharia reversa para analisar, analisar e encontrar as forças da significação no texto, desconstruir sua unidade ou até mesmo as diferenças de indecidibilidade e os vários significados do autor. Essas oposições binárias, as diferenças críticas de ambiguidades.

Traço (Vestígio)
A diferença traz a idéia de traço do sinal difere / defere.
Os atuais significantes da civilização e da cultura ocidentais, contém sempre traços de outros significantes ausentes, de modo que o significante não pode estar totalmente presente ou ausente.

Para ele, "diferença" - differance em francês - (o que significa diferir e deferir) é o útero do significado, gerado no conflito da presença e ausência, o buraco entre a fala e a escrita, a lacuna do significado interno e as representações da Realidade.
Cada presente deve ser relacionado por um traço de um significado ausente que o define.

A hermenêutica na linha de Heidegger e Ricoeur ligava as coisas como a comunicação, a escrita ou objetos, com sua interpretação relativa às situações sociais, enquanto a concepção analítica de Wittgenstein e Carnap, que achavam sem sentido, confiar em convenções, preconceitos e regras nos jogos de linguagem para criar significado.

A abordagem filosófica pós-moderna e pós-estrutural de Derrida e Lotyard visa desconstruir as grandes "histórias" conceptuais do pensamento Ocidental, de um sujeito situado na história, os valores da humanidade, a evolução social, a busca da verdade, porque essas narrativas habitam como fantasmas invisíveis em nossa mente, não podem ser considerados uma totalidade estruturalista, trazendo o multi-significado da diferença entre línguas, culturas e modos de pensar.
Assim, para o pós-estruturalismo, não há verdades universais, mas uma pluralidade de significados variando dentro de contextos, gerando uma miríade de diferentes significações, e também nega o estatismo fixo da relação do significante versus significado.

Para terminar, vou dar um exemplo simples dos conceitos psicanalíticos de Freud, que estabelecem a regra universal da interpretação dos sonhos deve se basear no conteúdo sexual, mas Carl Jung descobriu que antigas populações remotas vivem sem a influência da sociedade moderna, sempre Sonho muito com a abundância de alimentos, como campos de milho, frutas, e banquetes de carne, em vez do conteúdo libidinal das nossas sociedades pós-modernas, revelando desejos diferentes de nossa "civilização".

O mundo "civilizado" dos nossos dias é todo ele campo de armas onde as vítimas gritam em silêncio, "peace, peace, peace, we want peace" - Henry Miller in reflexões sobre a morte de Mishima

Documentário sobre Jacques Derrida (legendado em português)

Jacques Derrida – Wikipédia, a enciclopédia livre

Eu realmente adoro o pós-estruturalismo e a desconstrução das performances e da música de Laurie Anderson.
Laurie Anderson - Sharkey's Day

Laurie Anderson - O Superman [Official Music Video]

Se realmente gostou, aqui fica o concerto completo
Laurie Anderson Home Of The Brave 1986

Origem da Foto: Wikipedia

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

Introdução à Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

I - Anarquismo

II - Existencialismo

Próximos posts da Série:
II - Existencialismo(Cont.)

  • O que é o Existencialismo?(Cont)
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo: VI - Pós -Estruturalismo - Paul Ricouer
    • Parte 3 - A Filosofia do Existencialismo : I - O significado do Sem Sentido
    • Parte 4 - O Medo da Liberdade de Erich Fromm
  • Os "Existencialistas"
    • Part 1 - Os Jogadores e os Tempos
    • Part 2 - Jean Paul Sartre - O Homem do Século XX
  • Humanismo e Existencialismo
  • Existencialismo e Anarquismo
  • O Futuro: Pós-Humanismo, Transumanismo e Inumanismo

III - Descentralismo

  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

IV - Dialética da Auto-Libertação

  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • Psicadelismo e movimentos Libertários e Artísticos
  • O Budismo Zen de Alan Watts
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico

Referências:

- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Piotr Kropotkin - O surgimento do anarquismo
Colectivismo vs. Individualismo
Índice do Capítulo 1 - Anarquismo - desta série

Livros:
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Sarah Bakewell, At the Existentialist Café: Freedom, Being, and Apricot Cocktails with with Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty, and Others
Levy, Bernard-Henry , O Século de Sartre,Quetzal Editores (2000)
Jacob Golomb, In Search of Authenticity - Existentialism From Kierkegaard to Camus (1995)
Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Advanced Industrial Society
Louis Sass, Madness and Modernism, Insanity in the light of modern art, literature, and thought (revised edition)
Hubert L. Dreyfus and Mark A. Wrathall, A Companion to Phenomenology and Existentialism (2006)
Charles Eisenstein, Ascent of Humanity
Walter Kaufmann, Existentialism from Dostoevsky to Sartre (1956)
Herbert Read, Existentialism, Marxism and Anarchism (1949 )
Martin Heidegger, Letter on "Humanism" (1947)
Friedrich Nietzsche, The Will to Power (1968)
Jean-Paul Sartre, Existentialism And Human Emotions
Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo
Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense
Michel Foucault, Power Knowledge Selected Interviews and Other Writings 1972-1977
Erich Fromm, Escape From Freedom. New York: Henry Holt, (1941)
Erich Fromm, , Man for Himself. 1986
Gabriel Marcel, Being and Having: an existentialist diary
Maurice Merleau-Ponty, The Visible and The Invisible
Paul Ricoeur, Freedom and Nature: The Voluntary and the Involuntary
Brigite Cardoso e cunha, Psicanálise e estruturalismo (1979)
G. Deleuze and F. Guattari, Anti-Oedipus: Capitalism and Schizophrenia
Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

Muito bom @charlie777pt, como sempre. Interessante articulação e pensamento do J. Derrida. Como parece que em pouco tempo "devoluímos" tanto né?

Descartes, Nietzsche e outros filósofos que passaram a ver a linguagem humana como ponto central de articulação, traçaram o caminho de ideias para que a psicanálise existisse. Esquecemos nessa soberba narcísica que somos instrumentos de medida para tudo que existe como forma de linguagem nesse mundo.

Freud nos ensinou a buscar compreender a realidade através da constituição da linguagem no psíquico. F. Saussure mudou os rumos do estudo da linguagem com a vulgata publicada por seus alunos, fator que também acredito ser interessante para o que estamos fazendo aqui. Passando a ver que para além da língua, existia uma interpretação de cada um, em que dividiu o signo linguístico em significante e significado. Lacan enfatiza e faz toda sua teoria na primazia do significante, que já tem seu próprio significado "embutido" através do sentido do sujeito. Somos construídos mentalmente em uma rede de significantes, tendo significantes primordiais que recebemos das nossas funções criadoras, e que nos estruturam no nosso existir no mundo.

Hoje a escola francesa avançou bastante na leitura do significante, nos registros que formam a realidade. Com contribuições decisivas na terapêutica da própria psicose, em que o significante perdido, pode ser construído no real, dando sustentação a realidade através do outro, através da transferência.

Em adendo também a leitura sexual de Freud foi tomada por algumas escolas no sentido mais estrito, porém é uma leitura ampla, em que tudo que remete ao sentir, ao prazer, remete a essência da constituição que seria o instinto sexual. Como alimento, substâncias, relacionamentos, atividades... Seria o primeiro e principal instinto de movimento de um sujeito e seus desejos em relação sua existência, em que no sonho estaria escondido por trás de uma lógica de representações condensadas da linguagem, como metáforas. Freud se apoiou muito em Jung, até depois de brigarem, acredito que por considerar seu pupilo o incomodou Jung mudar sua visão do que seria psicanálise ampliando a perspectiva analítica, além da personalidade e eventos históricos que marcaram essa relação. Cheguei a ler algumas criticas nos textos de Freud em relação a enfase mistica de Jung, com ironias dizendo que Jung queria fazer o papel de Deus....

De toda forma, hoje temos contribuição incríveis dos dois, que se complementam em muito. Pretendo trazer eventualmente Totem e Tabu, em que Freud traça uma leitura dos resquícios dos povos primitivos no pensamento contemporâneo.

Gosto do pós estruturalismo, e gostei da perspectiva de Derrida, por nos colocar de frente ao presente, pois muita gente que estuda acredita que o conhecimento do passado é fixo, imutável, e deve ser seguido como se fosse hoje. O que claramente você desfaz sempre também contextualizando a nossa realidade. Valeu @charlie777pt, desculpe a extensão, mas gosto muito desses temas, é sempre bom poder ler e discutir aqui com você, e uma oportunidade de aprender também!

Posted using Steeve, an AI-powered Steem interface

Mais um comentário que devia ser post, hehe.
A psicanálise como estudo e prática da vida afetiva e suas representações que podem ser feitos numa perspectiva reducionista (ortodoxia freudiana) ou construtivista tornada possível pelas novas tendências estruturalistas e genéticas.
Não se pode reduzir a afetividade ao nível da vida biológica ou á sua dimensão social, pois ela apenas pode ser encontrada na analise na dialética desta relação dual.
A Psicanálise deve ser analisada na sua perspetiva histórica, começando na forma freudiana inicial explicando o adulto do presente com a criança do passado, mas cuja construção é descontínua pois existe uma redução que explica o desenvolvimento por tendencias iniciais apenas pelas por marcas de arranque por mudança de investimento de invetimento da líbido (ex: do oral para o anal) que não é uma focalização no orgânico ou no social mas um reducionismo do psiquismo a formas simples e elementares já determinadas.
Nisto perde-se a dialética individualismo do choque entre energia libidinal e a oposição da sociedade á sua realização, e onde se vão gerar os sintomas.
Freud numa segunda fase resolve este problema com o superego como produto da interdição social, e á qual também na é estranha a influência de Jung com o seu pensamento simbólico, como um linguagem primitiva com origem na censura.
Hartmann tráz-nos depois a concenção da liberdade do ego nas adaptações libidinais com os conceitos de D. Rapaport do afastamento do entre a esfera dos conflitos libidinais a as conquistas cognitivas, abrindo portas para a emergência do psicologia genética construtivista e
do estruturalismo.
Existem básicamente seis linhas analíticas que surgiram destas perspetivas da especificidade mental que partiram do reducionismo inicial de Freud que para uma evolução progressiva de consciência das interações entre cognição e afetividade, o individual e o coletivo, da mental e biológica.
Antes de começar a estudar psicologia aos vinte anos, estive seis meses a elr e escrever sobre 4 livros fundamentais de Piaget , o integrador O Estruturalismo , a compilação do fantástico Psicologia, o intrincado Problemas Gerais de investigação interdisciplinar e Mecanismos comuns, e o fabuloso A situação das Ciências do Homem no Sistema das Ciências.
Estes livros são chaves que facilitam a compreensão e uma visão muito clara de todas as linhas psicologia integradas com todas as outras ciências, que sugiro a qualquer estudante que se inicie na Psicologia.
Não gosto muito de publicar coisas antigas que escrevi mas um deste dias irei partilhar aqui alguns desses textos que são muito difíceis para um público não especializado.
Mais uma vez muito obrigado pela partilha do conhecimento e do diálogo que deveriam ser os posts no Steemit.

This post was upvoted by SteeveBot!

SteeveBot regularly upvotes stories that are appreciated by the community around Steeve, an AI-powered Steem interface.

Este post recebeu 5.00% de upvote da conta @steemitportugal!
Obrigado por fazeres parte da comunidade @steemitportugal .


Telegram_PT2.jpg

Ho Ho Ho! @charlie777pt, one of your Steem friend wished you a Merry Christmas and asked me to give you a new badge!

SteemitBoard wish you a Merry Christmas!
May you have good health, abundance and everlasting joy in your life.

To see who wanted you to receive this special gift, click here!

Click here to view your Board

Do not miss the last post from @steemitboard:

Christmas Challenge - Send a gift to to your friends