Os Efeitos do Poder - Parte 3 - Submissão

in psychology •  2 years ago 

Realidade Social: Violência, Poder e Mudança
Os Efeitos do Poder - Parte 3 - Submissão


Ainda estamos a falar sobre os Efeitos do Poder que teve de ser dividido em cinco artigos , o primeiro em que fizemos um Rally Filosófico, seguido pela análise da Privação, e hoje vamos falar sobre a Submissão, e para acabar nos próximos dois posts vamos nos analisar os assuntos da Corrupção e da Resistência.

1 - Introdução


"O poder deve ser escrutinizado" - charlie777pt

O Poder é difícil de identificar e é como um ingrediente misterioso escondido atrás de véus dentro de véus, em todos os atos da vida social.
O Poder tem impactos irrecuperáveis ​​na destruição da humanidade (pessoas e planeta) e as as piores vítimas são as atingidas pela impotência e submissão que leva à desumanização e à marginalização.
Isto está correlacionado com o aumento dos lucros em todas as multinacionais, notando que a maioria delas é dos EUA, e alertando para o facto que elas desrespeitam totalmente o meio ambiente e as comunidades locais humanas, querendo que a globalização lhes aumente o controle sobre a legislação interna do Estado.

O Poder pessoal sobre a capacidade de autocontrole e de participaçao na gestão sobre natureza envolvente, como direitos humanos e necessidades inalienáveis, ​​adquiridas por nascimento com "sangue verde" do planeta Terra, em vez do "sangue azul" dos governantes divinos e institucionais.

"O primeiro é a questão do espaço vital, pois há certos poderes que estão a lutar pelo espaço, aqueles que também são chamados estados totalitários. O fato de estarem em movimento é um sinal de que a divisão da Terra, como foi desenvolvida historicamente , requer ser alterado ". - Ernst Junger
O governo é uma força destrutiva em conflitos permanentes com a nossa liberdade e direitos individuais, com crescente hostilidade e pela invasão da privacidade das pessoas e devemos estar conscientes e eternamente vigilantes. Nós devemos resistir.
A Submissão ao abuso de Poder é a força mais prejudicial e aniquiladora de qualquer energia natural humana e à luz criativa da humanidade.

A concentração de Poder impossibilita a prevenção da corrupção endémica gerando desigualdades com políticas e práticas de governos, que só podem ser substituídas por uma total descentralização de poder e participação nos "nossos" processos decisórios.
A desconfiança crescente dos cidadãos em relação aos que estão no poder é uma base potencial para novas práticas públicas de ação direta, contra soluções políticas que prejudicam os interesses do coletivo.

"Os modos e métodos do pensamento técnico não devem invadir onde a felicidade, o amor e o bem-estar humanos devem florescer" - Ernst Junger
O blockchain e a descentralização podem trazer de volta o Poder ao povo e substituir a Justiça no código de direito.
Se quiser entender o processo de Submissão e as relações entre o conformismo e poder, sugiro este post, Estará a sociedade a ir na direção de um conformismo do Estado e um comportamento de massas normalizado?

2- Submissão


A Submissão está interligada à autoridade autointernalizada, usada pelas estruturas legitimadoras de poder que induzem a obediência às ordens, emanadas de figuras de autoridade.
O Poder, no caso de abuso, gera uma Submissão baseada na apropriação da auto-propriedade da pessoa através da cegueira, pela servidão voluntária sem sentido do puro conformismo.
As Consequências do Poder são multifatoriais, envolvendo várias formas de conformidade e submissão, com graus variáveis ​​de motivação e autonomia sobre as pessoas, mas que também podem criar resistência e luta pela liberdade e direitos.

power-consequences-pt.png

2.1 - O experimento de Milgram


Este experimento é muito difundido nas universidades, esiste muita informação na Iinternet incluindo o filme The Milgram Experiment (2009), de Hollywood, uma boa alternativa para pessoas que não gostam destes posts longos, ou querem saber mais.
Milgram queria saber como alguns de seus parentes em campos de concentração, foram assassinados por seres humanos apenas na base da obediência à autoridade medindo o grau de submissão e obediência na presença de uma figura autoritária "importante" pressionando para ir mais alto nas punições.

Os sujeitos foram recrutados para o experimento e estavam entusiasmados para participar e no início eles são informados que o estudo medirá as consequências na memória de sujeitos "falsos" (estudantes) e que será testada na aprendizagem de associação de palavras e adjetivos, em que os participantes (professor) têm de usar choques elétricos para punir os erros da cobaia.
Claro, que eles querem saber é o grau de obediência do professor para se submeter à autoridade do experimentador.
Os Choques podem ir de 15 a 450 volts graduados em botões num painel na frente dos professores, que não vão ver o aluno que está atrás de um vidro fosco, mas eles sabem que ele está preso numa cadeira e tem pomada para queimaduras.
O ator conforme os choques aumentam, queixa-se com ais, reclama, diz pára, e no fim grita e emite sons de colapso.
Os professores são "pressionados" pela figura autoritária do experimentador para aumentar a punição, incitando o sujeito a continuar a usar mais voltagem para punir os erros.

Os resultados mostraram que 62% dos participantes forma até aos 450 volts até serem interrompidos, mostrando tristemente a pequena resistência humana à "força" e "importância" da autoridade e da "obediência cega".
Assim, o grau de submissão baseia-se nas exigências de uma autoridade "importante", o que explica todos os horrores dos campos de extermínio cometidos por pessoas "normais" que "trabalham" em uma fábrica de abate humano.
Milgram, paralelamente, criou um estudo perguntando a três grupos, psiquiatras, estudantes e adultos de classe média, o que eles fariam naquelas circunstâncias e o que "outras pessoas" fariam.

Os resultados surpreendentes mostraram que todos tinham a ceretza que nunca obedeceriam quando colocados nessa situação, com um execpção de 2% das pessoas que iriam até o topo da eletrocussão (mas isso eram pessoas com patologias mentais). :)
Os psiquiatras disseram que a maioria das "outras pessoas" nunca chegaria a 150 volts, 4% a 300 volts, 1% ou 2% iriam até o final, submetendo-se totalmente à atual autoridade do experimentador.
As pessoas iludem-se pensando que as "outras pessoas" são boas e não punem os inocentes, e que nós somos os donos nossas ações, mesmo com uma "autoridade" que pode apagar as nossas convicções pessoais, e vamos tentar entender o que causa este sentimento.

2.2 - Socialização e Poder


Durante o desenvolvimento de nossa vida desde cedo, vivemos num mundo de modelos de autoridade, na família, na escola, no pátio de jogos, em que internalizamos e obedecemos a imposições, mas sentimos como "boa" e "moral" a ação de obediência como uma recompensa.
Em situações como esta em que temos de obliterar os nossos valores pessoais, na realidade, as pessoas tentam primeiro concentrar-se nas "maiores" e "melhores" figuras de autoridade presentes para encontrar modelos de orientação e submissão, evitando a responsabilidade de assumir sua autonomia.
A obediência está correlacionada com as crenças "antigas" internalizadas sobre o que é certo ou errado, e pelo respeito e submissão à autoridade externa.

2.3 - Restrições do Ator pelo Poder


Milgram concluiu que existem duas facetas psicológicas: a autonomia do nosso senso de responsabilidade pelas nossas ações e a outra é quando as pessoas são subordinadas ao Poder e limpam sua consciência aderindo às ordens que são a avaliação das suas ações/trabalho.
Milgram também descobriu que as pessoas nestas situações típicas escutam e prestam muito mais atenção à autoridade do que às queixas e gritos do "estudante".

As pessoas têm um calcanhar de Aquiles que as faz obedecer às ordens quando reconhecem o poder "legítimo" por uma fonte de autoridade claramente identificada, e para dar uma boa imagem de si mesmas à pessoa central , colocam de lado a responsabilidade das suas convicções e valores.
As pessoas estão apenas a seguir "ordens", e ficam "livres da culpa" porque estão apenas "a fazer o seu trabalho".
Noutro experimento, sob uma imagem institucional mais fraca, com prédios e escritórios antigos, surpreendentemente descobriu-se que, nestas condições, os professores chegavam ao fim só em 42% dos casos, em comparação com os 62% quando o experimento foi realizado numa instituição de renome.

2.4 - Grandes Corporações


Nas grandes corporações, a burocracia e a tecnocracia são as manifestações do Poder e a interpretação dos seus efeitos, criados e controlados pelos líderes "fora de alcance" do topo da pirâmide hierárquica que fazem as regras.
Assim, a empresa cria um espelho duplo onde parece haver uma ausência de submissão à autoridade como uma imposição.
Estas regras "distantes", que parecem ausentes e difusas porque o mecanismo de coerção é imanente nos regulamentos para o bom funcionamento da empresa, criando uma ilusão de que não há submissão mas apenas boas maneiras de fazer as coisas que dão uma falsa sensação de controlar a realidade. e criam uma ilusão como uma "liberdade investigada e vigiada".

Nós acabamos de explicar neste post o aspecto da Submissão como Consequência do Poder, e os próximos passam pelo assunto da Corrupção e Resistência ao Poder.

Últimas publicações nesta série sobre a Realidade Social: Violência, Poder e Mudança
Introdução:

A Realidade Social: Violência, Poder e Mudança

A - Violência:

Uma Introdução à Violência
Os Conceitos de Violência, Agressão e Agressividade
As teorias da Violência
Os influenciadores da Violência - Parte Um - Cultura e Contexto Social
Os influenciadores da Violência - Parte 2 - Fatores Sociais, Cognitivos e Ambientais
A ascensão da violência de hoje

B - Poder:

O que é Poder? - Introdução
A Natureza do PoderA Dinâmica do poder: Os Efeitos e as Consequências do poder

Artigos da próxima série de publicações sobre Realidade Social, Violência, Poder e Mudança

  • Parte 4 - Corrupção
  • Parte 5- Resistência

C - Mudança:

Mudança e Cultura
As teorias e a conceptualização da mudança
Fatores que determinam a mudança
Os caminhos da mudança
Mudança social

Referências consultadas:

Les concepts fondamentaux de la psychologie sociale - Gustave-Nicolas Fischer
La psychologie sociale - Gustave-Nicolas Fischer
A dinâmica social-violência, poder, mudança - Gustave-Nicolas Fischer Planeta/ISPA, 1980
Gustave-Nicolas Fischer é Professor de Psicologia e Diretor do Laboratório de psicologia na Universidade de Metz.
Raven, B. H. e ; Rubin, J. Z. (1976). Social psychology: People in groups
French, J. R. P., e ; Raven, B. H. (1959). The bases of social Power. In D. Cartwright (Ed.),Studies in social Power. Ann Arbor, MI: Institute of Social Research
Castel, R. As metamorfoses da questão social. Vozes, 1998.
Moscovici, S. (1976).Social influence and social change. London: Academic Press.
Michel Foucault, Discipline and Punish: The Birth of the Prison
Festinger, L. (1954). A theory of social comparison processes.
Dahl, R.A. (1957). The Concept of Power,
Giddens, Anthony, Capitalism and Modern Social Theory: An Analysis of the Writings of Marx, Durkheim and Max Weber, 1971.
Grabb, Edward G., Theories of Social Inequality: Classical and Contemporary Perspectives,1990.
Weber, Max, Economy and Society: An Outline of Interpretive Sociology, 1968.
Porter, L. and Lawler, E. (1968). Atitudes e Performances Administrativas. Homewood, Ill.: Dorsey Press.
Vroom, V. (1964). Trabalho e Motivação. Nova Iorque: Jon Wiley and Sons.
Vroom, V.H., Yetton, P.W., 1973, “Leadership and Decision – making”, Pittsburgh:
University of Pittsburgh Press.

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

IRado o material. Confesso que nao li o texto todo, mas quando tiver tempo tentarei ver sua serie inteira.
Estou vendo uma serie-documentario "confession tapes" na Netflix que é assustador e tem tudo a ver com as partes que li deste texto.
Abraços,

If you give its English version, I read it..Please keep it in English @charlie777pt

really great post of psychology is a science which treat us our mind and body language.thanks for share

i appreciate your psychological based post

really great psychology post.its great to power of psychology.but if post become english that was good

I Must said this is a really great psychology post, but i think if you convert this post to your language to English then everyone reading clearly.