O que é o Existencialismo? Parte 2 - A Breve História do Existencialismo: II - Pré-existencialistas

in philosophy •  9 months ago  (edited)

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo
O que é o Existencialismo? Parte 2 - A Breve História do Existencialismo: II - Pré-existencialistas

"Não acredite no que vê e no que lhe dizem, pense por si mesmo." - charlie 777

1. Introdução


Temos dois tipos de crenças internas, aquelas que interiorizamos a ordem de outras pessoas e são tão corretas para nós que não podemos parar de defendê-las, e temos o outro tipo de crenças que construímos por nós mesmos sem nenhuma figura de autoridade. modelando-o, exceto nós.
Claro, é uma viagem mental de pesadelo para encontrar aquelas crenças para as quais estamos cegos, as convicções reais que não estamos cientes, e aquelas que construímos usando partes deste subconsciente "forçado" por fora.

Ou seja, se tivesse um pai autoritário ou um ambiente fascista, teria que se esforçar para se livrar desses modelos não-adaptativos para a sobrevivência de hoje, porque estão quase ao nível do Inconsciente.
Por exemplo, Kierkegaard tinha convicções religiosas muito profundas, e no entanto, ele não foi capaz de justificá-las ou explicá-las claramente.

Agora vamos falar sobre as influências mais próximas e fortes do movimento existencialista

"É apenas em nossas decisões que somos importantes". Jean-Paul Sartre

A filosofia Existencialista está ligada a outros domínios metafísicos do pensamento como o Idealismo (Platão) baseado em valores humanos, o Realismo (Aristóteles) analisando atitudes e experiências, e o Pragmatismo (experiencialismo) focado na aprendizagem das nossas crenças e da cultura.

O Existencialismo foi uma passagem da filosofia analítica tradicional, centrada no Sujeito Pensante, para uma visão mais focada no agir e no sentimento do Ser Humano de cada Pessoa, e na busca da autenticidade da luta individual pela liberdade, que é a fonte da Angústia permanente das escolhas para viver e experenciar nossas ações.

E agora vamos desenterrar as raízes da árvore do pensamento existencialista.

   2- Fyodor Mikhailovich Dostoevsky (1821-1881)

No final da adolescência, comecei a ler Fiodor Dostoiévski e não pude parar até encontrar todos os livros e cartas que foram traduzidos da língua russa, porque todos os personagens de seus livros estão vivos, estão atormentados, e agonizam na compreensão de si mesmos e se sentem miseráveis por ser incapaz de compreender e de se juntar aos outros seres humanos e á sociedade.

A partir de então, mergulhei na psicanálise, na psicologia, na filosofia, na antipsiquiatria e em muitos escritores que analisam alguns ângulos de suas "personas" em conflito interno na sua Essência, e a colisão com a Existência com os outros na sociedade.
Cheguei à conclusão de que só Fiodor Dostoiévski poderia dar a sensação das visões multi-angulares do conflito interno da mente de um homem, e a luta com o exterior.

Fyodor Mikhailovich Dostoiévski foi um romancista, jornalista e ensaísta russo, e no seu livro Notes from Underground (1864), com o "homem-subterâneo", que sofre para se definir a si mesmo e com as suas necessidades de lidar com o mundo, para sentir um sentimento de pertença e, ao mesmo tempo, afirmar a sua autonomia e total liberdade de escolha, numa grande luta para existir e encontrar-se e tentar criar significado na sua vida e dar sentido à sua Existência.

A figura do "homem underground (subterrâneo)- que ele certamente era) no livro acima referido, luta para entender a natureza de seu Ser e assumir total responsabilidade pelos seus atos, a sua existência e o mundo ao seu redor.

Fyodor Mikhailovich Dostoiévski é a principal raiz histórica do ramo filosófico do Existencialismo, mostrando como estamos sozinhos, e o constante desespero da condição humana pressionada pelas instituições morais, sociais, estatais e económicas, bem como superando as limitações da transcendência de Deus(es) determinando o nosso Fado para evitar a nossa autodeterminação na construção do nosso Destino.

Dostoiévski era um ativista, talvez radical, certamente insurrecionista e talvez terrorista, com ligações com grupos utópicos clandestinos, que queriam transformar a sociedade e, depois de ser preso, passou a experiência de uma execução de esquadrão de fuzilamento falso, com o objectivo de o quebrar psicológicamente.

Após este enredo(trama) feita pelo poder aristocrático, ele foi enviado para a Sibéria para uma sentença de 4 anos e depois da prisão, ele se torna-se parte da geração niilista na Rússia.

Sartre e Dostoyevsky eram mestres do perfil psicológico dos indivíduos e dos seus conflitos internos e restrições das situações sociais, mostrando as perversidades, a perfídia e a violência na condição humana.

Dostoiévski era um moralista niilista e a melhor viagem na fenomenologia da autoconsciência e da nossa responsabilidade pelas nossas ações, um autor-chave para a compreensão de nós próprios.

   3 - Søren Kierkegaard (1813-1855)

Confesso, que Kierkegaard, sempre foi uma leitura difícil, que só comecei depois da minha adolescência, por causa de suas referências à visão transcendental de Deus e ao seu cristianismo exacerbado, que até criticava a igreja e as práticas religiosas da sua época, e porque me recuso a aceitar que seres livres para exercitar sua vontade, criem um duplo vínculo de um supremo poder condicionando-o, para além da finitude humana da Morte.

Søren Kierkegaard, um filósofo dinamarquês foi influenciado por Hegel e Kant, e ele se transformou em uma das maiores fontes de conhecimento onde o existencialismo enraizou seus conceitos filosóficos e referências.

"As três formas de desespero: não ter consciência de ter um eu, não querer ser você mesmo, mas também desespero por querer ser você mesmo. O desespero é "doença até a morte"."- Søren Kierkegaard Doença até a morte.

Kierkegaard diz: "A verdade é subjetividade e a subjetividade é a verdade", significa a negação da objetividade da verdade em termos de factualidade, e mesmo se aplica Cristianismo em que ele acreditava.

Para Stirner, somos "um abismo de impulsos sem lei nem regulamentação, desejos, anseios, paixões, caos sem luz ou estrela guia".

Eu não sou fã de Kierkegaard, por causa de suas crenças cristãs de Deus como um ser superior além de nosso verdadeiro Eu, e ao mesmo tempo, porque acredito que cada indivíduo deve procurar a auto-emancipação para encontrar a verdade em toda a sua subjetividade.

Kierkegaard e Nietzsche, são o pai e a mãe, o poço mais inspirador e fundamental de onde o movimento existencialista bebeu os seus princípios e a formação do seus conceitos.

   4 - Friedrich Nietzsche (1844-1900)

“A esperança é o pior dos males, pois prolonga os tormentos do homem.” - Friedrich Nietzsche

A filosofia nietzschiana enraizou a história intelectual Ocidental do século XIX em muitos assuntos como a verdade e moralidade, religião e ciência, teoria da cultura e da linguagem, vontade de poder e consciência, na busca de um sentido para a existência, trazendo à tona Übermensch (Super-homem) e proclamando que "Deus está morto".

O seu ponto de vista central é a vontade de poder como a força subjacente às ações humanas que impulsionariam a realização de ambições pessoais e as montanhas da hierarquia humana, para aumentar o exercício desse poder.

Nietzsche é considerado um niilista existencial porque não há ordem ou objetivos no mundo, exceto o modo como o moldamos, mas não há meio ou valores para o sustentar, e que não pode ser obtido pelo raciocínio, então a vida não tem sentido e não tem propósito ou meta.

Um nihilista não acredita na verdade da moralidade e Nietzsche acreditava que a ordem do mundo era uma construção pessoal pela destruição das fachadas da realidade, porque a vida não tem sentido, que nenhuns valores tem fundação para os suportar, e a racionalidade e raciocínio não fazem qualquer sentido.

Mas o mais importante que o exitencialismo nos ensina, é que nós podemos criar o nosso próprio signficado que é subjectivo, mas que dá algum poder pessoal na vida, para além do ateismo como simples forma de negação da crença em Deus(es).

   5 - Arthur Schopenhauer (1788-1860)

"Todos tomam os limites de sua própria visão como os limites do mundo". - Arthur Schopenhauer

Um dos livros que ajudam minha dialética pessoal da luta pela liberdade foi, sem dúvida, Arthur Schopenhauer, um filósofo alemão que comecei a ler quando tinha 22 anos, começando com seu longo livro O mundo como vontade e representação (1818), onde vemos a sua visão fenomenológica do mundo como o produto do exercício de uma vontade metafísica cega e insaciável de qualquer indivíduo.

Ele influenciou as visões filosóficas de Nietzsche e Wittgenstein, mostrando que o mundo é apenas uma representação de nossa própria vontade.

Para Schopenhauer, a sociedade é uma representação da vontade da Humanidade, e quando o poder se solidifica sufoca as pessoas e a vida, e são as lutas, obstáculos e barreiras a superar pelo sofrimento, levando a um tipo de pessimismo suicida espiritual, que para ele, não se aplica á fuga de desconectar o corpo para acabar com esse desespero pela morte voluntária.

Ele disse que um louco é aquele que não pode usar sua memória, talvez ele tenha sido o primeiro a sentir que havia um lado mais sombrio da consciência, que Eduard von Hartmann materializou no livro Filosofia do Inconsciente (1869) que culminou no conceito de Freud do aparelho psíquico humano.

   6 - Karl Marx (1818-1883)

Karl Marx desmascarou a ordem económica da sociedade capitalista burguesa, as relações de produção, e a ligação entre o capital e a desigual distribuição de valor acrescentado criado, porque ele é pré-determinada pela estrutura hierárquica das classes.

Eu nunca gostei de confundir a teoria económica de Marx, com a praxis negativa resultante de Marxistas que se investem com um exercício infinito do poder de sua vontade, e ficam obcecados como muitos fascistas fizeram e continuam a fazer, assassinando vozes e pessoas.

Nos tempos da minha juventude, costumávamos chamá-los social-fascistas, porque qualquer estrutura centralizada, como o individualismo (liberalismo) ou o coletivismo, sempre coloca um poder sem escrutínio, nas mãos de alguns homens e mulheres, que sempre corrompem o exercício da autoridade em prepotência.

Também o Liberalismo ou o Individualismo exercido com o controle de autoridades centralizadas, sempre amordaçará o livre comércio, os mercados livres e as vozes do livre arbítrio.
Qualquer estrutura hierárquica centralizada sempre desperta o vício da vontade ilimitada de poder, revelando o pior da humanidade, gerando danos colaterais irrecuperáveis, humanos e naturais.

Para finalizar, deixarei os leitores com Marx, nas suas próprias palavras proféticas, de que agora estamos a viver a verdadeira guerra das parcelas de mercado dos regimes imperialistas.
Quem é dono dos dos meios de produção, torna-se também dono dos meios de comunicação, e controla e preverte o processo democrático.

Esta citação abaixo mostra muito, o que está a acontecer hoje, com a peça caquética de xadrez de Trump, no já tenso jogo internacional, fervendo a panela de guerras imperialistas.

"... tudo se tornou monopólio, há também hoje em dia alguns ramos da indústria que prevalecem sobre todos os outros, e asseguram às nações que especialmente os estimulam o comando do mercado do mundo."
"Se os comerciantes livres , não conseguem entender como uma nação pode enriquecer à custa de outra, não precisamos de nos admirar, já que esses mesmos senhores também se recusam a entender como, no mesmo país, uma classe pode enriquecer à custa de outra. Não imaginem, senhores deputados, que ao criticar a liberdade de comércio tenhamos a menor intenção de defender a proteção, podemos nos opor ao constitucionalismo sem sermos a favor do absolutismo, e o sistema protetor não é mais do que um meio de estabelecer a fabricação em larga escala. qualquer país, isto é, de torná-lo dependente do mercado do mundo e, a partir do momento em que se estabelece a dependência do mercado mundial, há mais ou menos dependência do livre comércio também. O sistema de proteção do Comércio Internacional ajuda a desenvolver a livre concorrência dentro de uma nação. "
- Karl Marx em Livre Comércio
"O Protecionismo é guerra económica, que precede os verdadeiros confrontos bélicos internacionais" - charlie 777

Espero ter clarificado os pensamentos centrais dos autores que influenciaram as mentes dos pensadores existencialistas.
No próximo post, abordaremos o movimento fenomenológico, que teve fortes influências no corpo teórico do existencialismo.

Videos(Em inglês):
The Mock Execution of Fyodor Dostoyevsky

The Good Life: Nietzsche [HD]

Image sources: Wikipedia

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

Introdução à Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

I - Anarquismo

II - Existencialismo

Próximos posts da Série:
II - Existencialismo(Cont.)

  • O que é o Existencialismo?(Cont)
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo: III - Fenomenologia
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo: IV - Humanismo Existenciaista
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo: V - Pós -Estruturalismo
    • Parte 3 - A Filosofia do Existencialismo : I - O significado do Sem Sentido
    • Parte 4 - O Medo da Liberdade de Erich Fromm
  • Os "Existencialistas"
    • Part 1 - Os Jogadores e os tempos
    • Part 2 - Jean Paul Sartre - O Homem do Século XX
  • Humanismo e Existencialismo
  • Existencialismo e Anarquismo
  • O Futuro: Pós-Humanismo, Transumanismo e Inumanismo

III - Descentralismo

  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

IV - Dialética da Auto-Libertação

  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • Psicadelismo e movimentos Libertários e Artísticos
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico

Referências:

- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Piotr Kropotkin - O surgimento do anarquismo
Colectivismo vs. Individualismo

Livros:
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Sarah Bakewell, At the Existentialist Café: Freedom, Being, and Apricot Cocktails with with Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty, and Others
Levy, Bernard-Henry , O Século de Sartre,Quetzal Editores (2000)
Jacob Golomb, In Search of Authenticity - Existentialism From Kierkegaard to Camus (1995)
Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Advanced Industrial Society
Louis Sass, Madness and Modernism, Insanity in the light of modern art, literature, and thought (revised edition)
Hubert L. Dreyfus and Mark A. Wrathall, A Companion to Phenomenology and Existentialism (2006)
Charles Eisenstein, Ascent of Humanity
Walter Kaufmann, Existentialism from Dostoevsky to Sartre (1956)
Herbert Read, Existentialism, Marxism and Anarchism (1949 )
Martin Heidegger, Letter on "Humanism" (1947)
Friedrich Nietzsche, The Will to Power (1968)
Jean-Paul Sartre, Existentialism And Human Emotions
Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo
Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense
Michel Foucault, Power Knowledge Selected Interviews and Other Writings 1972-1977
Erich Fromm, Escape From Freedom. New York: Henry Holt, (1941)
Erich Fromm, , Man for Himself. 1986
Fyodor Dostoevsky, Notes from Underground
Rick Roderick, Self under Siege Guidebook: The Self Under Siege – Philosophy in the 20th Century (1993)
About Rick Roderick and the videos : http://rickroderick.org/
Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

@charlie777pt O teu post foi selecionado e votado pela curadoria @pataty69 projeto que procura grandes recompensas em posts com excelentes conteúdos e que pode ser seguido na minha trail no Steemauto .

conheça meu projeto pessoal: Curadoria @pataty69

Posted using Partiko Android

Congratulations @charlie777pt! You have completed the following achievement on the Steem blockchain and have been rewarded with new badge(s) :

Award for the number of posts published
Award for the number of upvotes

Click on the badge to view your Board of Honor.
If you no longer want to receive notifications, reply to this comment with the word STOP

Do not miss the last post from @steemitboard:

SteemitBoard Ranking update - Steem Power, Followers and Following added

You can upvote this notification to help all Steemit users. Learn why here!