O que é o Existencialismo? - Parte 1 - Introdução Livre e Errática ao Existencialismo

in philosophy •  21 days ago

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
O que é o Existencialismo? - Parte 1 - Introdução Livre e Errática ao Existencialismo

"Não há liberdade lá fora na sociedade, apenas liberdade interior" - charlie777pt

1- Preâmbulo


O existencialismo nasceu da necessidade do homem moderno, de possuir um conjunto de valores, como um novo sistema de crenças em que poderia confiar, com o propósito de adaptação à complexidade da sociedade moderna, onde o racionalismo não tem mais lugar.

Esta era de guerra de informação. em que é impossível distinguir o que é verdadeiro do que é falso, alienando o espírito da humanidade com uma ambiguidade psicológica que bloquea a vontade individual, e como tal está na hora de nos concentrarmos mais no nosso sentido de liberdade e escolha de vida, como condutores da nossa segurança psicológica.

"A consciência crescente é um perigo e uma doença." - Friedrich Nietzsche

O existencialismo é uma reflexão antropológica e filosófica sobre a natureza e a existência do homem, e é a resposta à questão ética da condição humana, condenada a assumir a responsabilidade interna das suas escolhas e pelos resultados das suas ações.

"O Homem nasce livre e responsável pelas escolhas para a sua Existência, que modificam e prevalecem sobre a sua Essência" - charlie777pt

Um existencialista é uma pessoa que valoriza a independência de espírito e a liberdade de movimento acima de qualquer outra coisa na vida, e é contra restrições impostas às suas próprias convicções, mostrando algumas crenças comuns a qualquer anarquista ou descentralista.

O caminho para o Eu interior parece ser o único meio para mudar os sistemas e superar a opressão ou repressão e melhorar a condição humana.


Antes de entrarmos no assunto do Existencialismo, moldaremos o contexto filosófico em que o existencialismo emergiu sob o rótulo de Filosofias Continentais e que analisaremos no próximo post, vamos aqui rápidamente recordar quais são os principais ramos de conhecimento na Filosofia:

  • Metafísica (O que é Realidade?)
  • Epistemologia (Como o Conhecimento é formado?)
  • Axiologia (Quais são os Valores da Vida?)

2 - O Homem Alienado


O existencialismo é uma filosofia da liberdade individual de escolher e tentar racionalizar e estabelecer um sentido na vida para preencher a nossa existência num mundo absurdo e irracional.

A Existência é um absurdo que não pode ser racionalizado, e a vida humana é ansiedade, solidão e culpa, fazendo da angústia gerada pelas nossas escolha um fato básico da vida, incluindo a libertação das filosofias transcendentais que negam o direito da escolha humana.

"Alienado para mim próprio. Não é natural, é mesmo antinatural e sem justificação, sem outro recurso para me salvar. Mas não voltarei a viver sob a tua lei; estou condenado a não ter outra lei além da minha. Não regressarei à tua natureza; todos os caminhos que nela se encontram a ti conduzem e eu não posso já seguir outro caminho que não seja o meu. Porque sou homem, ..., e cada homem deve descobrir o seu próprio caminho. "- peça de Jean-Paul Sartre The Flies“

Herbert Marcuse em seu livro "O Homem Unidimensional: Ideologia da Sociedade Industrial Avançada" critica tanto o capitalismo quanto o socialismo, pois ambos tentando aumentar o consumismo, a repressão social e eliminar o espírito ativista e individualista na sociedade moderna, resultando na crise social de hoje que ele previu.

Herman Hesse enfatizou a busca pessoal pela autenticidade no Ser pelo autoconhecimento, e o existencialismo procura os valores internos e o sentido e o sentido da vida, como uma natureza ambivalente da mente, criando o Absurdo de sua inatingibilidade para o Homem, mas que nós deve abraçar a perpétua exploração e desafio desta condição humana da Existência.

3 - A Responsabilidade como princípio ético


"Se eu não revelo a minha opinião sobre a justiça em palavras, eu o faço-o pela minha conduta" - Sócrates para Xenofonte

O existencialismo é uma filosofia sobre o Eu e o sentido da vida, que exercita o livre arbítrio e a liberdade de escolha com a contrapartida da responsabilidade pessoal, e está centrado na análise dos objetivos humanos no caminho da vida através deste mundo pela sua auto-organização autónoma.

Nossa Existência é ação para mudar nossa Essência (natureza) até o fim da vida, e as escolhas pessoais são obras únicas de arte como uma forma subjetiva de verdade, como uma luta com nossa natureza interior.

O Existencialista acredita que todos nascemos livres, mas condenados à ansiedade da escolha consciente permanente, espelhada pela responsabilidade inerente, sem as restrições das religiões, leis, regras ou tradições, que são consideradas regulamentações arbitrárias.

A sensação de ansiedade é aumentada por uma atenção não focada na condição auto-humana ou na consciência do mundo ao nosso redor, que é sempre subjacente ao processo de escolhas pessoais.

Esses conceitos parecem muito semelhantes às principais filosofias dos anarquistas, onde o caminho individual na sociedade está na luta pela liberdade e pela vida, contra os valores sociais e a estrutura centralizada de controle da sociedade ou do estado.

4 - A Verdade é Liberdade


"A única Verdade é a luta pela Liberdade" - charlie777pt

O filósofo alemão Martin Heidegger (1889-1976) é um explorador da natureza do Ser e da Existência, e sempre recusou a paternalidade ou o envolvimento no movimento existencialista.

Para Kierkegaard, o homem é inteiramente livre para escolher, para além do predeterminismo lógico que para Hegel, determinaria os fatos e também os comportamentos humanos e que a verdade será sempre subjectiva porque a luta pela liberdade será sempre ilimitada.

Não existe qualquer sentido ou projeto de vida ou uma essência para o homem, que se constrói a si mesmo como uma verdade para si próprio pelo que "a existência precede a essência", ou como dizia Jean Piaget no seu estrituralismo genético, também ao nível cognitivo a "ação precede o pensamento".

A Verdade não é produto da lógica mas uma emoção, uma paixão na afirmação da ação para sustentar os fatos.

"A vida é curta e, embora a verdade pareça remota, a verdade é longa: diga a verdade!" - Arthur Schopenhauer

Antes que possamos mergulhar na filosofia existencialista, devemos sentir a sensação de abandono ou abandonamento (abandonment), para a iluminação de que não existem entidades ou deuses transcendentes e onipotentes que construam nosso destino.

Nascemos livres, para sentir a ansiedade da escolha permanente e das suas consequências ,e somos os únicos arquitetos que moldam o nossos destinos através de nossas ações, pensamentos e experiências.

O existencialismo é focado no propósito e significado da vida e da existência, com escritores do realismo como Albert Camus, Franz Kafka, T.S. Eliot, Boris Vian, com o seu expoente nas obras do grande mestre da literatura Fyodor Dostoevski, transpondo para as suas obras os eventos e personagens da vida real

Sartre foca-se é na moral das ações, em que o homem deve totalmente responsável por aquilo que ele é na sua Existência para transformar a sua Essência.

"O homem é não apenas como ele se concebe, mas como ele quer que seja, como ele deseja ao impulso para existência; ou seja, o homem não é nada mais o que ele faz, não é mais do que seu ato. O homem nada mais é do que o seu projeto; só existe na medida em que se realiza; não é nada além do conjunto de seus atos" - Jean-Paul Sartre

O existencialismo revelou-se em vários autores com diferentes faces desde Kierkegaard que era um moralista religioso, Heiddeger um fenomenologista que mais tarde se tornou em Nazi, Nietzsche, um relativista agnóstico anti-cristão, e Sartre ou Camus caracterizados pela amoralidade e ateísmo.

Para Sartre, a Autenticidade vem da Liberdade de Escolha, que constrói nossos valores e molda nosso projeto para a vida (baseado no conceito de "grounding" de Heidegger) com nosso desejo de Ser (de liberdade e relação com objetos) e Ter (posses como símbolo de si mesmo).

Heidegger viu a essência da tecnologia como uma estrutura para o modo do Ser e o conceito de Dasein (Existência), em que fazemos a partir do que somos feitos, com a infinita possibilidade da potencialidade da nossa imaginação para moldar o futuro, sempre condicionada pelo passado.

Kierkegaard vê as etapas essenciais da vida como uma dialética entre a Estética (transformar o tédio numa perspectiva interessante), a Ética (separar o bem / o mal das regras externas) e a religião (o paradoxo da relação com Deus(es))

"A Existência com outros seres humanos pode Ser como o verdadeiro Eu, e Não-Ser como um falso Eu" - charlie777pt

5 - Ser ou não Ser?


Por outro lado, Kierkegaard enfatizou o conceito da inevitabilidade da Morte que revela o Eu autêntico e que a Existência não pode experimentá-lo, mas como sendo apenas uma maneira de lidar com isso com a nossa atitude ou Ser, com um modo autêntico de aceitação ou por uma recusa que leva ao não-Ser.

O Futuro é a nossa própria escolha irreversível, e a autenticidade da Existência molda nossa Essência (a Ser) e, no meu ponto de vista, a inautenticidade acumula sombras no nosso Não-Ser, como uma abnegação para Existir, como vida não vivida.

E para terminar este post de pensamento errático, aqui fica uma figura meio-psicótica para refletir sobre sobre a velha questão do "Ser ou não-Ser" nas nossas escolhas para as nossas ações, que traçam o destino da nossa vida e da nossa Essência.

De propósito, para evitar mais angústias ao público leitor (lol), evitei por aqui na figura a questão do "Ter ou não-Ter" que também é mais um fator de complexificação das escolhas e decisões nas nossas vidas que atrás referi como o conceito sartriano do nosso desejo de Ser (de liberdade e relação com objetos) e Ter (posses como símbolo de si mesmo).

E nos próximos posts vamos voltar a um pensamento mais ordenado para refletir sobre as várias filosofias que influenciaram o(s) existencialismo(s), a sua história, os seus autores, incluindo uma maioria que sempre refutou o rótulo de existencialista.

Depois iremos falar do Humanismo e suas ligações ao Existencialismo, as suas relações com o individualismo, o anarquismo e a filosofia do descentralismo.

Video Curto:

O que é o Existencialismo?

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

Introdução à Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

I - Anarquismo

II - Existencialismo

  • O que é o Existencialismo?
    • Parte 1 - Introdução Livre e Errática ao Existencialismo- Este Post

Próximos posts da Série:
II - Existencialismo(Cont.)

  • O que é o Existencialismo?(Cont)
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo
    • Parte 3 - A Filosofia do Existencialismo
    • Parte 4 - O Medo da Liberdade de Erich Fromm
  • Os "Existencialistas"
    • Part 1 - Os Jogadores
    • Part 2 - Jean Paul Sartre - O Homem do Século XX
  • Humanismo e Existencialismo
  • Existencialismo e Anarquismo
  • O Futuro: Pós-Humanismo, Transumanismo e Inumanismo

III - Descentralismo

  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

IV - Dialética da Auto-Libertação

  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • Psicadelismo e movimentos Libertários e Artísticos
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico

Referências:

- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Piotr Kropotkin - O surgimento do anarquismo
Colectivismo vs. Individualismo

Livros:
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Sarah Bakewell, At the Existentialist Café: Freedom, Being, and Apricot Cocktails with with Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty, and Others
Levy, Bernard-Henry , O Século de Sartre, Quetzal Editores (2000)
Jacob Golomb, In Search of Authenticity - Existentialism From Kierkegaard to Camus (1995)
Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Advanced Industrial Society
Louis Sass, Madness and Modernism, Insanity in the light of modern art, literature, and thought (revised edition)
Hubert L. Dreyfus and Mark A. Wrathall, A Companion to Phenomenology and Existentialism (2006)
Charles Eisenstein, Ascent of Humanity
Walter Kaufmann, Existentialism from Dostoevsky to Sartre (1956)
Herbert Read, Existentialism, Marxism and Anarchism (1949 )
Martin Heidegger, Letter on "Humanism" (1947)
Friedrich Nietzsche, The Will to Power (1968)
Jean-Paul Sartre, Existentialism And Human Emotions
Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo
Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense
Michel Foucault, Power Knowledge Selected Interviews and Other Writings 1972-1977
Erich Fromm, Escape From Freedom. New York: Henry Holt, (1941)
Erich Fromm, , Man for Himself. 1986
Rick Roderick, Slef under Siege Guidebook: The Self Under Siege – Philosophy in the 20th Century (1993)
About Rick Roderick and the videos : http://rickroderick.org/
Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

Excelente análise charlie777pt, como é habitual da tua parte.

·

Obrigado man.
I've been checking your photos, and it's a very good job.

@charlie777pt, Parabéns! O teu post foi votado e resteem pelo Projeto Camões!

camoes sign 2.gif

PROJETO CAMÕES -Língua Portuguesa no Steemit!

Thanks for the new post, great article