Parte 2 - A Breve História do Existencialismo - III - Fenomenologia - Brentano a Husserl

in philosophy •  11 months ago  (edited)

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Parte 2 - A Breve História do Existencialismo
III - Fenomenologia - Brentano a Husserl

"A Existência é o nosso Destino e a Morte nosso Fado." - charlie777pt

1. Introdução

“A morte não é um mal, porque nos livra de todos os males e, embora tire coisas boas, também tira o desejo por elas. A velhice é o mal supremo, porque nos priva de todos os prazeres, deixando-nos apenas o apetite por eles e traz consigo todos os sofrimentos. No entanto, tememos a morte e desejamos a velhice. ”- Giacomo Leopardi

Os precursores dos filósofos existencialistas, antecipam a necessidade de novas abordagens para a realidade e novos valores para o homem moderno da sociedade industrial, e criaram os pilares para a a nova entidade filosófica centrada na busca interna pela individualidade e na liberdade de escolha, para estabelecer novas caminhos para a vida.

Eles, foram os filósofos da liberdade e a raiz principal do existencialismo, reivindicando a escolha individual e a responsabilidade, criam o nosso Destino, exceto que nossas vidas terminam em morte, uma condição humana que funciona como um Fado inevitável.

"A vida é difícil. Afinal, ela mata-o." - Katharine Hepburn

Uma das coisas mais importantes que eles entenderam, foi que o homem está acima de quaisquer restrições de qualquer sistema moral, político ou religioso que possa ser um obstáculo ao seu livre arbítrio.

O Existencialismo, como o Anarquismo e o Descentralismo, considera que os indivíduos têm a primazia sobre qualquer sistema, regime político e imposições morais ou religiosas sobre o comportamento pessoal.

Nós temos uma Essência que cresce pela Existência como o nosso Destino, e a experiência da Morte como o destino da finitude humana que está fora de controle, e devemos eliminar o temor dos Deuses.

Alguns existencialistas transcendentais acrescentam ao Destino da Morte, a Transcendência de Deus (s), que é usada para evitar encarar que somos mortais, pensar que nossas ações são livres de culpa, e quando a Essência reconhece erros, pode ser resolvido arrependendo-se, para expiar os pecados pelo perdão, em vez de aprender que os erros não podem ser corrigidos pela culpa (que na maioria das vezes as pessoas religiosas atribuem a outras pessoas de fora).

"Melhor reinar no inferno do que servir no céu." - John Milton em Paradise Lost

Nunca gostei da música portuguesa expressa no Fado, porque culturalmente deixa a sensação de aceitação de uma vida conformista que não podemos mudar, imposta por uma força externa que não podemos controlar, ajudando ao conformismo da cultura de 50 anos do fascismo em Portugal.

2 - Fenomenologia

Um dos principais objetivos da fenomenologia é compreender a realidade a partir do ponto de vista dos indivíduos sobre as suas experiências e sentimentos, o fenómeno que inclui também a "experiência vivida", a percepção e os sentimentos.

"De Jaspers a Heidegger, de Kierkegaard a Chestov, fenomenólogos como Scheler, no plano lógico e moral, toda uma família de espíritos, relacionados por sua nostalgia, opostos em seus métodos ou objetivos, obstinados em obstruir o verdadeiro caminho da razão e redescobrem os caminhos certos da verdade ... Quaisquer que tenham sido suas ambições ou tenham sido, todos eles partiram desse indescritível universo em que "contradição, antinomia, angústia ou impotência reinam". - Albert Camus in The Myth of Sisifus

A fenomenologia é a relação entre a consciência e a experiência direta dos objetos (pessoas e coisas) na nossa própria perspectiva e a vontade intencional,o seu significado e as condições facilitadoras.

A Fenomenologia tem muitas relações com a lógica, a ética, a ontologia e a epistimologia no estudo dos fenómenos das intenções, e dos atos correlativos de consciência, assim como a experiência direta de interação com os objetos (pessoas e coisas) do mundo.

A dualidade Ideal-Material é constituída pelo "Noema" e a "Noesis" são os elementos da estrutura do ato intencional, e ambos constituem e constroem a Essência.

O Noema é o "objeto-para-o-sujeito", as percepções, os sentimentos e os pensamentos em relação ao objeto (textura) ao que é dirigido, como um "ato-matéria".

Noesis é o "sujeito-do-objeto", os atos intencionais ou "qualidade de ato", o sentimento, o pensamento e a percepção do ato da experiência (relações estruturais).

"Todo objeto tem um ser e uma existência. Um ser, isto é, uma soma constante de atributos e uma existência. Ou seja, uma certa presença efetiva no mundo." - Jean-Paul Sartre em As Moscas

A fenomenologia é como a nossa própria visão de nós mesmos.

    2.1 - Franz Brentano (1838–1917)

O filósofo e psicólogo Franz Brentano (1838–1917) explicou que qualquer atividade mental humana, como a percepção, os desejos, as memórias, sentimentos, os conhecimento ou a intencionalidade, está sempre relacionada com algo (um objeto), separando-o assim do corpo porque este que não está relacionado com nada.

Pensamentos, crenças e desejos são “sobre” os seus objetos, é a marca condição humana que se distingue de um fenómeno físico.

Alguns pensadores brilhantes eram seus alunos como Edmund Husserl, Sigmund Freud e Rudolf Steiner, só para citar alguns.

Ele era um estudante profundo da filosofia de Aristóteles, antes de ser um padre católico romano, mas foi expulso mais tarde porque foi punido por não aceitar a infalibilidade da retórica do papa.

A "intencionalidade de consciência" criada por Brentano e redefinida por Husserl é o principal pilar sobre o qual se sustenta a construção da filosofia fenomenológica.

Para Brentano "intencionalidade" ... "é a marca do mental". Isso inclui, por exemplo, crenças, vontade, imaginação, memórias e o medo.

Ele estabeleceu a relação entre os atos mentais e o mundo, os "fenómenos mentais" como a experiência direta dos objetos, conectados a intenções baseadas nas nossas crenças e desejos como fenómenos psicológicos, distinguindo-os dos fenómenos físicos que não têm qualquer intencionalidade ou volição associados.

    2.2 - Edmund Husserl

Edmund Husserl, filósofo e estudante alemão de Brentano, escreveu um tratado sobre idéias (Ideen), onde explica a diferença entre nossos atos de consciência e os fenómenos em relação ao objeto para que está direcionado.

Edmund Husserl e Martin Heidegger eram grandes amigos e compartilhavam pontos de vista filosóficos comuns, mas por volta de 1928-1929, de repente, eles se dividiram e se tornaram inimigos sobre o conceito de fenomenologia.

Edmund Husserl era o líder dos pensadores fenomenologistas, mas sua inspiração para a fenomenologia veio de Brentano.

Para Husserl a consciência é experimentar o ato de conhecer (noesis) do sujeito consciente de um objeto e do próprio objeto (noema).

Ele distingue a percepção da intuição dos objetos:

  • A autopercepção e consciência de um objeto, sem a compreensão de sua essência, ser ou identidade.
  • A intuição da Essência de um Objeto como fonte de significado e compreensibilidade desse fenómeno.

Husserl em seu trabalho Investigações Lógicas mostra seu conhecimento anterior em matemática e psicologia para questionar mais sobre o significado, a verdade e a cognição, e os fenómenos da mente e da existência humana.

A fenomenologia “transcendental” final de Husser é uma busca profunda das estruturas fundamentais da experiência consciente e sua relevância para tópicos como estar o Ser no tempo e na consciência, e a intersubjetividade da relação de objetos.

"A Experiência em si própria não é Cência" - Edmund Husserl

Após este post sobre o fenomenólogo Edmund Husserl e o seu precursor e professor Franz Brentano, no próximo falaremos de Karl Jaspers, Martin Heidegger e Max Scheler.

Video curto e simples:

O QUE É A FENOMENOLOGIA

Image sources: Wikipedia

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

Introdução à Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

I - Anarquismo

II - Existencialismo

Próximos posts da Série:
II - Existencialismo(Cont.)

  • O que é o Existencialismo?(Cont)
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo: III - Fenomenologia - Brentano a Husserl
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo: III - Fenomenologia - Jaspers a Sheller
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo: IV - Humanismo Existenciaista
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo: V - Pós -Estruturalismo
    • Parte 3 - A Filosofia do Existencialismo : I - O significado do Sem Sentido
    • Parte 4 - O Medo da Liberdade de Erich Fromm
  • Os "Existencialistas"
    • Part 1 - Os Jogadores e os tempos
    • Part 2 - Jean Paul Sartre - O Homem do Século XX
  • Humanismo e Existencialismo
  • Existencialismo e Anarquismo
  • O Futuro: Pós-Humanismo, Transumanismo e Inumanismo

III - Descentralismo

  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

IV - Dialética da Auto-Libertação

  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • Psicadelismo e movimentos Libertários e Artísticos
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico

Referências:

- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Piotr Kropotkin - O surgimento do anarquismo
Colectivismo vs. Individualismo

Livros:
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Sarah Bakewell, At the Existentialist Café: Freedom, Being, and Apricot Cocktails with with Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty, and Others
Levy, Bernard-Henry , O Século de Sartre,Quetzal Editores (2000)
Jacob Golomb, In Search of Authenticity - Existentialism From Kierkegaard to Camus (1995)
Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Advanced Industrial Society
Louis Sass, Madness and Modernism, Insanity in the light of modern art, literature, and thought (revised edition)
Hubert L. Dreyfus and Mark A. Wrathall, A Companion to Phenomenology and Existentialism (2006)
Charles Eisenstein, Ascent of Humanity
Walter Kaufmann, Existentialism from Dostoevsky to Sartre (1956)
Herbert Read, Existentialism, Marxism and Anarchism (1949 )
Martin Heidegger, Letter on "Humanism" (1947)
Friedrich Nietzsche, The Will to Power (1968)
Jean-Paul Sartre, Existentialism And Human Emotions
Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo
Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense
Michel Foucault, Power Knowledge Selected Interviews and Other Writings 1972-1977
Erich Fromm, Escape From Freedom. New York: Henry Holt, (1941)
Erich Fromm, , Man for Himself. 1986
Fyodor Dostoevsky, Notes from Underground
Rick Roderick, Self under Siege Guidebook: The Self Under Siege – Philosophy in the 20th Century (1993)
About Rick Roderick and the videos : http://rickroderick.org/
Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

excellent description of existentialism

Hi Sergey,
Thanks for the Kick in motivation.:)

sir this language is out of my range but i see it is a great philosophy