Vamos Falar da Centralização das Moedas Digitais

in #pt2 years ago

CORRIQUEIRO.png


Se você já é experiente no mercado de moedas digitais sabe que existe uma certa ojeriza por parte dos investidores sobre qualquer forma de centralização, seja por bancos, governos ou até mesmo empresas. Mas você já se perguntou por que os entusiastas nas moedas digitais são contra essas centralizações?

A filosofia central da criação das moedas digitais é ser descentralizada, portanto qualquer entidade única que controle o ecossistema de uma moeda, faz com que a mesma seja centralizada. Os governos são centralizados porque possui o monopólio das leis. Os bancos são centralizados porque controle o sistema monetário de uma sociedade. As empresas são centralizadas porque o CEO tem a última palavra em qualquer execução e visão de longo prazo da instituição.

A descentralização significa uma diluição do poder e controle da entidade central para a população em geral. As criptomoedas vão contra qualquer forma de centralização, permitindo que os usuários possam contribuir em um sistema aberto e totalmente transparente, retirando o poder dos centralizadores autoritários e passando este poder para as pessoas comuns.

Mas antes de conversamos sobre centralização, precisamos entender o conceito da descentralização. O fundador da Ethereum comentou certa vez que existem três principais tipos de sistemas descentralizados:

Descentralização Política - Nenhuma entidade controla a blockchain
Descentralização Arquitetural - Não há ponto de falha central
Descentralização Lógica - A rede se comporta como um único computador coletivo, concordando em um estado único entre todos.

O Bitcoin foi a primeira moeda baseada no sistema de blockchain a fim de fornecer um ambiente aberto que fosse totalmente imutável e resistente a ataques. Com isso, a moeda conseguiu retirar o intermediador entre pagamentos, como bancos e processadores de pagamento, aumentando ainda mais os benefícios, como por exemplo:

Taxas de transferência mais baixas: Normalmente para você fazer um TED ou DOC ou ainda receber o pagamento de uma pessoa, precisa pagar uma taxa para os intermediadores. Como eles foram retirados, as taxas foram diminuídas para centavos, indiferente do valor transacionado.

Diminuição do tempo de confirmação: Antigamente se você queria fazer uma transação entre países, o tempo de espera era maior que um dia util. Com o Bitcoin, este tempo passou a ser menos de uma hora.

Seguro: Os sistemas descentralizados são muito menos propensos a ter pontos de falha únicos, além disso, é muito mais difícil você atacar um sistema descentralizado em comparação a um sistema centralizado.

Transparência e imutabilidade: Todos os dados são abertos e podem ser analisados por qualquer pessoa. Devido a essência da blockchain, é garantido que os dados anteriores nunca serão alterados.

Apesar de tudo isso, existem alguns tipos de centralização que ocorrem nas moedas digitais. Vamos falar mais sobre isso, daqui pra frente.

Existem dois meios de uma criptomoeda ser centralizada:

Através da concentração dos donos da moeda

Este é o método mais óbvio de centralização quando uma única entidade é a ofertante da moeda ou token, normalmente nestes casos, a ofertante é a empresa na qual criou o projeto. A centralização é mais escancarada quando a mesma possui fins lucrativos, o que não a torna muito diferente de uma empresa controladora.

Outro motivo pelo qual a probabilidade é maior de centralização, é quando todos os tokens são criados, e não há nenhuma outra distribuição. Isso cria uma divergência absurda em comparação com as moedas que podem ser mineradas, onde cada minerador tem a oportunidade de ganhar moedas através da mineração.

Um exemplo muito utilizado para demonstrar essa concentração, é a Ripple (XRP), onde a Ripple Labs e seus fundadores controlam algo próximo a 60% de toda a moeda em circulação, significando que a minoria dos tokens está no mercado. Obviamente isso é visto com maus olhos por todos os criptoinvestidores e criptoentusiastas.

Se uma entidade controla a maioria dos tokens, essa moeda é centralizada.

Através da mineração centralizada

Nesta categoria, temos dois métodos diferentes. São eles:

Nós centralizados

Quando os nós são centralizados, ou seja, a maioria dos nós pertencem a apenas uma unica entidade, está moeda é centralizada. A finalidade dos nós, é verificar e validar as transações da rede, portanto, se uma entidade controla a maioria dos nós, a integridade da rede é comprometida, o que torna a blockchian suscetível à interferências externas, como corporações e governos, além do fato de ser muito mais vulnerável, pois a concentração faz com que um ataque seja muito mais fácil.

Um exemplo desta categoria é a moeda digital NEO, que possui apenas sete nós de validação, todos controlados pela empresa criadora da moeda. Apesar de ter sido dito que a descentralização seria gradual, a atual situação é a inversa . Caso um terço dos nós fique offline, o consenso não ocorrerá e a blockchain estará desligada.

Se a maioria dos nós forem controlados por uma única entidade, essa moeda é centralizada.

Poder de processamento centralizado

Poder de processamento nada mais é que o poder computacional total da rede. Essa centralização ocorre quando a maioria do poder computacional pertence a uma entidade centralizadora. Esta centralização é muito conhecida no mundo das moedas digitais como a expressão ATAQUE 51%, onde as mineradoras controlam 51% ou mais do poder de processamento podendo impedir transações de serem confirmadas, além de monopolizar a mineração da blocos, bloqueando qualquer transação a sua disposição e a pior das hipóteses, podendo gastar duplamente a quantidade de moedas.

O duplo gasto é a possibilidade de uma transação enviar dinheiro de A para B, fazendo com que B receba o valor sem que seja retirado de A. A pouco tempo atrás, o Bitcoin Gold sofreu este tipo de ataque, pois as atores fraudulentos controlavam muito mais que 51% da rede. Eles conseguiram roubar mais de dezoito milhões de dólares em Bitcoin Gold.

Se a maioria do poder de processamento for controlado por uma única entidade, essa moeda é centralizada.

Resumindo...

Existem várias maneiras de uma moeda ser centralizada, apesar da filosofia inicial das criptomoedas ser de descentralização. Entretanto, existem alguns porquês da mesma ser centralizada, como desempenho, escalabilidade, estabilidade, por exemplo. No entanto, a inclusão da comunidade e a diluição do poder entre seus players é o traço vital das moedas digitais e da tecnologia blockchain.



Roberto Ueti

Sort:  

Belíssimo texto!

Esse é um excelente argumento que sempre uso para motivar as pessoas a vir para o lado de cryptos. Depois de entender a descentralização tudo fica mais claro e simples.

Obrigado pela contribuição.

@deividluchi, é isso ai... Quando a gente entende sobre as moedas digitais e como elas podem ser tanto descentralizadas ou centralizadas, percebemos que nem isso temos direito de escolha quando falamos de fiat.

Em breve você receberá vários votos da equipe Ptgram Power.

Participe do ptgram como LEITOR, COMENTADOR ou AUTOVOTER para aumentar significativamente os valores desses votos, enquanto melhora seu networking de forma contínua e organizada.


Guia Completo Steemit | Grupos de batepapo da Comunidade | Steemit Brasil


Parabéns, seu post foi selecionado pelo projeto Brazilian Power, cuja meta é incentivar a criação de mais conteúdo de qualidade, conectando a comunidade brasileira e melhorando as recompensas no Steemit. Obrigado!

footer-comentarios-2.jpg

@robertoueti, você pode falar mais sobre a questão das grandes mineradoras chinesas de Bitcoin ? O BTC corre risco de ficar restrito e "controlado" por essas mineradoras ?

Outra questão. As moedas que usam PoS, por não dependerem de mineração, seriam um tipo de Blockchain mais "seguro" por assim dizer ?

Agradeço qualquer comentário que possa dar.

Obrigado pelo post, abraço.