O que é o Anarquismo? - Parte 1 - Introdução filosófica

in psychology •  last year  (edited)

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
O que é o Anarquismo? - Parte 1 - Introdução filosófica


"A anarquia é uma utopia realizável, que podemos construir todos os dias." - charlie77pt

1. Introdução


A anarquia vem do grego antigo ἀναρχία (anarchia), que significa "sem líderes ou governantes".
Anarquia, anarquismo, e anarquista significa coordenação humana em bases iguais, sem dominância e conformismo, pela cooperação sem coerção, e com estruturas horizontais em pequenas organizações, idealmente e na prática.
“A liberdade consiste em fazer o que se deseja” - John Stuart Mill
"Cada pessoa trabalhando para um" é o conceito e o valor humano mais difícil de ser aceite, porque transcende o binómio socio-económico de "valor de uso e valor de troca" que devia ser substituído por objetivos humanistas como o ideal perfeito para uma humanidade florescente.
A concentração de poder nos Estados como a única fonte para a luta pela sobrevivência, e é inversamente proporcional ao impulso psicológico do indivíduo de confiar nas comunidades como suporte para uma vida mais rica.

A grande questão é se o anarquismo pode ser usado hoje em termos práticos, com base na diversidade empírica e ideológica de teorias e autores e igualmente nas práticas.
O maior obstáculo para a implementação do anarquismo é limitado por seus próprios princípios de liderança desorganizada que tendem a diluir sua permanência no tempo.
As teorias anarquistas e as suas propostas de soluções são normalmente consideradas lunáticas, impraticáveis ​​eutopias não realizável para o mundo moderno atual, naturalmente do ponto de vista dos poderes invisíveis da rede centralizada de influência sobre os destinos das pessoas.

"Para ser livre não é apenas para descartar as cadeias, mas para viver de uma forma que respeita e aumenta a liberdade dos outros." - Nelson Mandela

2 - Anarquia e Realidade

"Anarquia é ordem." - Pierre Joseph Proudhon - o primeiro auto-proclamado anarquista
O anarquismo e a descentralização são as únicas soluções para o caos e a desordem dos sistemas centralizados.
As pessoas que se recusam a comportar "normalmente" ou lutam contra os padrões morais da sociedade, eram (e são) consideradas "anarquistas", terroristas ou "homens loucos" e possivelmente podem acabar por cair no poço escuro da Lei, Psiquiatria, e Psicologia, como a "Polícia" de comportamentos desviantes anormais que perturbam a "Ordem Social".
A Anarquia é definida no equilíbrio de três valores humanos fundamentais: Autonomia, Responsabilidade e Liberdade como os pilares da nossa vida e das relações com os outros.

anarchy-pillars-pt.png

As teorias anarquistas parecem ter pontos comuns de enfase na mudança das relações ecológicas com a natureza, baseadas na descentralização, na autonomia comunitária e individual, e na responsabilidade pessoal da escolha dos caminhos da Liberdade.

Os anarquistas vêem a participação total dos cidadãos como partes interessadas para criar uma sociedade florescente e equilibrada, em vez da situação caótica gerada pela concentração real do poder como a principal causa dos desequilíbrios sociais.
Os anarquistas concordam, que as grandes organizações, a concentração de poder, as restrições morais e a centralização dos processos de decisão, são um obstáculo à liberdade individual de escolha e ação.

A maioria dos anarquistas concorda que temos o direito de nos defender, mesmo violentamente, quando somos atacados ou prejudicados, e que uma sociedade livre seria melhor psicológica e coletivamente e facilitaria o raciocínio global para resolver os problemas ambientais reais.
O anarquismo pode estar envolvido na mudança dos sinais dos nossos tempos, como uma mensagem utópica de uma realidade futura que é verdadeira.
Vamos todos participar!.
Eu não vou fazer este post maior para poder deixar aqui uma citação muito longa e interessante de Aldous Huxley, surpreendentemente feita nos anos 60, mas que é um espelho do Estado das Coisas nos nossos dias.

"O rápido e acelerado aumento populacional que anulará os melhores esforços das sociedades subdesenvolvidas para melhorar sua situação e manterá dois terços da raça humana numa condição de miséria na anarquia ou de miséria sob a ditadura, e os preparativos intensivos para um novo tipo da guerra que, se eclodir, poderá trazer uma ruína irrecuperável para um terço da raça humana que agora vive prósperamente em sociedades altamente industrializadas - estas são as duas principais ameaças à democracia que agora nos confrontam. Estas ameaças podem ser eliminadas? se não eliminadas, pelo menos reduzidas?
Na minha opinião pessoal é que somente mudando a nossa atenção coletiva dos aspectos meramente políticos para os aspectos biológicos básicos da situação humana, podemos esperar mitigar e encurtar o tempo dos problemas nos quais, ao que parece, em que estamos envolvidos agora. Nós não podemos passar sem a política; mas não podemos mais permitir entrarmos em políticas ruins e irrealistas.
Trabalhar pela sobrevivência da espécie como um todo e pelo desenvolvimento do maior número possível de homens e mulheres das suas potencialidades individuais de boa vontade, inteligência e criatividade - isso, no mundo de hoje, é uma política boa e realista.
Cultivar a religião do nacionalismo idólatra, subordinar os interesses das espécies e seus membros individuais aos interesses de um único estado nacional e á sua minoria dominante - no contexto da explosão populacional, mísseis e ogivas atómicas, isto é ruim e um política completamente irrealista. Infelizmente, é a política ruim e irrealista em que nossos governantes estão comprometidos agora. "
- Aldous Huxley - Política da Ecologia (1962)
Para ler este fantástico ensaio na língua inglesa, siga este link: Aldous Huxley - 1962 - Política da Ecologia: Aldous Huxley.

Nós nunca vemos a imprensa mostrar boas críticas ao anarquismo, mas apenas campanhas sobre este movimento social como sendo fanático, destrutivo, subversivo, terrorista e extremista.
O exemplo que os media usam para apontar um regime anarquista é o caos político, económico e social que o mundo civilizado criou na Somália, para confundir o caos e a "gangsteria" com a anarquia.

As pessoas devem proteger a sua autonomia e lutar pela liberdade, confiança social, solidariedade e encontrar pessoas para partilhar os nossos ideais e lutar.
Não precisamos de grandes corporações, grandes federações,conformidade de burocracia estatal e vigilância para controle.
A anarquia pode funcionar!
No próximo post vamos continuar a falar sobre os conceitos e teorias do Anarquismo, seguido de uma análise sobre os tipos de anarquismo.

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

Introdução à Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

Próximos posts da Série:
I - Anarquismo

  • O que é o Anarquismo?
    • Parte 1 - Introdução Filosófica - Este post
    • Parte 2 - O Conceito de Anarquismo
    • Parte 3 - Os tipos de Anarquismo
  • A história do Anarquismo
  • A Anarquia Hoje

II - Existencialismo

  • O que é o existencialismo?
  • Os "Existencialismos"
  • Humanismo e Existencialismo
  • Existencialismo e Anarquismo

III - Descentralismo

  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

IV - Dialética da Auto-Libertação

  • Congresso da Dialética da Libertação
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico

Leituras:

Anarquismo - Wkipedia
Correntes do anarquismo

Referências:

Rothbard, Murray N., The Ethics of Liberty (1982)
Rothbard, Murray N., For a New Liberty The Libertarian Manifesto, Revised Edition
Bey, Hakim (1991) 7:A.Z.: the Temporary Autonomous Zone, Ontological Anarchy, Poetic Terrorism, Brooklyn, NY: Autonomedia.
Marshall, Peter, Demanding the Impossible A History of Anarchism, Fontana Press (1992 )
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade.In: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien;Gedoe, Andreas.Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Teodor Oizerman foi um filósofo contemporâneo russo (14 de maio de 1914, Petrovirivka, Ucrânia Mied: March 25, 2017, Moscow, Russia).

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

Gosto desse tipo de leitura, desse tipo de discussão. Nos trazem contra-pontos que nos permitem analisar a diversidade racional humana. Não sendo tema que eu defenda, ainda assim, considero importante acompanhar discussões e o ponto de vista de diferentes pessoas referente ao tema. Embora a história seja contada pelos que vencem, existe o idealismo para sustentar o suposto motivo da derrota. @jsantana é um anarquista assumido e assim se define. Certamente a discussão com @charlie777pt será algo interessante de acompanhar. Ficarei a margem acompanhando o desenrolar de vossas argumentações.
Sucesso! Bora ver o que vem pelo caminho.

Muito obrigado.
Gostaria que estes temas fossem discutidos, pois a anarquia se constroi sobre o debate e aceitação de cada indíviduo com diteito á sua opinião única e singular, que trazem criatividade e inovação ao pensamento coletivo.
Eu sou um "policracista" que gosta de todas as novas ideias e perspetivas e que acredita que cada uma das teorias tem pontos positivos que seriam benéficas coletivamente e a sua integração numa "anarquia sem adjetivos" para alargar os nossos valores e abrir a nossa visão e intervenção sobre o Mundo.
A anarquia e a descentralização nascem nas suas práticas, que todos ainda estamos a aprender por exemplo no blockchain.

You got a 7.58% upvote from @redlambo courtesy of @nascimentoab! Make sure to use tag #redlambo to be considered for the curation post!

O problema é justamente o que você citou sobre a visão das pessoas sobre a anarquia e essa visão negativa vem justamente com a visão negativa do anarquismo tão pregado pelo "anarco comunismo" que é talvez a vertente mais "popular", "famosa" e conhecida do anarquismo, mas também a mais controversa, negativa e onde as suas idéias mais fortalece o estado do que o destrói como seria o "objetivo" de suas idéias.

Irei acompanhar esse série e sugiro para que você leia livros de autores anarco capitalistas, como Murray Rothbard, Hans Hermann Hoppe e Jesus Huerta de Sotto que é com certeza uma boa base.

Abraço!

Obrigado caro amigo Santana.
Realmente a sociedade e os media desde que a anarquia existe, tem sido difamado e adulterado, usando sempre o medo e o preconceito como armas para calar e eliminar estes movimentos.
Mas realmente a aceitação da anarquia nunca virá de fora, mas sim de dentro de cada um, implicando esforço de consciência elevado.
Antes da queda do Muro de Berlim, os políticos capitalistas sonhavam com a hegemonia do capitalismo para a dominação total sem deixar alternativas.
O anarcho-capitalismo no entanto sofre das mesmas contradições do capitalismo libertário, pois põe a iniciativa individual de geração do lucro acima das repercussões no universo social e ecológico.
Eu vou tentar defender uma nova posição do anarchismo-descentralismo que permite o desenvolvimento pessoal e social ,tendo em conta as consequências da concentração do poder do capital.
É fácil ser anarcho-capitalista, quando no nosso processo de educação e aprendizagem, existe um mais-valia de capacidade autonómica de decisão e empreendorismo.
É preciso pensar que o Mundo não é só dos que tiveram oportunidade de criar capacidades para a competitividade exigida neste sistema.
Abraço
PS: Editado
Muito obrigado pela Sugestão do autor Jesus Huerta de Sotto que não conhecia, mas desde 83 que sou fã do Murray Rothbard(que será muito usado neste ensaio) e do Hans Hermann Hoppe com o seu "Deus da Democracia".

Na minha modesta opinião "Autonomia, responsabilidade e liberdade" pouco diferem de "Liberdade, Igualdade, Fraternidade", a grande máxima herança do século das Luzes.
Se respeitarmos esta "máxima" tudo o resto virá a seguir.
Gostaria, no entanto, de acrescentar que sem "solidariedade" entre os seres humanos, todas as outras máximas nunca poderão existir.
Beijinho grande, meu amigo. Saudades!

Muito Obrigado
Sim são sinónimos, cuja cola é a solidariedade e a sensibilização ao desespero humano.
Beijinhos e há que resolver as saudades com um cafézinho. hehe

Também quero!!!!
... e para mais umas aprendizagens...:)

Muito bom! Esse tema é mais que bem-vindo aqui no contexto das blockchains, ainda mais assim de forma tão fundamentada. Valeu!

Muito Agradecido.
A parte dos blockchains ainda só está na cabeça, e espero que a fermentação das ideias se materialize e traga uma contibuição coletiva nascida na discussão.

Com certeza o movimento que você está fazendo das ideias do anarquismo vai fermentar as ideias sobre a Blockchain.

Que post ótimo sobre anarquismo!

Eu sou anarquista por natureza, e não vejo problema nenhum nisso... O problema está no conceito quase que automático que as pessoas têm sobre o anarquismo ser algo obrigatoriamente ruim! U.u'

Quase que acho positivo o estigma que a sociedade faz da anarquia, que é uma espécie de portão da verdade, que uma vez transposto revela as maravilhas da possibilidade de podermos traçar novos caminhos para uma mais justa e livre, no palácio da liberdade pessoal coletiva.

Thats very clearly explained thank u sir

Adorei este post, Charlie! Resteemado, porque me identifico! Eu sou anarco-sentimentalista! https://steemit.com/pt/@nolasco/sou-anarco-sentimentalista-e-porque

Abraço!