Anarquia Hoje - Parte 1 - A Era dos Extremismos

in #anarchy3 years ago (edited)

Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo
Anarquia Hoje - Parte 1 - A Era dos Extremismos

"Somos todos iguais porque somos todos diferentes" - charlie777pt

Introdução

Estamos a viver numa era de extremos no nível político, económico e social, que são os sintomas de uma sociedade doente e que prenuncia a possível ruptura e incerteza coletiva.
O condicionamento comportamental dos media e da educação, pela doutrinação em massa está a deformar a representação pública com pontos de vista em conflito no consenso da Realidade.

Existe uma sensação de tensão no ar, que podemos ver em períodos de partidos políticos e sistemas eleitorais desacreditados, com novos atores emergindo com populismos e manipulação emocional da multidão, culpando alguns grupos pela instabilidade interna, transformando seres humanos em "inimigos", em que nós coletivamente aprovamos a sua eliminação e perseguição, para nos distrair do fato de que os governos não têm soluções para os distúrbios que eles criaram.
Esse tipo de ambiente sempre cria portas para que os poderes anti-democráticos invadam e dominem todas as esferas da humanidade, para concentrar a autoridade e a tomada de decisões, sem a supervisão dos cidadãos.

A ambiência destes tempos estão muito próximos dos que antecedem a ascensão dos fascistas em Portugal, Espanha, Itália e Alemanha, que após a primeira guerra mundial plantaram as sementes de uma segunda guerra mundial.
Depois da confusão social, os fascistas tomam o poder na Europa, com o consentimento de pessoas que trocam direitos pessoais pelo exercício político e governamental do poder em troca de uma falsa paz porque as tensões estavam a crescer, contidas por um poder centralizado e sólido, que mais cedo ou mais tarde explode em gás e autoridade desaparece , começando uma nova luta para obter o poder.

1- Populismo: os ventos do Totalitarismo

O Populismo forte nos políticos é o primeiro sinal dos próximos regimes hegemonistas, que estão associados ao uso extremista do poder. progressivamente subtraindo direitos individuais, normalmente num ambiente de instabilidade social e insegurança, onde os políticos usam bodes expiatórios baseados em raça, gênero, cultura ou grupos resistência política interna ou simplesmente recusar qualquer pessoa o direito de pensar diferente.

O Populismo elege "vítimas" como cordeiros sacrificiais para manter a multidão unida sob o ódio do "bicho-papão", os "inimigos" que são a causa da auto-decomposição da civilização.
O Populismo promete paz com a guerra.
O Populismo é o signo de regimes totalitários vindouros, e hoje é principalmente orientado para a ala direita, cujo objetivo final é o fascismo.

A Anarquia tende a surgir em qualquer estado de ruptura social, propondo sonhos para o futuro da ação, e não é uma receita para uma sociedade extraordinária, mas uma realização para construir como uma utopia realizável.
A Anarquia é uma arma da nossa consciência, e é por isso que hoje não se deve basear o ativismo na tomada do poder pela força ou usar a violência organizada por grupos coletivos (Ocupação pacífica e greves não são violência) porque os comportamentos extremistas apenas alimentam o fortalecimento do Sistema e reforço da sua autoridade.

O "Anarka" do meu Anarquista quer ser anónimo, desconhecido, inlocalizável, não-agrupado e não-traçado, de modo que eu possa ser uma toupeira minando o Poder e o Estado, mas aceitando o envolvimento voluntário temporário em projetos de objetivos comuns, trocando autonomia para acordos coletivos, quando houver potencialização para o objetivo mútuo, seja ele egoísta ou para benifício coletivo para toda a sociedade.
É por isso que a "Anarquia" nunca foi tão importante, se pudermos criar união na dispersão ideológica de anarquistas entusiastas, para ajudar a unidade em um movimento que por natureza não há liderança central organizada, que implica normalmente uma dissolução no tempo.

Empreendedores fascistas e ricos, com carismas populistas, tomam o poder e tomam decisões irracionais extremas, manipulando as emoções da multidão com idéias radicais e valores humanos manipulados por extremistas direcionados para processos para queimar "bruxas".
uma estranha coincidência, que quando há insatisfação social e instabilidade política, os Anarquismos surgem espontaneamente e então, estranhamente, o poder vai-se consolidanado e concentrando em formas extremistas, e pouco depois os movimentos anárquicos desaparecem.
Como vimos no último post do Anarco-Liberalismo, a luta entre anarquistas e socialistas levou ao poder regimes verticais de esquerda (Rússia) ou de direita (Espanha).

Todos os governos autoritários verticais de esquerda ou direita, são alimentados e consolidados com a subtração dos direitos das pessoas, usando motivos xenófobos, raciais ou de género, como todos os imperialismos decadentes, com a lógica de criar inimigos para fazer a guerra como um homicídio justificado, "sagrado" e livre de culpa.
Os movimentos extremistas querem sempre silenciar as vozes do Anarquismo porque são os arautos da liberdade e o último caminho de resistência contra a tirania.
O Populismo está a espalhar-se em toda a Europa, principalmente na ala direita, nos EUA por Trump, bem como nas "democracias" policiais e militares na Ásia.

O Movimento populista Cinco Estrelas de Itália e os partidos da Liga Anti-imigrantes venceram as eleições na Itália, e a direita populista está a aumentar em toda a Europa, e ao mesmo tempo os antigos partidos políticos estão a perder espaço com o surgimento de novos dirigentes do eleitorado.
Os cidadãos europeus estão agora a ser seduzidos por partidos populistas da direita radical nas últimas três décadas, com especial incidência na Europa Oriental e na Escandinávia, mas as exceções da Península Ibérica (Portugal e Espanha)

Os líderes Populistas afirmam que encarnam o poder da vontade do povo, normalmente com um inimigo como alvo, como por exemplo as elites liberais no governo ou os refugiados que pedem asilo político.
A Política de guerra e a agressão dos políticos populistas dos países imperialistas, criam cada vez mais novos tipos de radicalismos, que são usados ​​para justificar e exacerbar o ódio para criar novos extermismos, incluindo o chamado terrorismo violento.

São os políticos populistas que estão a exercer um constante terrorismo e guerra sem qualquer preocupação com os civis, como vítimas que têm que fugir para os países que fizeram os atentados, assassinatos com drones, invasão, manipulação e interferência na autonomia política interna de outros países.

2 - Totalitarismo, radicalismo e populismo

A extrema instabilidade socio-económica e política, leva a uma crise que precede a queda de velhos poderes decadentes, que na maioria das vezes são substituídos por centralismos ou colectivismos extremamente coercivos.

Extremismo, Radicalismo e Populismo são características de uma vida social anunciando o surgimento de regimes pré-fascistas, que na maioria das vezes se baseiam na violência, e na desigualdade e injustiça social e económica.

Populismo e radicalismo são os irmãos do extremismo político com sintomas de violência política que podem ser vistos nas organizações totalitárias extremistas de terrorismo e vandalismo, trabalhando como milícias que podem ser vistas em partidos políticos, grandes clubes de futebol e máfias da droga, com forte preparação para mobilização para comportamentos violentos, intimidação e confronto mesmo com a polícia.

3 - O Anarquismo como idéias florescentes para um futuro frutífero

A Anarquia e o individualismo são as melhores maneiras de lidar com a sociedade complexa que se aproxima, para criar uma harmonia melhor entre o Um e Todos.
O Anarquismo é como uma semente, esperando o sol das revoluções, para moldar a nova planta da sociedade, e quando o sol começa a desaparecer eles fazem flores para os frutos de novas idéias, e deixam novas sementes no chão, e depois morre e as sementes ficam á espera que um novo sol brilhe e traga novos rebentos para a riqueza humana em inovação social.

E é assim que o Reino da Anarquia se revela, surgindo do silêncio, com novas idéias para sociedades inovadoras como um lugar para pessoas livres, sugerindo a primazia do indivíduo sobre a sociedade como uma evolução mais equilibrada baseada na diferença de qualquer ser humano.
Assim que acabam dos períodos revolucionários históricos, e quando o poder do governo está estabilizado, apenas as vozes das propostas não-revolucionárias e das organizações institucionalizadas se repercutem na maioria das audiências.

As principais teorias da anarquia são mais focadas na autonomia, a descentralização e o federalismo comunitário são alternativas práticas atuais ao autoritarismo, ao centralismo e ao estatismo para erradicar o controle da economia e da vida social.

Nos próximos posts vamos falar sobre uma das influências mais fascinantes em todos os meus "anarquistas" anteriores, a iluminação do Cripto-Anarquismo, que felizmente vejo materializada hoje no Blockchain, um novo anarquismo prático, e não apenas uma ideologia utópica.

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

Introdução à Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

I - Anarquismo

Próximos posts da Série:
I - Anarquismo(cont.)

  • A Anarquia Hoje (cont.)
    • Parte 2 - Cripto-Anarquismo
    • Parte 3 - Anarquismo de hoje

II - Existencialismo

  • O que é o existencialismo?
  • Os "Existencialismos"
  • Humanismo e Existencialismo
  • Existencialismo e Anarquismo

III - Descentralismo

  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

IV - Dialética da Auto-Libertação

  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico

Referências:

- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Piotr Kropotkin - O surgimento do anarquismo
Colectivismo vs. Individualismo

Livros:
Bey, Hakim (1991) 7:A.Z.: the Temporary Autonomous Zone, Ontological Anarchy, Poetic Terrorism, Brooklyn, NY: Autonomedia.
Byas, Jason Lee, Toward an Anarchy of Production - Parts I and II
Marshall, Peter, Demanding the Impossible A History of Anarchism, Fontana Press (1992 )
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Rothbard, Murray N., The Ethics of Liberty (1982)
Rothbard, Murray N., For a New Liberty The Libertarian Manifesto, Revised Edition
Tucker, Benjamin, Individual Liberty, Selections From the Writings
Pierre-Joseph Proudhon , What Is Property?
Bakunin, Michael , Bakuninon Anarchy: Selected Works by the Activist-Founder of World Anarchism
Sort:  

O nível de extremismo que nós estamos vivendo está beirando a Era Medieval (não pela parte física da coisa, mas pelas proporções atingidas)... É realmente uma situação muito preocupante!

Sim o poder cada vez se torna mais sólido, e ninguém sabe quando ele implode em estado gasoso e até lá o extremismo parece ser o caminho, pelo cada anarquista, activista ou voluntarista deve anunciar um mundo vindouro que é possível de realizar.

Olá @charlie777pt vou direito ao assunto. Nós estamos a desenvolver a comunidade portuguesa no steemit, que já conta com um cardume de cerca de 20 membros, e um poder de voto somado a rondar o 1$. Estamos no telegram, e já temos página no facebook. Estamos também a promover a curadoria e delegação de SP na CPLP (comunidade dos países de língua portuguesa). Venho perguntar se te queres juntar a nós. Juntos somos mais fortes. Neste momento já temos um ROI anual em steem de cerca de 20%. Eu estou apenas há duas semanas no activo pela comunidade e já conseguimos passar dos 12,5% anual para 20%. Com a tua entrada conseguíamos aumentar isso e realizar uma melhor afetação de recursos. O que achas? Ps: Até temos uma testemunha portuguesa a representar-nos.

Olá, resposta difícil, hehe.
Fico bastante sensibilizado com o convite e estarei pronto a colaborar. :)
A comunidade agora apresenta um volume considerável de actividade no Steemit, e tem grandes possibilidades se apostar na sua consagração através de conteúdos com qualidade.
Quem vir os meus comentários iniciais no Steemit sempre sonhei congregar a comunidade de lingua lusófona no Steemit, mas os meus esforços foram claramente inferiores aos de gloriosos membros, que como exemplo vou referir o @camoes, do @jsantana e o @gazetagaleguia entre muitos outros.
Sempre vi que a sinergia de todas as comunidades e utilizadores de cada país (sem sectarismos nacionalistas) que usam a lingua portuguesa, mas que permitam a diversidade de demonstrações culturais para o desenvolvimento mútuo.
Vou observando e ajudando tudo o que possa individualmente como sempre fiz na promoção de autores da nossa língua.
Sou um pouco avesso a contratos e números, que podem quebrar a espontaneidade das minhas ações e espero que não seja interpretado como individualista ou egoísta, porque sou mais motivado pela valorização coletiva do que pessoal. hehe
Aqui ficam alguns logos que usava e que podem utilizar á vontade.

PT-steem-cplp-galiza.png

PT-steem-cplp.png





Perfeito. Vou enviar o link do nosso grupo no telegram, e já ficas a saber como tudo funciona. É uma modelo semi-descentralizado...

Coin Marketplace

STEEM 1.17
TRX 0.14
JST 0.147
BTC 62984.21
ETH 2432.61
BNB 544.27
SBD 8.78