Hipermodernidades 23 - Tudo é espectáculo

in #pt2 years ago

Nesta era hipermoderna, não se olham a meios para se espectacularizar os negócios mais obscuros no seio da vida quotidiana.

Tudo é espectáculo.

Reduz-se o objecto cultural à imagem carnavalesca e colorida do facilitismo medíocre para que as vendas se transmutem em espectáculo de palcos viciados.

A burla surge como primeira figura de um vaudeville que consome milhões na ecranização dos enganos diários, como um reality-show, que descredibiliza a vida social, económica e cultural de uma nação.

A comédia da trapaça impõe-se como espectáculo inevitável que afecta todas as áreas que influenciam os comportamentos dos seus espectadores.

A espectacularização radical do dia-a-dia dos indivíduos conduz ao logro de um happy end fictício pleno de sugestões fraudulentas.

Nada foge à teatralização da vida, à farsa, ao embuste, que a maquinaria publicitária produz para que se assegure a lotação esgotada de um espectáculo de supérfluos.

O objecto desnecessário como estrela de uma representação inevitável na intimidade de cada um.

Parece que a ficção, as lendas, os mitos, estão ao alcance de todos na teatralização da idealização como uma falsa realidade adquirida que conduz, inevitavelmente, a desastres cosméticos sociais.

A banalização da expressão artística, no seio do capitalismo do espectáculo, leva à construção de equívocos onde o joio supera o trigo, na apresentação feérica da mediocridade, numa feira de vulgaridades onde predomina o pechisbeque envolvido num papel pseudo-cultural.

A sociedade do espectáculo ganha uma dimensão gigantesca com as redes sociais onde se dramatiza a intimidade como um filme inconsequente de banalidades que transportam os seus protagonistas para uma falsa ribalta.

Comercializam-se emoções, transacionam-se imagens-lixo, o prazer pornográfico ganha estatuto artístico numa orgia abjecta que dilacera e confunde o olhar sobre o seu valor, os produtos permutados em negócios distorcem e corrompem o sentido original.

Esta transgressão constante procura rentabilizar a vitimização do ser como espectáculo televisivo ou nas redes sociais a cujo público as campanhas publicitarias impingem, em forma de arte, panaceias sociais, culturais, económicas e estéticas sustentadas na fraude dos resultados vendidos.

Ninguém escapa ao desejo de se vedetizar no seu meio, vulgarizando o ícone cinematográfico de outrora na figura do padeiro, do cozinheiro, do bombeiro, do jornalista, do manequim, do criador de moda, do político provinciano, do advogado, do futebolista.

É o negócio do híper-espectáculo no seu máximo esplendor que, pela necessidade de renovação constante dos seus protagonistas, trucida-os, como produtos fora de prazo, sob a pesada engrenagem desta máquina de enganos onde se morre, paradoxalmente, no mais violento dos anonimatos.

Luís Filipe Sarmento, Gabinete de Curiosidades, Lisboa, São Paulo, 2017

26543925_10214023963170587_820968560_o.jpg
Foto: José Lorvão