A Mudança Social - Parte 1 - Mudança Inovadora por Minorias

in #psychology2 years ago (edited)

Realidade social: violência, poder e mudança
A Mudança Social - Parte 1 - Mudança Inovadora por Minorias


"Podemos mudar o Mundo ou ser alterado por ele" - charlie777pt

Introdução


Nesta nova Era, devemos focarmos em aprender a desenvolver a nossa inteligência emocional, com uma atitude positiva que supõe auto-motivação e confiança para continuar com uma ação para saber como superar os obstáculos e barreiras e estimular o desejo de explorar a realidade.
Minorias são grupos de agentes de mudança social com representações individuais sobre as normas da sociedade e percepções sociais, com idéias alternativas e funcionais, ações e mudanças comportamentais, que se opõem às visões e mecanismos existentes da realidade.

Uma minoria pode alterar a matriz de padrões de comportamento social da maioria e influenciar o pensamento coletivo ao nível das normas sociais e do consenso.
A influência social minoritária acontece quando um pequeno grupo de pessoas influencia a maioria para interiorizar suas crenças ou condutas.

Uma minoria pode iniciar um processo de influência social, com o objetivo de mudar normas e regras sociais no sistema dominante de um grupo.
As Minorias com sua não-conformidade, são agentes de criatividade e inovação social para beneficiar o grupo como um todo.
Normas, valores, atitudes e comportamentos são produtos do processo de socialização através da interação social dentro dos grupos.

1 - Tipos de Mudança


Levy, em 1986, definiu dois tipos de mudança em um sistema:

A mudança de primeira ordem ou transacional (fazer as coisas melhor) acontece quando os parâmetros individuais mudam de forma contínua e incremental com ajustes leves, não mudando os mecanismos gerais do sistema, mas mantêm o equilíbrio e adaptação ou redefinem os processos e procedimentos existentes conforme definido por Watzlawick, Weakland e Fisch em 1974.
As pessoas são menos resistentes a esse tipo de mudança porque não precisam questionar as suas principais crenças.

A mudança de segunda ordem ou transformacional (fazer as coisas de maneira diferente) significa uma mudança descontínua nas qualidades da organização do sistema, tornando as velhas formas obsoletas, trazendo novos insights e estágios de desenvolvimento.

change-types-pt.jpg

Como Levy disse, este tipo de mudança é também chamada "radical","transformacional", "revolucionária" ou "mudança em grande escala", com resultados duradouros em estruturas, processos e comportamentos.
A resistência a esta mudança pode ser forte porque a segunda ordem é mais como um tipo de mutação que uma mudança, para quebrar sistemas e paradigmas organizacionais, exigindo a aceitação de idéias inovadoras e desafiadoras porque há uma profunda influência pessoal nas atitudes e comportamentos, bem como implicações em normas e sistemas sociais por realinhamento entre crenças e sistemas.

2 - O que é uma Minoria?


Um grupo minoritário existente ou emergindo dentro de uma maioria social que também detém o poder social numa sociedade, e que às vezes é apoiada pelo estado de direito ou normas de comportamento muito enraízadas.
Moscovici queria entender a matriz dos processos de influência nas interações sociais para resolver as discrepâncias entre as duas instâncias da maioria e da minoria que com o seu comportamento "desviante" desafia e modifica as atitudes do Golias.
Ele via a influência social como uma pressão mútua como um jogo de negociações, onde as pequenas forças de uma ou mais pessoas, menos de 50% do total, dirigem e provocam uma mudança coletiva.

Dooms e Moscovici descobriram duas maneiras de olhar para a minoria e sua influência:
Uma minoria tem uma fonte potencial de mudança quando se depara com os pontos de vista da maioria, deixando claras as suas posições e a força da influência depende das mensagens do grupo menor.
A minoria é uma força de influência para fazer uma mudança, defendendo novas idéias e comportamentos que mudarão todo o grupo principal de referência.

3 - Influência Social das Minorias


Moscovici em 1976, no seu livro "Influência Social e mudança Social" , introduziu o tema da influência minoritária no seio da psicologia social.
A influência minoritária pode ser a mudança social e a inovação que desafiam a estabilidade da ordem social com um dinâmica para transformar as normas estabelecidas para a evolução na sociedade humana.

Influência é "um conjunto de processos que modificam as percepções, julgamentos, atitudes ou comportamentos de um indivíduo a partir do conhecimento das percepções, julgamentos e atitudes dos outros", de acordo com W. Doise.
Algumas maiorias criam leis para submeter uma minoria que pode criar um anti-movimento que derrubará as regras dominantes existentes.

4 - Como as minorias influenciam


A mudança como inovação minoritária depende de duas condições definidas por Moscovici, o seu caráter como ativo ou passivo e o grau de visibilidade social.

4.1 - Ativas ou Passivas

As Minorias adotam ações coletivas e comportamentos individuais desde bombas e violência até ao mais pacíficos dos movimentos , do ativismo extremo à total passividade como uma forma de resistência.
Moscovici distingue a "minoria ortodoxa" ou "pró-normativa" a que empurra para manter e exagerar sobre a norma da maioria e a "minoria heterodoxa" que quer mudar as normas dominantes.

4.2 - Visibilidade

Se uma minoria tem referências sociais e é reconhecida pela maioria e aceita como foco de ação para produzir mudanças

5 - Conclusão


As reformas sociais são sempre restringidas pelo medo das conseqüências da mudança para a ordem social instituída.
Se uma minoria da população é realmente ativa, persistente e comprometida com a mudança, ela pode transformar-se numa força esmagadoramente dominante sobre a maioria da sociedade.
Hoje em dia, maiorias ou instâncias de poder conseguem infiltrar-se, disseminar contra-informação e tentar criar divisão entre a minoria para perder a força e quebrar a influência exercida.

Uma minoria, para ser ativa, deve ser coerente e consciente nas intenções de suas ações e em seus comportamentos, que por sua força podem a tornar-se numa conformidade por vir a ser uma ordem social futura da realidade.
A perseguição e a discriminação de minorias podem perturbar o sistema e ir a perder as capacidades e talentos dos membros de grupos minoritários que poderiam estar a contribuir para o sistema.

Vimos neste post o que é uma minoria e como ela pode influenciar a mudança social e, no próximo post, falaremos sobre como as minorias agem e mudam as maiorias.

Últimas publicações nesta série sobre a Realidade Social: Violência, Poder e Mudança
Introdução:

A Realidade Social: Violência, Poder e Mudança

A - Violência:

Uma Introdução à Violência
Os Conceitos de Violência, Agressão e Agressividade
As teorias da Violência
Os influenciadores da Violência - Parte Um - Cultura e Contexto Social
Os influenciadores da Violência - Parte 2 - Fatores Sociais, Cognitivos e Ambientais
A ascensão da violência de hoje

B - Poder:

O que é Poder? - Introdução
A Natureza do Poder A Dinâmica do poder:Os Efeitos e as Consequências do poder

C - Mudança:

Mudança e Cultura
As Teorias e Conceitos da Mudança

Fatores que determinam a mudança - Parte 1 - versão Lite
Fatores que determinam a mudança - Parte 2 - Versão Complexa

Os caminhos da mudança - Parte 1 - Concepts and Theories
Os caminhos da mudança - Parte 2 - O Processo de Mudança
A Mudança social - Parte 1 - Mudança Inovadora pelas Minorias- este post

Artigos da próxima série de publicações sobre Realidade Social, Violência, Poder e Mudança
C - Mudança:(cont.)

Uma Mudança Social - Parte 2 - Minorias como Influência Social
Uma mudança social - Parte 3 - Minorias como mudança social
Uma mudança social - Parte 4 - A minoria da descentralização e da blockchain
Conclusão - A série que mudou para uma saga

Referências consultadas:

Les concepts fondamentaux de la psychologie sociale - Gustave-Nicolas Fischer
La psychologie sociale - Gustave-Nicolas Fischer
A dinâmica social-violência, poder, mudança - Gustave-Nicolas Fischer , Planeta/ISPA, 1980
Gustave-Nicolas Fischer é Professor de Psicologia e Diretor do Laboratório de psicologia na Universidade de Metz.
Raven, B. H. e ; Rubin, J. Z. (1976). Social psychology: People in groups
French, J. R. P., e ; Raven, B. H. (1959). The bases of social Power. In D. Cartwright (Ed.),Studies in social Power. Ann Arbor, MI: Institute of Social Research
Castel, R. As metamorfoses da questão social. Vozes, 1998.
Moscovici, S. (1976).Social influence and social change. London: Academic Press.
Michel Foucault, Discipline and Punish: The Birth of the Prison
Festinger, L. (1954). A theory of social comparison processes.
Human Relations
Dahl, R.A. (1957). The Concept of Power,
Giddens, Anthony, Capitalism and Modern Social Theory: An Analysis of the Writings of Marx, Durkheim and Max Weber, 1971.
Grabb, Edward G., Theories of Social Inequality: Classical and Contemporary Perspectives,1990.
Weber, Max, Economy and Society: An Outline of Interpretive Sociology, 1968.
Lewin, K. (1948) ‘Action Research and Minority Problems’, in G.W. Lewin (ed.), Researching Social Conflicts , New York: Harper and Row
Parsons, T. (1966). Societies: Evolutionary and comparative perspectives.
Levy, A. (1986) Second-order planned change: Definition and conceptualization, Organisational Dynamics, Vol, 15, Issue 1, pp. 5, 19-17, 23
Watzlawick, P., Weakland, J.H., Fisch, R. (1974) Change: Principles of Problem Formation and Problem Resolution. New York, Norton.

Sort:  

Change is the absolute religion of history.The power will be changed.

Force can not survive for a long time. To retain power, people have to achieve love.

what country language sir @charlie777pt i can't understand.

This is in Portuguese of Portugal.
This same post is published in English tomorrow.

Thanks for this great post ...../////////

I love this post.thanks for share

Very good post sir