Anarquia Hoje - Parte 3 - Ferramentas Anarquistas

in anarchy •  last year  (edited)

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Anarquia Hoje - Parte 3 - Ferramentas Anarquistas

"O homem deve temer uma vida sem sentido, porque quando não tem escolhas, ele é um refém do sistema" - charlie777pt

Introdução

Antes dos posts de Anarquia no Blockchain e aplicações descentralizadas, decidi dedicar um post para apresentar algumas Ferramentas para o Anarquismo que podem alimentar o sonho anarquista de autonomia em auto-sustentabilidade.
A primeira sociedade anarquista foi na Catalunha(Espanha) de 1936 a 1939, mas isso amedrontou as facções soviéticas de esquerda, que as sufocaram o que facilitou a vitória do movimento fascista de direita. Hoje poderiámos chamar-lhe Zona Temporária Autónoma

Existem algumas comunidades auto-sustentáveis com propriedade coletiva, com uma organização horizontal dos meios de produção, com o equilíbrio entre cooperação e liberdade pessoal e, normalmente desenvolvendo projetos de "Faz-Tu-Próprio" (DIY).

1- Naves da Terra (Earth-Ships), vivendo fora da Rede

As naves terrestres são habitações autónomas, totalmente desconectadas da rede de eletricidade, esgotos, com auto-suficiência de água, além deprovidenciar uma estufa para plantar vegetais, e até mesmo criar peixes usando os seus dejetos como fertilizante para as plantas.
O conceito "fora da Rede"(Off the Grid) é uma conquista importante para criar a auto-sustentabilidade como um princípio anárquico de se manter fora das imposições econômicas e políticas centralizadas dos governos.

No "mundo civilizado", as estruturas centralizadas têm resultados políticos de retórica, políticas e regras que proíbem esses projetos, tornando-os mais viáveis ​​nos países do terceiro mundo, com regras menos vinculadas à construção independente da rede.
Estes habitats auto-suficientes podem até usar resíduos reciclados, como pneus, garrafas e latas, e as atividades humanas são integradas ao mundo natural e não prejudicam o meio ambiente.

Naves da Terra são edifícios feitos de eco-materiais na sua maioria reciclado, com energia renovável e água tratada, incorporando estufa ou permacultura, que permite reduzir a pegada ecológica de combustíveis fósseis, o desperdício de água, produtos químicos nas plantas e, acima de tudo, reduzindo os custos de vida relacionados as com estruturas centralizadas e capitalistas, e tornando-se independentes de terceiros.

2 - Zonas Autónomas (@ -zones) - Fora o Estado

Zonas autónomas (@ - zones) são comunidades organizadas sob princípios anarquistas de ajuda mútua e cooperação, que são autónomas em relação ao governo, empresas, ou religião, que também são designadas por Zona Autónoma Permanente (PAZ), onde as pessoas também se podem reunir e aprender teorias e práticas anarquistas do passado e do futuro.
Algumas são lugares onde é possível conhecer atividades como alimentação racional e fornecimento de ajuda para pessoas que necessitam de transferência cultural para as preparar para enfrentar o futuro da sociedade.

Peter Lamborn Wilson (Hakim Bey) escreveu o manifesto “A Zona Temporária Autónoma” (TAZ) publicado em 1991 como T.A.Z .: A Zona Autónoma Temporária, Anarquia Ontológica, Terrorismo Poético como um movimento anarquista independente da autoridade dos estados.
Para Wilson as Zonas Autónomas só podem ser temporárias, pois mais cedo ou mais tarde as estruturas envolventes irão interferir na sua continuidade.

  • Revolução de Rojava
    A Revolução de Rojava é uma espécie de anarco.communism, fundada no meio de uma zona em conflito de guerra em Syrya é um exemplo de uma comunidade que encontrou maneiras de criar uma constituição para uma região autónoma, onde as mulheres têm uma palavra a dizer, até participando na defesa militar.
  • As comunidades Zapatistas
    Em 1994, pequenos agricultores de Chiapas no México criaram uma zona autónoma, com cerca de um quarto de milhão de habitantes, diminuindo os fundos do governo, mas construíram todas as infraestruturas necessárias em saúde, bancos, escolas e centros comunitários, usando uma governança democrática , descentralizada localmente a que eles chamam "Caracol" , e elesa cabaram o crime organizado e o álcool (pela demanda de mulheres que têm todos os direitos iguais ao homem consagrados pela Lei Revolucionária das Mulheres), em comunidades autogovernadas.
  • Freetown Christiania
    Freetown Christiania na capital dinamarquesa de Copenhague, é uma zona autónoma anarquista independente, sem interferência do governo central, mas esteve muitos anos desde sua proclamação, de um lado envolvida em conflitos com a autoridade, e por outro lado principalmente por ser uma zona de drogas livre, atraíu as máfias dos cartéis de estufacientes que tentaram dominar o território.
    Baseia-se em princípios não hierárquicos e anti-autoritários e fornece serviços como escolas independentes e jardins ecológicos comunitários, imprensa local e estações de rádio, provedores de internet locais e a comunidade é gerida por governança coletiva.

3 - Eco-Aldeias (Eco-Villages) - Fora do Sistema

Joan Bokaer em 1990 iniciou a primeira visão da Eco-Aldeia como comunidades autónomas de sustentabilidade social e económica com o respeito pelo meio ambiente, um modelo iniciado na prática em 1996, na Eco-Aldeia em Ithaca.
Hoje existem mais de 400 comunidades e este conceito está a espalhar-se pelo mundo em áreas rurais ou urbanas.

Os exemplos mais citados de zonas autónomas são a Dreamtime Village em Wisconson e o famoso PAZ Ecovillage no Texas, que é baseado na liberdade de auto-crescimento e auto-expressão, paz e uma fricção reduzida com o meio ambiente e o consumo de recursos.
As Eco-Aldeias são uma espécie de Eco-Anarquismo, proporcionando uma habitação sustentável, que de acordo com números da Dunbars, as eco-comunidades nunca devem ter mais de 150 membros para preservar a democracia direta, onde cada pessoa tem o direito e espaço para afirmar sua personalidade e diferença.

O novo experimento das Aldeias ReGen é a visão de alta tecnologia das Eco-Aldeias do futuro a serem iniciadas na Holanda.

Indivíduos e comunidades anarquistas acreditam na sustentabilidade da nossa nave espacial e na liberdade a nível pessoal social e económico.

[Editado] https://earthnation.world/ - Eu encontrei este link muito útil que encontrei no utilizador/usuário @zedikaredirect depois de escrever este artigo que é uma excelente referência [/ Editado]

Videos em Inglês:

Green Citadels. Explore eco-friendly earthships with sustainability pioneers

- TAZ (Temporary autonomous zones) by Peter Lamborn Wilson (aka Hakim Bey)

Eco-Village Sustainable Communities (summary of 'A New We')

Leituras em Inglês::

ReGen Villages : http://www.regenvillages.com
Rojava Revolution: Wiki
Freetown Christiania: Wiki
Ecovillages - Appropedia
PAZ Ecovillage: Wiki
PAZifesto : Wiki
Dreamtime Village : Wiki
Brendan Markey-Towler, Anarchy, Blockchain and Utopia: A theory of political-socioeconomic systems organised using Blockchain

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

Introdução à Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

I - Anarquismo

Próximos posts da Série:
I - Anarquismo(cont.)

  • A Anarquia Hoje (cont.)
    • Parte 4 - Anarquia e Blockchain
    • Parte 5 - Anarquismo de Hoje

II - Existencialismo

  • O que é o existencialismo?
  • Os "Existencialismos"
  • Humanismo e Existencialismo
  • Existencialismo e Anarquismo

III - Descentralismo

  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

IV - Dialética da Auto-Libertação

  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico

Referências:

- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Piotr Kropotkin - O surgimento do anarquismo
Colectivismo vs. Individualismo

Livros:
Bey, Hakim (1991) 7:A.Z.: the Temporary Autonomous Zone, Ontological Anarchy, Poetic Terrorism, Brooklyn, NY: Autonomedia.
Byas, Jason Lee, Toward an Anarchy of Production - Parts I and II
Marshall, Peter, Demanding the Impossible A History of Anarchism, Fontana Press (1992 )
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Rothbard, Murray N., The Ethics of Liberty (1982)
Rothbard, Murray N., For a New Liberty The Libertarian Manifesto, Revised Edition
Tucker, Benjamin, Individual Liberty, Selections From the Writings
Pierre-Joseph Proudhon , What Is Property?
Bakunin, Michael , Bakuninon Anarchy: Selected Works by the Activist-Founder of World Anarchism
Crypto Anarchy, Cyberstates, and Pirate Utopias, edited by Peter Ludlow
Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

Muito interessante esses dados. Fico me perguntando como alguns conseguem se organizar tão bem e outros com características favoráveis não conseguem também.

Hakim Bey é bastante claro na sua mensagem que nas atuais condições históricas, as zonas autónomas são sempre temporárias , porque o sistema circundante mais cedo ou mais tarde ataca-as, com base em ódio por incompreensão e medo da liberdade.
Em Portugal as comunidades que estão a desenvolver "Earth-Ships" tem visto o sistema a proibir as suas licenças pois é proibido construir estruturas que sejam desligadas da rede hegemónica.

Parabéns pelo post, explicacoes e argumentacoes amigo. Sucesso!


projeto #ptgram power | faça parte | grupo steemit brasil

Obrigado pela motivação e comentário.

Muito bom, mais uma vez, amigo! Fico à espera da tua ajuda para conseguir repor aqueles sttings do link que uma vez me enviaste para ver o menu "links" ao lado da wallet. Desapareceu! Obrigada e um abraço!

Oi Isabel, isso era um plug-in do browser que devem ter deixado de atualizar.
Estou a usar os clássicos www.steemd.com e www.steemd.com , mas o que tem mais dados é o www.steemworld.org.
Para ver qualquer utilizador é acrescentar /@nomedoutilizador.
Agora verifiquei que a extensão ainda funciona no Chrome browser
https://steemit.com/steemdev/@armandocat/steemit-more-info-1-4-chrome-extension-firefox-extension

Olá Carlos, atualizei mas a parte dos links continua a não aparecer. Se calhar estou a fazer alguma coisa mal... vou ver o steemworld... Obrigada e um beijinho!