A Mudança Social - Parte 2 - Minorias como Influência Social

in psychology •  last year 

Realidade Social: Violência, Poder e Mudança
A Mudança Social - Parte 2 - Minorias como Influência Social


"Minorias podem-se transformar em maioria" - charlie777pt

Introdução


As maiorias usam sempre a influência social normativa, enquanto as minorias usam informações e mensagens estruturadas cognitivas e persuasão.
As visões e posições minoritárias podem mudar atitudes e comportamentos da maioria para aceitar uma perspectiva alternativa de benefício.

1 - Como as minorias agem

As ações e influências das minorias geram um conflito com a maioria que irá expressar uma resistência à introdução de perspectivas inovadoras sobre a tomada de ações ou posições.

"Quase sempre, a minoria dedicada criativa tornou o mundo melhor" - Martin Luther King
O conflito gerará reações que fazem com que a maioria reconheça a existência da minoria, que tem a capacidade de influenciar a criação de um tipo de mecanismo de negociações, implícita ou explicitamente, como um sistema de persuasão.
A minoria força uma proposta de alternativas persuadindo a maioria a aceitar a inovação, que pode ser adotada pela maioria, usando as negociações como a principal dimensão do processo de influência social.

Num experimento, Moscovici mostrou que os indivíduos com consistência podem ter mais influência sobre as pessoas menos consistentes, não importa se eles estão na maioria ou no grupo minoritário.
Os indivíduos consistentes no grupo minoritário têm mais influência nos seus pares, para mudar comportamentos e se tornarem fortes aliados, mas no grupo majoritário, estes fenómenos não acontecem de maneira tão profunda.

Numa experiência posterior, Moscovici e outros isolaram 3 elementos importantes da influência das minorias:
a) - Pessoas em desacordo tendem a mostrar seus pontos de vista, mas estão prontas para negociar.
b) - As minorias consistentes têm maneiras fortes de agir sobre as discrepâncias para reduzi-las e obter concordância e consenso da maioria.
c) - Influência minoritária é mais baseada em partilhar cognições do que da sua posição alternativa.
O papel minoritário tem sua força na consistência das visões alternativas da realidade.

change-minorities-pt.jpg

2 - O que faz as influências minoritárias

"Mesmo se é uma minoria de um, a verdade é a verdade." - Mahatma Gandhi
A influência das minorias é sustentada em dois aspectos, de um lado pela abordagem comportamental ou cognitiva e por outro no contexto social.

2.1- O estilo comportamental ou cognitivo

Moscovici definiu o estilo comportamental ou cognitivo, como os signos verbais e não verbais intencionais, expressando a situação presente e a desejada no futuro, mostrando as aspirações, tendências e orientações das pessoas que a emanam.
Ele mostrou os dois níveis de estilo comportamental, o instrumental, dando informações avaliativas sobre o objeto, e o simbólico informando a posição individual em relação ao objeto de mudança.
Ele também descobriu 4 estilos comportamentais que influenciam a maioria:

  • Investimento
    Um forte envolvimento na defesa de nossas posições sociais está baseado nos compromissos, convicções e riscos assumidos, cuja perseverança em resistir à inaceitabilidade inicial, gerando admiração e uma grande visibilidade, mesmo na maioria que rejeita as demandas.
  • Autonomia
    A autonomia tem dois aspectos, a independência (liberdade de escolha e verdade sem véus) e a objetividade e atitudes raciocinantes (use racionalidade, honestidade e autoconfiança).
  • Equidade
    Equidade é sobre abertura e tolerância contra a rigidez e inaceitabilidade para desbloquear conflitos e divergências levando a maioria a aceitar a nova alternativa.
  • Consistência
    Para Moscovici, a consistência é o principal fator da influência minoritária por coerência e convicção, sem lacunas entre as nossas palavras e os nossos atos, consubstanciados com uma atitude firme contra qualquer oposição.
A consistência pode ser interna (intra-psíquica) e social (inter-relação) expressa e explícita, de modo que seja reconhecida e aceite como uma mudança positiva pela maioria.

As minorias também devem manter 3 condições fundamentais para serem efetivas:

  • As intenções devem ser iguais ao significado das ações e comportamentos.
  • Os sinais devem ser reiterados para evitar que outras interpretações errôneas dos comportamentos
  • Durante as interações, os comportamentos não podem variar e devem ser corrigidos caso isso aconteça.
Neste tipo de mudança, as pessoas não precisam da bandeira do poder e da autoridade para mudar a maioria que o detem. A consistência possui duas formas, a diacrónica (persistente ao longo do tempo quando a maioria não modifica suas posições), e sincrónica (a força de coesão entre os membros).
"A minoria colhe para a maioria!" - Deng Xiaoping

2.2 - Contexto Social

O contexto social tem oportunidades e restrições para a eficácia nas influências das minorias na ação coletiva e na mudança.

2.2.1- A Pressão

A eficiência de ação e da influência além de estar conectada a traços de consistência das pessoas, também podem sofrer a influência de graus de pressão que podem contê-la.
As influências das minorias dependem muito da coesão do grupo mantendo a influência mesmo que haja menos consistência, atraindo a maioria para se aproximar do grupo menor.
Qualquer mudança de atitude no nível individual de qualquer membro da maioria que aceite a inovação reforça a força e a coesão da minoria.

"A minoria às vezes está certa; a maioria sempre está errada." - George Bernard Shaw
2.2.2 - Normas Sociais
As interações sociais são suscetíveis de serem influenciadas por valores, representações sociais e normas.
Para Moscovici, percepções e pensamentos são influenciados por três tipos de normas:
a) - Objetividade - um tipo de pensamento regulatório com a necessidade de se alimentar de informações exatas.
b) - Preferência - baseada no nosso sentimento e raciocínio sobre a diversidade de idéias e gostos nas pessoas.
c) - Originalidade - uma maneira de interpretar a função da inovação em eventos da realidade.

Os grupos minoritários têm tipos de condutas na relação com as maiorias como evitação, desvio, rebeldia ou aceitação.
Os grupos majoritários têm uma resposta típica às minorias, como o estado de direito, a estigmatização, a segregação, a exclusão, a xenofobia ou o género.

"O que caracteriza um membro de um grupo minoritário é que ele é forçado a se ver como excepcional e insignificante, maravilhoso e terrível, bom e mau" - Norman Mailer
Na parte 1 desta série sobre Mudança Social vimos o que é uma minoria e como ela pode influenciar a mudança social, e na parte 2 falamos sobre como as minorias agem e mudam as maiorias, para apresentar na parte 3 a mudança social dos grupos, e terminar na parte 4 com o assunto emocionante das minorias reais do blockchain e a filosofia da descentralização.

Últimas publicações nesta série sobre a Realidade Social: Violência, Poder e Mudança
Introdução:

A Realidade Social: Violência, Poder e Mudança

A - Violência:

Uma Introdução à Violência
Os Conceitos de Violência, Agressão e Agressividade
As teoriasda Violência<
Os influenciadores da Violência - Parte Um - Cultura e Contexto Social
Os influenciadores da Violência - Parte 2 - Fatores Sociais, Cognitivos e Ambientais
A ascensão da violência de hoje

B - Poder:

O que é Poder? - Introdução
A Natureza do Poder

A Dinâmica do poder:Os Efeitos e as Consequências do poder

C - Mudança:

Mudança e Cultura As Teorias e Conceitos da Mudança

Fatores que determinam a mudança

Os Caminhos da mudançaA Mudança social

Artigos da próxima série de publicações sobre Realidade Social, Violência, Poder e Mudança
C - Mudança:(cont.)

A mudança social

Parte 3 - Minorias como mudança social
Parte 4 - A minoria da descentralização e da blockchain
Conclusão - A série que mudou para uma saga

Referências consultadas:

Les concepts fondamentaux de la psychologie sociale - Gustave-Nicolas Fischer
La psychologie sociale - Gustave-Nicolas Fischer
A dinâmica social-violência, poder, mudança - Gustave-Nicolas Fischer , Planeta/ISPA, 1980
Gustave-Nicolas Fischer é Professor de Psicologia e Diretor do Laboratório de psicologia na Universidade de Metz.

Raven, B. H. e ; Rubin, J. Z. (1976). Social psychology: People in groups
French, J. R. P., e ; Raven, B. H. (1959). The bases of social Power. In D. Cartwright (Ed.),Studies in social Power. Ann Arbor, MI: Institute of Social Research
Castel, R.As metamorfoses da questão social.Vozes, 1998.
Moscovici, S. (1976).Social influence and social change. London: Academic Press.
Michel Foucault, Discipline and Punish: The Birth of the Prison
Festinger, L. (1954). A theory of social comparison processes.
Dahl, R.A. (1957). The Concept of Power.
Giddens, Anthony, Capitalism and Modern Social Theory: An Analysis of the Writings of Marx, Durkheim and Max Weber, 1971.
Grabb, Edward G., Theories of Social Inequality: Classical and Contemporary Perspectives,1990.
Weber, Max, Economy and Society: An Outline of Interpretive Sociology,1968.
Lewin, K. (1948) ‘Action Research and Minority Problems’, in G.W. Lewin (ed.),Researching Social Conflicts , New York: Harper and Row
Parsons, T. (1966). Societies: Evolutionary and comparative perspectives.
Levy, A. (1986) Second-order planned change: Definition and conceptualization, Organisational Dynamics
Watzlawick, P., Weakland, J.H., Fisch, R. (1974) Change: Principles of Problem Formation and Problem Resolution. New York, Norton.

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

Beautiful Post Man

Please Stop - @steem-works

You just said "beautiful post" and in your your last 100 comments you used 36 phrases considered to be spam and you made this exact same comment 1 times. You've received 2 flags and you may see more on comments like these. These comments are the reason why your Steem Sincerity API classification scores are Spam: 70.80% and Bot: 8.90%

Please stop making comments like this and read the ways to avoid @pleasestop and earn the support of the community.

Beautifull

Change is the absolute religion of history.