Anarquia Hoje - Parte 1 - A Era dos Extremismos

in anarchy •  last year  (edited)

Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo
Anarquia Hoje - Parte 1 - A Era dos Extremismos

"Somos todos iguais porque somos todos diferentes" - charlie777pt

Introdução

Estamos a viver numa era de extremos no nível político, económico e social, que são os sintomas de uma sociedade doente e que prenuncia a possível ruptura e incerteza coletiva.
O condicionamento comportamental dos media e da educação, pela doutrinação em massa está a deformar a representação pública com pontos de vista em conflito no consenso da Realidade.

Existe uma sensação de tensão no ar, que podemos ver em períodos de partidos políticos e sistemas eleitorais desacreditados, com novos atores emergindo com populismos e manipulação emocional da multidão, culpando alguns grupos pela instabilidade interna, transformando seres humanos em "inimigos", em que nós coletivamente aprovamos a sua eliminação e perseguição, para nos distrair do fato de que os governos não têm soluções para os distúrbios que eles criaram.
Esse tipo de ambiente sempre cria portas para que os poderes anti-democráticos invadam e dominem todas as esferas da humanidade, para concentrar a autoridade e a tomada de decisões, sem a supervisão dos cidadãos.

A ambiência destes tempos estão muito próximos dos que antecedem a ascensão dos fascistas em Portugal, Espanha, Itália e Alemanha, que após a primeira guerra mundial plantaram as sementes de uma segunda guerra mundial.
Depois da confusão social, os fascistas tomam o poder na Europa, com o consentimento de pessoas que trocam direitos pessoais pelo exercício político e governamental do poder em troca de uma falsa paz porque as tensões estavam a crescer, contidas por um poder centralizado e sólido, que mais cedo ou mais tarde explode em gás e autoridade desaparece , começando uma nova luta para obter o poder.

1- Populismo: os ventos do Totalitarismo

O Populismo forte nos políticos é o primeiro sinal dos próximos regimes hegemonistas, que estão associados ao uso extremista do poder. progressivamente subtraindo direitos individuais, normalmente num ambiente de instabilidade social e insegurança, onde os políticos usam bodes expiatórios baseados em raça, gênero, cultura ou grupos resistência política interna ou simplesmente recusar qualquer pessoa o direito de pensar diferente.

O Populismo elege "vítimas" como cordeiros sacrificiais para manter a multidão unida sob o ódio do "bicho-papão", os "inimigos" que são a causa da auto-decomposição da civilização.
O Populismo promete paz com a guerra.
O Populismo é o signo de regimes totalitários vindouros, e hoje é principalmente orientado para a ala direita, cujo objetivo final é o fascismo.

A Anarquia tende a surgir em qualquer estado de ruptura social, propondo sonhos para o futuro da ação, e não é uma receita para uma sociedade extraordinária, mas uma realização para construir como uma utopia realizável.
A Anarquia é uma arma da nossa consciência, e é por isso que hoje não se deve basear o ativismo na tomada do poder pela força ou usar a violência organizada por grupos coletivos (Ocupação pacífica e greves não são violência) porque os comportamentos extremistas apenas alimentam o fortalecimento do Sistema e reforço da sua autoridade.

O "Anarka" do meu Anarquista quer ser anónimo, desconhecido, inlocalizável, não-agrupado e não-traçado, de modo que eu possa ser uma toupeira minando o Poder e o Estado, mas aceitando o envolvimento voluntário temporário em projetos de objetivos comuns, trocando autonomia para acordos coletivos, quando houver potencialização para o objetivo mútuo, seja ele egoísta ou para benifício coletivo para toda a sociedade.
É por isso que a "Anarquia" nunca foi tão importante, se pudermos criar união na dispersão ideológica de anarquistas entusiastas, para ajudar a unidade em um movimento que por natureza não há liderança central organizada, que implica normalmente uma dissolução no tempo.

Empreendedores fascistas e ricos, com carismas populistas, tomam o poder e tomam decisões irracionais extremas, manipulando as emoções da multidão com idéias radicais e valores humanos manipulados por extremistas direcionados para processos para queimar "bruxas".
uma estranha coincidência, que quando há insatisfação social e instabilidade política, os Anarquismos surgem espontaneamente e então, estranhamente, o poder vai-se consolidanado e concentrando em formas extremistas, e pouco depois os movimentos anárquicos desaparecem.
Como vimos no último post do Anarco-Liberalismo, a luta entre anarquistas e socialistas levou ao poder regimes verticais de esquerda (Rússia) ou de direita (Espanha).

Todos os governos autoritários verticais de esquerda ou direita, são alimentados e consolidados com a subtração dos direitos das pessoas, usando motivos xenófobos, raciais ou de género, como todos os imperialismos decadentes, com a lógica de criar inimigos para fazer a guerra como um homicídio justificado, "sagrado" e livre de culpa.
Os movimentos extremistas querem sempre silenciar as vozes do Anarquismo porque são os arautos da liberdade e o último caminho de resistência contra a tirania.
O Populismo está a espalhar-se em toda a Europa, principalmente na ala direita, nos EUA por Trump, bem como nas "democracias" policiais e militares na Ásia.

O Movimento populista Cinco Estrelas de Itália e os partidos da Liga Anti-imigrantes venceram as eleições na Itália, e a direita populista está a aumentar em toda a Europa, e ao mesmo tempo os antigos partidos políticos estão a perder espaço com o surgimento de novos dirigentes do eleitorado.
Os cidadãos europeus estão agora a ser seduzidos por partidos populistas da direita radical nas últimas três décadas, com especial incidência na Europa Oriental e na Escandinávia, mas as exceções da Península Ibérica (Portugal e Espanha)

Os líderes Populistas afirmam que encarnam o poder da vontade do povo, normalmente com um inimigo como alvo, como por exemplo as elites liberais no governo ou os refugiados que pedem asilo político.
A Política de guerra e a agressão dos políticos populistas dos países imperialistas, criam cada vez mais novos tipos de radicalismos, que são usados ​​para justificar e exacerbar o ódio para criar novos extermismos, incluindo o chamado terrorismo violento.

São os políticos populistas que estão a exercer um constante terrorismo e guerra sem qualquer preocupação com os civis, como vítimas que têm que fugir para os países que fizeram os atentados, assassinatos com drones, invasão, manipulação e interferência na autonomia política interna de outros países.

2 - Totalitarismo, radicalismo e populismo

A extrema instabilidade socio-económica e política, leva a uma crise que precede a queda de velhos poderes decadentes, que na maioria das vezes são substituídos por centralismos ou colectivismos extremamente coercivos.

Extremismo, Radicalismo e Populismo são características de uma vida social anunciando o surgimento de regimes pré-fascistas, que na maioria das vezes se baseiam na violência, e na desigualdade e injustiça social e económica.

Populismo e radicalismo são os irmãos do extremismo político com sintomas de violência política que podem ser vistos nas organizações totalitárias extremistas de terrorismo e vandalismo, trabalhando como milícias que podem ser vistas em partidos políticos, grandes clubes de futebol e máfias da droga, com forte preparação para mobilização para comportamentos violentos, intimidação e confronto mesmo com a polícia.

3 - O Anarquismo como idéias florescentes para um futuro frutífero

A Anarquia e o individualismo são as melhores maneiras de lidar com a sociedade complexa que se aproxima, para criar uma harmonia melhor entre o Um e Todos.
O Anarquismo é como uma semente, esperando o sol das revoluções, para moldar a nova planta da sociedade, e quando o sol começa a desaparecer eles fazem flores para os frutos de novas idéias, e deixam novas sementes no chão, e depois morre e as sementes ficam á espera que um novo sol brilhe e traga novos rebentos para a riqueza humana em inovação social.

E é assim que o Reino da Anarquia se revela, surgindo do silêncio, com novas idéias para sociedades inovadoras como um lugar para pessoas livres, sugerindo a primazia do indivíduo sobre a sociedade como uma evolução mais equilibrada baseada na diferença de qualquer ser humano.
Assim que acabam dos períodos revolucionários históricos, e quando o poder do governo está estabilizado, apenas as vozes das propostas não-revolucionárias e das organizações institucionalizadas se repercutem na maioria das audiências.

As principais teorias da anarquia são mais focadas na autonomia, a descentralização e o federalismo comunitário são alternativas práticas atuais ao autoritarismo, ao centralismo e ao estatismo para erradicar o controle da economia e da vida social.

Nos próximos posts vamos falar sobre uma das influências mais fascinantes em todos os meus "anarquistas" anteriores, a iluminação do Cripto-Anarquismo, que felizmente vejo materializada hoje no Blockchain, um novo anarquismo prático, e não apenas uma ideologia utópica.

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

Introdução à Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

I - Anarquismo

Próximos posts da Série:
I - Anarquismo(cont.)

  • A Anarquia Hoje (cont.)
    • Parte 2 - Cripto-Anarquismo
    • Parte 3 - Anarquismo de hoje

II - Existencialismo

  • O que é o existencialismo?
  • Os "Existencialismos"
  • Humanismo e Existencialismo
  • Existencialismo e Anarquismo

III - Descentralismo

  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

IV - Dialética da Auto-Libertação

  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico

Referências:

- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Piotr Kropotkin - O surgimento do anarquismo
Colectivismo vs. Individualismo

Livros:
Bey, Hakim (1991) 7:A.Z.: the Temporary Autonomous Zone, Ontological Anarchy, Poetic Terrorism, Brooklyn, NY: Autonomedia.
Byas, Jason Lee, Toward an Anarchy of Production - Parts I and II
Marshall, Peter, Demanding the Impossible A History of Anarchism, Fontana Press (1992 )
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Rothbard, Murray N., The Ethics of Liberty (1982)
Rothbard, Murray N., For a New Liberty The Libertarian Manifesto, Revised Edition
Tucker, Benjamin, Individual Liberty, Selections From the Writings
Pierre-Joseph Proudhon , What Is Property?
Bakunin, Michael , Bakuninon Anarchy: Selected Works by the Activist-Founder of World Anarchism
Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

O nível de extremismo que nós estamos vivendo está beirando a Era Medieval (não pela parte física da coisa, mas pelas proporções atingidas)... É realmente uma situação muito preocupante!

Sim o poder cada vez se torna mais sólido, e ninguém sabe quando ele implode em estado gasoso e até lá o extremismo parece ser o caminho, pelo cada anarquista, activista ou voluntarista deve anunciar um mundo vindouro que é possível de realizar.

Olá @charlie777pt vou direito ao assunto. Nós estamos a desenvolver a comunidade portuguesa no steemit, que já conta com um cardume de cerca de 20 membros, e um poder de voto somado a rondar o 1$. Estamos no telegram, e já temos página no facebook. Estamos também a promover a curadoria e delegação de SP na CPLP (comunidade dos países de língua portuguesa). Venho perguntar se te queres juntar a nós. Juntos somos mais fortes. Neste momento já temos um ROI anual em steem de cerca de 20%. Eu estou apenas há duas semanas no activo pela comunidade e já conseguimos passar dos 12,5% anual para 20%. Com a tua entrada conseguíamos aumentar isso e realizar uma melhor afetação de recursos. O que achas? Ps: Até temos uma testemunha portuguesa a representar-nos.

Olá, resposta difícil, hehe.
Fico bastante sensibilizado com o convite e estarei pronto a colaborar. :)
A comunidade agora apresenta um volume considerável de actividade no Steemit, e tem grandes possibilidades se apostar na sua consagração através de conteúdos com qualidade.
Quem vir os meus comentários iniciais no Steemit sempre sonhei congregar a comunidade de lingua lusófona no Steemit, mas os meus esforços foram claramente inferiores aos de gloriosos membros, que como exemplo vou referir o @camoes, do @jsantana e o @gazetagaleguia entre muitos outros.
Sempre vi que a sinergia de todas as comunidades e utilizadores de cada país (sem sectarismos nacionalistas) que usam a lingua portuguesa, mas que permitam a diversidade de demonstrações culturais para o desenvolvimento mútuo.
Vou observando e ajudando tudo o que possa individualmente como sempre fiz na promoção de autores da nossa língua.
Sou um pouco avesso a contratos e números, que podem quebrar a espontaneidade das minhas ações e espero que não seja interpretado como individualista ou egoísta, porque sou mais motivado pela valorização coletiva do que pessoal. hehe
Aqui ficam alguns logos que usava e que podem utilizar á vontade.

PT-steem-cplp-galiza.png

PT-steem-cplp.png





Perfeito. Vou enviar o link do nosso grupo no telegram, e já ficas a saber como tudo funciona. É uma modelo semi-descentralizado...