Índice e Conclusão da parte 1 - A Anarquia

in anarchy •  last year  (edited)

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo
Índice e Conclusão da parte 1 - A Anarquia

"A Anarquia é um" anti-cracia "e uma "não-cracia "." - charlie777pt

1 - Conclusão da Parte 1


Esta primeira parte sobre Anarquia do ensaio sobre a Dialética da Libertação, que foi a primeira iluminação, eu tive no princípio da minha adolescência que contribuiu para o meu caminho para a liberdade, quando passei por meio de duas revoluções reais, uma em África e outra em Portugal.

Depois de uma crise de 50 anos de fascismo e imperialismo colonial, finalmente o império português estava a desmoronar, e eu fiquei fascinado pela extrema esquerda (contra o bolchevismo e o maoísmo), mas logo senti que mesmo a filosofia política de esquerda era tão perigosa como o capitalismo, levava também aos regimes totalitários centralizados.

E quando eu estava farto do esquerdismo, um velho sindicalista, passou-me alguns livrinhos de Bakunin, que me iluminaram e me mostraram as possibilidades infinitas de pessoas viverem as suas vidas sem regras e constrangimentois, gozando de total liberdade individual.

Como leitor compulsivo, foi em um frenesi de leituras repetidas, e imediatamente decidi abandonar qualquer atividade política organizada e liderada, e transformar-me no lobo branco, que habita e caça sózinho na pradaria.

Subitamente descobri que as pessoas ficavam realmente assustadas, zangadas e até violentas, quando se tentava falar sobre o Anarquismo, e na altura todo o mundo estava estritamente na esquerda ou de direita na Península Ibérica (1974) e ambos os lados odiavam o Anarquismo.

Na época havia um bando de "malucos" que frequentavam o "Jornal República" em Portugal que eram dissidentes anarquistas de esquerda em Portugal e na Espanha, desde individualistas pacíficos até anarco-sindicalistas e alguns terroristas anarquistas de extrema violência.
Eu ainda me lembro como um grupo de anarquistas loucos (porque o terrorismo deles era direcionado para a figura do poder e não para o povo) que estava a organizar uma célula para tentar o assassinato de Franco em Espanha, que ainda estava no poder após a dissolução do fascismo em Portugal.

Também foi fundamental entrar em contato com o conceito de Ernst Jünger que descreve a "normalidade" e "caretice" do "Anarka" (Ou Anarca), que é o oposto do Anarquista, que não consegue esconder o seu comportamento e o seu discurso da liberdade e da individualidade.

O "Anarka" é mais resiliente para sobreviver no mundo emergente de estados totalitários e dominação multinacional usando anonimato e privacidade como o Anonymous, atuando como toupeiras que corroem o sistema por dentro em vez de o atacar por fora.

A seguir no meio da minha adolescência, foi fundamental a descoberta do Existencialismo, do Psicadelismo, do Anarco-punk e da anti-psiquitria, como dialéticas da libertação e restruturação do Ser, e que faram parte das próximas três partes deste ensaio.

"Estamos aqui para partilhar a Mente e não a Matéria" - charlie777pt

Espero que tenham gostado desta primeira parte sobre a Anarquia e que tenha aberto o apetite para os próximos assuntos, o Existencialismo, o Descentralismo e a Auto-Libertação.

2- Índice da Parte 1 - A Anarquia


Introdução á Dialética da Libertação - Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo
O que é o Anarquismo? - Parte 1 - Introdução filosófica
O que é o Anarquismo? - Parte 2 - O Conceito de Anarquismo
O que é o Anarquismo? - Parte 3 - Os Tipos de Anarquismo
A História do Anarquismo Parte 1 - Pré-Anarquia - Revolução Social
A História do Anarquismo - Parte 2 - O Anarco-Federalismo
A História do Anarquismo - Parte 3 - O Anarquismo Libertário
A História do Anarquismo - Parte 3 - Anarco-Sindicalismo
Anarquia Hoje - Parte 1 - A Era dos Extremismos
Anarquia Hoje - Parte 2 - Cripto-Anarquismo
Anarquia Hoje - Parte 3 - Ferramentas Anarquistas
Anarquia Hoje - Parte 4 - Anarquia no Blockchain-I
   
 
Anarquia Hoje - Parte 4 - Anarquia no Blockchain II
A Anarquia Hoje - Parte 5 - O Anarquismo de Hoje
 

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

Introdução à Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

I - Anarquismo

Próximos posts da Série:

II - Existencialismo

  • O que é o Existencialismo?
    • Parte 1 - Introdução Livre ao Existencialismo
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo
    • Parte 3 - A Filosofia do Existencialismo
  • Os "Existencialismos"
  • Humanismo e Existencialismo
  • Existencialismo e Anarquismo

III - Descentralismo

  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

IV - Dialética da Auto-Libertação

  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico

Referências:

- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Piotr Kropotkin - O surgimento do anarquismo
Colectivismo vs. Individualismo

Livros:
"Psychology, Ideology, Utopia, and the Commons" - Dennis R. Fox (1985) American Psychologist
Bey, Hakim (1991) 7:A.Z.: the Temporary Autonomous Zone, Ontological Anarchy, Poetic Terrorism, Brooklyn, NY: Autonomedia.
Byas, Jason Lee, Toward an Anarchy of Production - Parts I and II
Marshall, Peter, Demanding the Impossible A History of Anarchism, Fontana Press (1992 )
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Rothbard, Murray N., The Ethics of Liberty (1982)
Rothbard, Murray N., For a New Liberty The Libertarian Manifesto, Revised Edition
Tucker, Benjamin, Individual Liberty, Selections From the Writings
Pierre-Joseph Proudhon , What Is Property?
Bakunin, Michael , Bakuninon Anarchy: Selected Works by the Activist-Founder of World Anarchism
Crypto Anarchy, Cyberstates, and Pirate Utopias, edited by Peter Ludlow
Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

Mais uma vez um conteúdo de imensa valia em língua portuguesa. Confesso que sempre fui um crítico ao modelo de organização social que entendia como a Anarquia. Preso na própria condensação da linguagem que torno a criticar no funcionamento de massa que vivemos. No entanto lendo e aprendendo nos seus textos me aproximei com bastante afinidade ao que você traz como Anarquia e as críticas aos extremos de ambas as vertentes ideológicas que acredito que eventualmente teremos que superar como humanidade, por mais que entenda que estamos longe disso.

Acho também interessante, que nos moldes da premissa antipsiquiatria, um psiquiatra tenha referências alguns autores tidos como anti psiquiatria como o próprio Foucault, e que aprendi com mestres da psiquiatria, assim como também vejo a psiquiatria como saber médico navegar em vertentes longe de entender as leis da linguagem humana.

No mais caminhamos, por vezes também me sinto um lobo solitário, mas me anima ler na época da era desinformação, informações tão ricas como o proof of Brain se propoe a ser. Vamos seguindo. Que textos assim estimulem ao auto conhecimento, e ao conhecimento sobre seres humanos para além das ideologias, e do narcisismo infantil não superado. Valeu @charlie777pt!

Após muitos anos de abordagem das teorias e práticas para a liberação individual, cheguei á conclusão que existe uma interdisciplinariedade, mecanismos comuns e conceptuais entre a Anarquia, o Existencialismo, o Descentralismo, a auto-análise e libertação do Ser, e que todos vão por diferentes caminhos para chegar ao mesmo lugar, o auto-conhecimento para o exercício da liberdade individual.
As próximas partes irão exatamente nesse sentido como linha de pensamento deste ensaio.
Depois do Existencialismo, passarei pelos autores post-estruturalistas e o Humanismo, para depois ir á tarefa mais difícil e provocatória das linhas da dialética da liberação pessoal pela anti-psiquiatria, e movimentos com raízes anarquistas como o psicadelismo, a geração, Beat, hyppies and freaks, o punk e a música industrial como formas de consciência que fizeram transformações radicais e profundas contra os padrões culturais dominantes.
E mais uma vez muito obrigado pelas verdadeiras contribuições de "proof-of-brain" para para esta economia da atenção do Steemit.
Estou terminando de desenterrar da memória o existencialismo, que me tomou uma grande parte do meu universo de leitor, da minha praxis social, e da minha visão do Mundo, para começar a escrever a segunda parte deste ensaio.
Abraço

@charlie777pt, Parabéns! O teu post foi votado e resteem pelo Projeto Camões!

camoes sign 2.gif

PROJETO CAMÕES -Língua Portuguesa no Steemit!

Muito Obrigado.
Grande Abraço e o Camões continua a dar cartas na curadoria

@charlie777pt You have received a 100% upvote from @intro.bot because this post did not use any bidbots and you have not used bidbots in the last 30 days!

Upvoting this comment will help keep this service running.