#FILMOTECA# - "De Onde Eu Te Vejo" (2016)

in filmoteca •  15 days ago

Fonte: Divulgação (Cine Click)

Sinopse: Após 20 anos de casamento, Ana Lúcia e Fábio decidem se separar. Além do problema conjugal, eles também enfrentam uma crise no trabalho e a mudança da filha para outra cidade. Com todas essas mudanças, eles precisam aprender a viver uma nova realidade e reinventar o amor.

Tratar de relacionamentos amorosos é sempre uma narrativa que pela própria natureza é desafiadoramente complexa. Mas, espalhados pelos quatro canto do mundo, não faltam filmes que tentam mostrar - sob diversas óticas - como esse sentimento indecifrável pode ser enxergado. Dito isso, existem os acertos, os erros e aqueles os que ficam pelo caminho (alternando entre momentos bons e ruins, mas oferecendo uma boa experiência)... Felizmente, De Onde Eu Te Vejo ocupa uma sólida permanência no primeiro grupo.

Fonte: Divulgação (Academia Brasileira de Cinema)

A foco do filme está todo voltado para a não mais existente relação de casal entre Ana Lúcia e Fábio. Com uma abordagem bem diferenciada sobre o tema (incluindo a quebra da quarta parece... que é quando algum personagem conversa diretamente com o público através da tela do cinema/tv), o diretor Luiz Villaça trabalha com liberdade (e muita qualidade) para oferecer ao público diversos caminhos sobre como interpretar a história que ele está firmemente dirigindo.

Nenhum dos outros argumentos que ajudam a construir a história do filme (e olha que eles não são poucos, heim?!) consegue desvirtuar a atenção do telespectador para os conflitos que um amor mal resolvido consegue desencadear. Isso não é necessariamente um mal sinal, afinal, os outros problemas que orbitam o centro de tudo se mostram bem eficientes em suas funções complicadoras... Ou seja, eles existem para dinamizar ainda mais a trama sem faze com que a mesma se perca do longo da sua projeção.

Fonte: Divulgação (VEJA / SP)

Quanto mais a narrativa se consolida, mais o público se torna parte da história do casal (quase como se fosse parte da família ou algum amigo mais próximo). A construção dos personagens é tão real e marcante, que nos primeiros minutos é impossível não comprar o drama do casal (ou ex-casal). A interação entre Denise Fraga e Domingos Montagner sempre rouba a cena... Afinal, o filme é sobre a história deles e eles fazem jus a isso entregando ótimas performances que soam de forma extremamente natural, através de uma química evidente aos olhos de quem os vê contracenando.

O roteiro trabalha com muito afinco todas as inseguranças, receios e até alguns medos mais profundos (que se mostram - à primeira vista - algo mais obscuro do que se pode imaginar) que moram dentro de Ana Lúcia e Fábio. Seus dilemas e conflitos em relação a encarar uma nova realidade separados são constantemente colocados à prova através de situações do cotidiano que acabam tendo um impacto muito grande em seus próximos movimentos. São situações simples que muitas vezes eles não valorizam como deveriam e só se dão conta disso quando é "tarde demais" para reverter o resultado.

Fonte: Divulgação (Café & Cinema)

Entre risos, frustrações, amor e lágrimas o público se vê em meio a uma mistura de sentimentos onde os personagens alternam constantemente entre o que eles querem e o que eles realmente precisam. A solução para o problema deles pode parecer lógica para quem assiste ao filme... Mas analisar a história pelo lado de fora é sempre mais fácil, uma vez que, quem sente está no meio do "fogo cruzado" não sabe realmente como agir e tende a inclusive, a não agir como de costume.

Uma história madura sobre términos e possíveis reconciliações, que colocam frente à frente personagens da vida real, com histórias tangíveis (sem aquela glamourização da sétima arte) e que tem nas suas qualidades técnicas (com destaque para a trilha sonora e para a fotografia porque ambos os elementos técnicos são explorados com exatidão e fazem as cenas crescerem aos olhos do público de uma maneira bonita de se ver) o material necessário para se converter em um filme que corre fora da curva dos clichês.

Fonte: Divulgação (Globo Filmes)

Considerando apenas os exemplares brasileiros que seguem esse gênero (que na verdade é uma ótima mistura de romance, drama e comédia), De Onde Eu Te Vejo é uma proposta consistente de mostrar o amor na vida adulta... Enfim, o filme é uma daquelas gratas surpresas que nos faz renovar (ainda que de forma meio tímida... porque, infelizmente, a balança ainda não é positiva) a esperança no cinema nacional.

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

@wiseagent, sou suspeita ao falar sobre esta "comédia romântica", porque para mim, Denise Fraga e Domingos são protagonistas adoráveis. E o cômico é uma separação, apenas por prédios, uma rua, pois acordavam-se propagando "bom dia", através das janelas...Continuavam da mesma forma, até as ideias organizarem-se e voltarem ao antigo e longo amor...rsrs