Parte 2 - A Breve História do Existencialismo: IV - Existencialistas Humanistas - Buber, Arendt e Tillich

in philosophy •  10 months ago  (edited)

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Parte 2 - A Breve História do Existencialismo:
IV - Existencialistas Humanistas - Buber, Arendt e Tillich

"Os sonhos internos do Ser comandam a vida" - charlie777pt

1 - Introdução

"Quem tentar penetrar no Roseiral do Filósofos sem chave, parece um homem que quer andar sem pés" - Michael Maier in Atlanta Fugiens, (1617)

Um dos primeiros pensadores humanistas foi Erasmo (1466-1536), pregando contra a educação religiosa dos adultos por eles terem uma moral responsável natural no seu livre-arbítrio e raciocínio, e que a sociedade desensina as crianças sobre a sua bondade já natural, bem como as trata com a imposição da força, estragando a organização normal dos seus estádios de evolução.

Essas idéias foram prolongadas pela filosofia educacional de Rousseau (1712-1778) e Pestalozzi (1746-1827) enfatizando a bondade humana natural, a flor da capacidade nascida de sentir e raciocinar sobre o mundo, aprendendo o processo de controlar o nosso destino sem restrições, para afirmar a liberdade pessoal de escolha sob o peso da responsabilidade.

Do ponto de vista humanístico, a Liberdade é uma propriedade de todo homem e mulher que nasce e têm esse direito natural inalienável como uma meta do consórcio humano do qual ele faz parte, para encontrar uma razão para a Existência e desenvolver as suas capacidades máximas, para participar da construção de uma sociedade mais humana.
A maioria dos principais filósofos do existencialismo humanista tinha crenças religiosas, mas sua postura de vida ética foi separada do teísmo e recusou representações sobrenaturais da realidade, colocando a ciência e a racionalização substituindo os dogmas e crenças religiosos.

O humanismo como uma visão individualista de que a realidade é moldada pelo livre arbítrio de cada pessoa, em uma construção auto-aperfeiçoada de nossos valores naturais nascidos e da responsabilidade em uma humanidade baseada na ajuda mútua ética, buscando sua verdade e lugar no Universo.
Alguns humanistas tentam uma abordagem mais coletivista com base na visão das necessidades da comunidade para serem contrabalançadas com os direitos individuais.

2 - Existencialistas Humanistas - Buber, Arendt e Tillich

Buber e Tillich morreram em 1965, e não puderam ver o existencialismo nas ruas em 68, como uma filosofia ativa como uma práxis que se amotinava nas ruas para mudar a realidade.

      2.1 - Martin Buber (1878 – 1965)

Martin Buber foi um autor prolífico e um ativista político que mistura filosofia e misticismo religioso, fenomenologia teológica, educação, política, bem como arte, tornou-se bem conhecido pelo seu livro I and Thou. (Eu e Tu).

As primeiras influências de Buber são a definição de espaço e tempo de Kant, como a intuição humana e percepções sensoriais, os conceitos vitalistas de Nietzsche sobre o livre arbítrio, a experiência vivida e a integridade humana e Schopenhauer com o poder de nos projetar na realidade duma maneira épica ou heróica.

As primeiras raízes de Buber foram o idealismo transcendental de Kant e o livro Zaratustra de Nietzsche, usando o primeiro para resolver o mistério que o nosso Ser transcende o espaço e o tempo e se baseia na intuição humana organizando percepções no caos, e ele usa o segundo para moldar o conceito da vontade de poder numa visão centrada no individualismo, para projetar as nossas capacidades e padrões globais.

Ele rompeu com a sua tradição de família judaica para prosseguir o estudo da filosofia, e tornou-se bem conhecido por sua existência dialógica(dialogante) , com os modos de estar em diálogo como I-Thou(Eut-Tu) ou I-You (Ich-Du em alemão) ou em monólogo como I-It (Eu-Isso, Ich -Es em alemão), enfatizando a natureza interpessoal da comunicação como encontro, diálogo, mutualidade com troca linguística ou simbólica

"Toda a vida real é reunião." - Martin Buber em Eu e Tu

Ele seguiu Feuerbach e Kierkegaard, e retratou nossa Existência como um encontro na realidade com objetos (pessoas e coisas), usando a teologia do Eu-Tu e do Eu-Isso (as representações mentais) como modos de consciência e estar na atualização dessa Existência, que ele estende ao relacionamento com Deus.

I-It (Eu-Isso) é também a visão de que o mundo está centrado no Self com direção aos objetos baseados no interesse, mais como um relacionamento consigo mesmo, e a relação Y-You (Eu-Isso), nos encontros entre sujeitos que extrapolam a relação sujeito-objeto de Descartes.

Buber disse que vivemos entre estes dois pólos dominantes, e ele viu que as relações empobrecedoras da nova visão materialista do mundo moderno, centralizando as pessoas no Eu-Isso como um eixo dominante progressivo da vida que leva à desumanização e à solidão.

“A verdadeira luta não é entre Oriente e Ocidente, ou capitalismo e comunismo, mas entre educação e propaganda.” - Martin Buber

     2.2 - Hannah Arendt (1906-1975)

Johanna "Hannah" Cohn Arendt, foi uma filósofa e autora sobre teorias políticas e epistemologia, com uma preocupação com a sombra negra do totalitarismo e orientada pelas influências precoces de seu professor e namorado por algum tempo Martin Heidegger, e mais tarde ela terminou seu doutoramento com Karl Jaspers.

"Este é o preceito pelo qual eu vivi: prepare-se para o pior; espere o melhor e aceite o que vier." - Hannah Arendt

Ela foi criada num ambiente cultural progressista judaico na Alemanha, e antes da Segunda Guerra Mundial ela foi confrontada com o anti-semitismo que ela investigou e por isso, ela foi presa pela Gestapo em 1933 e em 1937 ela perde sua nacionalidade alemã, e em 1940 ela é presa pelos franceses.
Em 1941, ela decide fugir para a América passando por Portugal, obtendo a sua cidadania americana em 1950, e um ano depois é começa a ser notada pelo seu livro As Origens do Totalitarismo e em 1958 pela obra A Condição Humana.

Certamente, como um reflexo de sua conturbada vida de assédio nazista e perseguições posteriores, ela escreveu sobre a relação entre poder e a maldade do autoritarismo, e sobre os benefícios políticos da democracia direta e o conceito de cidadania como ativismo e envolvimento ativo para evitar o risco de o governo toma posse da liberdade pessoal.

Ela já sabia que as sociedades modernas estavam a converter a democracia numa burocracia participativa administrativa, transformada na atual tecnocracia entrópica, onde os prinipais beneficiários ditavam as regras e os fluxos financeiros, e onde não há lugar para um mundo livre, instigando-nos a questionar os nossos conceitos internos de autodeterminação para fazer uma revolução, usando a nossa força de vontade e liberdade baseada nos nossos próprios pensamentos e julgamento.

Ela faz uma distinção entre poder e violência, vendo o posterior como manifestações extremistas antiéticas do primeiro, que devem se basear nas escolhas coletivas que não podem ser impostas por meios violentos e nomeando a burocracia ("não governar ninguém"). como uma máquina agressiva que não ouve as pessoas governadas por ela.

A violência desaparece quando o poder é zero ... !!! A vida é efêmera, paremos agora o câncer do vírus maligno do poder.

"O crescimento económico pode, um dia, se tornar uma maldição em vez de um bem, e sob nenhuma condição pode levar à liberdade ou constituir uma prova de sua existência." - Hannah Arendt

     2.3 - Paul Tillich (1886-1965)

Em primeiro lugar, as minhas opiniões sobre Paul Tillich são limitadas pelas referências de outros autores correlacinados, porque na minha juventude não pude perder tempo com transcendência da fé religiosa e de Deus(es), mas vou mencioná-lo pelas suas influências históricas, em nome do meu amor pelo tema do existencialismo e do respeito das opiniões de qualquer um.

Paul Johannes Tillich, foi um filósofo existencialista cristão, bem como um luterano protestante, que se tornou um dos teólogos mais influentes do século passado, introduzindo as relações entre as revelações cristãs e a solução dos dilemas da natureza e da existência humana.
Em 1933, o governo nazista destituiu Tillich de sua cátedra de Filosofia na Universidade de Frankfurt, tornando-o mais um ser humano que emergiu da opressão do fascismo e do totalitarismo, alguns acabando na Resistência e que marcou as vidas nos últimos séculos dos mais influentes artistas, escritores e filósofos do século XX.

De qualquer forma, o que eu aprendi sobre ele pelos ângulos de outros autores sobre a sua obra na veia existencialista, começando pelo título de seu livro que eu realmente gosto - The Courage to Be - mostrando os seus conceitos filosóficos de ontologia (o domínio do Ser) e da sua finitude humana, para tentar gerar uma ponte para os dogmas teológicos da revelação cristã.

A sua abordagem para mim é como usar o conceito do Céu para resolver o Inferno gerado pela ganância humana e consequente violência, e é apenas um véu para se esconder da nossa força interior, e para nos impedir de fazer um refúgio seguro na Terra para uma orientação universal como pilares dos valores da humanidade.

"A solidão expressa a dor de estar sozinho e a solidão expressa a glória de estar só". - Paul Tillich

O humanista vê a moralidade como uma causa natural de nossa relação com outras pessoas focadas no objetivo de objetivos e benefícios mútuos como a melhor escolha de jogo baseada em uma abordagem ética de desejar aos outros o melhor que desejamos, construir uma sociedade humana livre de altruísmo e cuidar dos seres humanos.

Aqui fica a primeiro post sobre os Humanistas Existencialistas Buber, Arendt, e Tillich, para terminar no próximo artigo com Rollo May e Abraham Maslow.

Origem das fotografias: Wikipedia

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

Introdução à Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

I - Anarquismo

II - Existencialismo

Próximos posts da Série:
II - Existencialismo(Cont.)

  • O que é o Existencialismo?(Cont)
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo: V - Humanismo Existencialista - Rollo May
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo: V - Humanismo Existencialista - Abraham Moles
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo: VI - Pós -Estruturalismo
    • Parte 3 - A Filosofia do Existencialismo : I - O significado do Sem Sentido
    • Parte 4 - O Medo da Liberdade de Erich Fromm
  • Os "Existencialistas"
    • Part 1 - Os Jogadores e os Tempos
    • Part 2 - Jean Paul Sartre - O Homem do Século XX
  • Humanismo e Existencialismo
  • Existencialismo e Anarquismo
  • O Futuro: Pós-Humanismo, Transumanismo e Inumanismo

III - Descentralismo

  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

IV - Dialética da Auto-Libertação

  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • Psicadelismo e movimentos Libertários e Artísticos
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico

Referências:

- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Piotr Kropotkin - O surgimento do anarquismo
Colectivismo vs. Individualismo
Índice do Capítulo 1 - Anarchism desta série

Livros:
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Sarah Bakewell, At the Existentialist Café: Freedom, Being, and Apricot Cocktails with with Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty, and Others
Levy, Bernard-Henry , O Século de Sartre,Quetzal Editores (2000)
Jacob Golomb, In Search of Authenticity - Existentialism From Kierkegaard to Camus (1995)
Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Advanced Industrial Society
Louis Sass, Madness and Modernism, Insanity in the light of modern art, literature, and thought (revised edition)
Hubert L. Dreyfus and Mark A. Wrathall, A Companion to Phenomenology and Existentialism (2006)
Charles Eisenstein, Ascent of Humanity
Walter Kaufmann, Existentialism from Dostoevsky to Sartre (1956)
Herbert Read, Existentialism, Marxism and Anarchism (1949 )
Martin Heidegger, Letter on "Humanism" (1947)
Friedrich Nietzsche, The Will to Power (1968)
Jean-Paul Sartre, Existentialism And Human Emotions
Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo
Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense
Michel Foucault, Power Knowledge Selected Interviews and Other Writings 1972-1977
Erich Fromm, Escape From Freedom. New York: Henry Holt, (1941)
Erich Fromm, , Man for Himself. 1986
Fyodor Dostoevsky, Notes from Underground
Rick Roderick, Self under Siege Guidebook: The Self Under Siege – Philosophy in the 20th Century (1993)
About Rick Roderick and the videos : http://rickroderick.org/
Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

Muito bom @charlie777pt, gosto muito do existencialismo e sua construção está incrível. Muito interessante e coerente o fio que percorre construindo o ideal existencialista. Seus textos são sempre um presente aqui no Steemit pela proposta assertiva que traz em uma síntese elaborado. Fiquei com uma questão, uma dúvida que venho tendo e vou aproveitar para ouvir sua opinião a partir do que vem trazendo. Se não poderíamos considerar a filosofia helênica com os pré socráticos como Heráclito, e posteriormente os sofistas como um primórdio do existencialismo? Entendi como reflexões que já visavam o Arché, e depois o Eidos com Platão que de certa forma dialoga com a existência a partir do metafísico como ideais coletivistas em reflexões que já fundavam a corrente que será retomada depois com o Tomismo onde você inicia sua construção. Venho tendo essa dúvida em construção que venho fazendo sobre as correntes de pensamento que repercutem atualmente. Novamente obrigado pelos textos.

Olá amigo matheus, peço desculpa mas só agora foi possível responder a mais um comentário com um padrão de qualidade que deveria orientar a comunidade Steemit.
Muito obrigado pelos seu comentário estimulante para a minha vontade de publicar, e que me faz usar algumas parte da filosofia antiga relacionadas com as raízes do existencialismo, que omiti para não enfastidiar os leitores . :)
Primeiro confesso que os meus conhecimentos e leituras mais profundas são muito á volta da filosofia contemporânea e os meus conhecimentos foram formatados suas ligaçõoes á psicanálise, estruturalismo, mas atualmente estou a ler mais filosofia e livros antigos para perceber essas visões pela boca dos seus autores.

A minhas primeiras difíceis lições da filosofia, centraram-se na perceção e análise da dualidade dos pensamentos platónico e aristotélico como bifurcações de um dois ramos de uma árvore que alimentam as linhas de pensamento da filosofia até aos nossos dias.
A rotura com o o pensamento mítico e místico para dar lugar a uma reflexão sobre a atividade humana.para usar o raciocínio e razão humana marcada pela proposta de Tales de Mileto (625-547 AC) já procurada pelos Gregos, para partirmos na viagem dos mitos aos conceitos para conhecer "as coisas" sem referências externas ao que elas realmente são.

O Arché do como conceito na linguagem da filósofos da era cosmológica da análise da Natura e da Physis com período pré-socrático entre o secúlo VIII e V AC com a escolas jónica de Tales e Anaximandro , a escola de Pitágoras (570-425 AC), a heleática de Heráclito e Parnemide e a escola atomista de Eucipo e Demócrito.
Segue-se o período Clássico ou socrático (Sócrates(469-399 AC), Aristoteles (384-322 AC) Platão(427-347 AC), que se voltam para o estudo da ontologia e da metafísica, para dar lugar ao Helenismo , com o Estoicismo de de Zenão e Sêneca , o Epicurismo de Epicúro(341-270 AC) e Lucrécio, e o neoplatonismo de Plotino.

Claro que o pensamento renascentista traz para o palco o homem criativo e transformador como o vortex do Universo, baseado-se nos três diálogos de Platão (Banquete, Fédon, Fedro), no nascimento dos artífices e no pensamento florentino que estimula a actividade política e a liberdade dos burgos, contra o poderio papal e do império romano-germânico.
A Filosofia Moderna do racionalismo clássico, com o iluminismo, o cientifismo e a afirmação das artes como sinal do progresso social, são também muito importantes na conceptualização do existencialismo e do humanismo na Filosofia Contemporânea.
Nos seguintes posts que estou a escrever irei lembrar-me deste comentário para algumas vezes estabelecer ligações com a teoria do humanismo e existencialismo com o pensamento filosófico mais ancestral.
Venha sempre mais!!!
Abraço

Obrigado @charlie777pt pelo esclarecimento e complementação. Estou a começar também textos mais direcionados a esses assuntos. Aproveitei para tirar essa dúvida. Muito interessante o pensamento antigo, mesmo que eu tenha acesso através de outros autores, ou por traduções de traduções. Como era um pensamento tão profundo e intelectualizado, e como perdemos tanto com o tempo. A ponto de todos grandes pensadores retornarem aos lampejos do pensamento humano. Essa perda é uma aspecto da língua e linguagem que me angustia e ao mesmo tempo me fascina. Obrigado pelos esclarecimentos. Também irão me ajudar na minha construção! Grande abraço.

great article, I love your philosophy articles, thank you.

Tks a lot Sergey, philosophy is the light for the paths of our life. :)

Congratulations @charlie777pt! You have completed the following achievement on the Steem blockchain and have been rewarded with new badge(s) :

You made more than 41000 upvotes. Your next target is to reach 42000 upvotes.

Click here to view your Board of Honor
If you no longer want to receive notifications, reply to this comment with the word STOP

Do not miss the last post from @steemitboard:

SteemFest3 and SteemitBoard - Meet the Steemians Contest

You can upvote this notification to help all Steemit users. Learn why here!