A Pizza e a Inércia

in pt •  2 months ago

pizza_inercia_01.jpg
A pizza chegou em casa com o recheio nitidamente deslocado para um lado. Por que?



De casa, pelo telefone, peço pizza. O motoboy a entrega. Pego a embalagem de papelão e sinto na mão que a pizza está quentinha! Maravilha!

Mas, quando abro a embalagem, surpresa! Como se pode observar na foto acima, que mesmo com fome fui fazer antes de comer a pizza, o recheio está nitidamente deslocado para um lado do disco!

O que houve? Por que tal assimetria? Descuido do pizzaiolo? Ou será que a Física tem uma explicação melhor?

A tal da inércia

Lembra da Lei da Inércia? A Primeira Lei de Newton? É ela quem pode nos dar uma melhor noção do que houve com o recheio da pizza.

Galileo Galilei (1564-1642) plantou a semente do conceito de inércia. E Isaac Newton (1643-1727) deu a ele o seu formato definitivo. Confira abaixo o enunciado informal da Primeira Lei de Newton, a Lei da Inércia:

Lei_da_Inercia.jpg

Somente uma ou mais forças, tal que a força resultante não seja nula, pode “quebrar” a tendência inercial de um corpo de permanecer em repouso ou em MRU.

Em outras palavras, o que a Lei da Inércia prega é que só precisamos de uma ou mais forças para MODIFICAR um movimento, ou seja, para alterar o vetor velocidade prévio de um corpo. Para manter um movimento retilíneo e uniforme, aquele em que o vetor velocidade não se modifica em nenhum dos seus aspectos vetoriais¹, não precisamos de força(s) porque tal movimento persiste por inércia!

Assim, se um corpo estiver livre da ação de forças ou, o que é mais comum, estiver sofrendo várias forças que se anulam, ele (corpo), sob força resultante nula, irá:

  • I) permanecer em repouso caso já se encontre parado, ou
  • II) continuar se movendo na mesma direção e no mesmo sentido em que já se movia e com a mesma rapidez, ou seja, com a mesma velocidade escalar.

Fica evidente pela imagem da pizza com recheio assimétrico que numa freada brusca, ou quem sabe talvez em várias freadas bruscas sucessivas, o motoboy sempre apressadinho sem querer acabou fazendo o recheio deslocar-se por inércia para frente em relação ao disco da pizza. Assim, a cada freada brusca da moto, o recheio apenas tentava seguir o seu movimento retilíneo e uniforme adiante enquanto o disco de pizza brecava solidário à moto. Dá para entender a ideia física?

pizza_inercia_02.jpg
O recheio assimétrico na imagem acima aponta que, neste ponto de vista, o movimento (velocidade) da pizza carregada pela moto era para a direita enquanto a freada (aceleração) contrária foi para a esquerda

E vale reforçar ainda que a base de queijo quente e, portanto, maleável, só favoreceu o deslizamento do recheio em relação ao disco! O recheio tinha a tendência de manter seu movimento para frente enquanto a moto, ao brecar, acelerava para trás.

Aposto que você já sentiu a inércia na própria pele

passengers-1150043_960_720[1].jpg
Passageiros em pé dentro de um ônibus, um excelente laboratório para testarmos a Lei da Inércia. (Fonte: Pìxabay)

Tenho certeza que você já sentiu a inércia na própria pele ao andar de carro ou, melhor ainda, de ônibus.

Especialmente nos ônibus urbanos nos quais muitas vezes viajamos em pé, o efeito da inércia é ainda mais perceptível.

Quando andamos de ônibus, podemos observar três situações distintas:

Situação 1: O ônibus freia
Numa freada do veículo você tem a impressão de ter sido empurrado para frente. Na verdade, não houve empurrão algum sobre você, mas apenas a sua tendência de continuar seguindo para frente em MRU, exatamente o mesmo que aconteceu com o recheio da pizza.

Situação 2: O ônibus inicialmente parado arranca e adquire velocidade
Você, previamente em repouso em relação ao chão, tal qual o ônibus, tende a continuar em repouso. A sensação, ao contrário, agora é de ser empurrado para trás. Mas, mais uma vez, não há força alguma, apenas a manifestação da inércia, ou seja, da tendência de permanecer em repouso em relação ao chão.

Situação 3: O ônibus faz uma curva
Numa situação de curva também temos a tendência de continuar em MRU pela tangente à trajetória. Neste caso, de dentro do ônibus, nos sentimos empurrados lateralmente. Mais uma vez atesto a ausência de qualquer força e a manifestação da inércia que provoca uma sensação de força mas não é força. Do ponto de vista newtoniano, uma força real só existe quando existem dois corpos envolvidos sendo que um faz a força e o outro a recebe. Temos uma ação entre corpos, ou seja, uma interação.

Em cada uma das três situações acima, de dentro do ônibus, o passageiro vai sentir-se empurrado. Na situação 1, no referencial do ônibus, o passageiro é capaz de jurar que foi empurrado para frente. Na situação 2, ao contrário, sente-se empurrado para trás. E na situação 3 sente-se jogado para fora da curva. Mas trata-se apenas de uma "sensação" de força² causada pela aceleração tangencial e/ou radial do veículo. Logo, no fundo, é tudo manifestação da inércia, uma propriedade fundamental da matéria.


Encerro o meu texto observando que a Física está presente em tudo! Basta saber olhar o mundo à sua volta e reconhecê-la! Concorda?




Abraço do prof. Dulcidio. E Física na veia!






¹ Toda grandeza vetorial deve ser caracterizada por cada um dos seus três aspectos: 1. intensidade (ou módulo), 2. direção e 3. sentido.

² À "sensação" de força chamamos de força inercial ou ainda de força fictícia. Prefiro esta segunda forma que deixa clara a ideia de que a força sendo fictícia não existe de fato e é apenas um efeito da inércia sentido pelo observador a partir de um referencial não-inercial, ou seja, acelerado.




O tema inércia já foi tratado por mim no Física na Veia! (UOL Ciência) em julho de 2007 neste post ainda na primeira plataforma do blog que agora está hospedado em www.fisicanaveia.com.br, plataforma dos blogs oficiais do portal UOL.


Este texto também foi publicado no Física na veia! (UOL Ciência) neste link.

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

Parabéns, seu post foi selecionado pelo projeto Brazilian Power, cuja meta é incentivar a criação de mais conteúdo de qualidade, conectando a comunidade brasileira e melhorando as recompensas no Steemit. Obrigado!

footer-comentarios-2.jpg

Boa, professor! Mais didático, impossível :D Hehehehe! Um dos humoristas que trabalhei tinha um texto em que ele brincava que a melhor pizzaria para pedir entrega é a da reta da sua casa :P Obrigado pelas informações ;)

·

Obrigado @casagrande! Ser didático é uma missão do
Física na veia!. Quando sou reconhecido por isso, só posso ficar feliz e agradecido! :)
Mas vale lembrar que, mesmo numa reta, um motoboy pode destruir as nossa pizzas. A minha até que chegou "bem", apenas assimétrica! :D
Abraço. E Física na veia!

Congratulations @fisicanaveia! You have completed the following achievement on Steemit and have been rewarded with new badge(s) :

Award for the total payout received

Click on the badge to view your Board of Honor.
If you no longer want to receive notifications, reply to this comment with the word STOP

To support your work, I also upvoted your post!

Do you like SteemitBoard's project? Then Vote for its witness and get one more award!

Que maravilha de post, Dulcídio! Isto é o que falta no momento de introdução das pessoas na física: vivenciá-la, experimentá-la, e isto deve acontecer desde os primeiros momentos das vida de uma pessoa, ou seja, já na infância. Seria lindo que todos os pais fossem educadores (e não castradores) :(


ptgram power

·

Obrigado @tmarisco! :)
Para a maioria das pessoas a Física só faz sentido se estiver atrelada à realidade. É o que chamo de Física contextualizada. Só para os cientistas faz sentido uma Física mais teórica e com sofisticadas abstrações. Como trabalho formando jovens pré-universitários, desde sempre me dediquei a desenvolver estratégias para trazer a Física para a realidade de cada um. E o Física na Veia!, que em outubro próximo vai completar 14 anos de estrada, nasceu para atuar exatamente nesta linha.
Abraço. E Física na veia!

·
·

Excelente trabalho este seu... agradeço e te dou os parabéns porque é mesmo muito bacana e necessário.

Sobre a Física contextualizada, lembrei-me de uma episódio engraçado da minha juventude: eu não jogo sinuca mas fui brincar com uns amigos em um bar. Numa das tacadas, eu fiz uma coisa tipo "Rui Chapéu" e encaçapei uma bola XD Todos me olharam com cara de espanto: "Você disse que não sabia jogar!". Confirmei mas justifiquei: "vetores, meus amigos, vetores" XD Por uns dias, fiquei com fama de CDF, coisa que nunca fui, na realidade, só curti muito o meu queridão professor Rafael e ficou tudo guardadinho :)

\Abraços/

·
·
·

Obrigado pelo carinho sem fim @tmarisco! ;)
Sempre que jogo sinuca fica evidente a enorme distância entre a Física experimental e a teórica! :D
Abraço. E Física na veia!