A reinvenção que nossas organizações precisam

in #organizations3 years ago

Artigo publicado originalmente em Weme

cadeira.png

Vivemos em uma era de mudanças. Os desafios que enfrentamos como empreendedores estão ficando maiores e mais complexos.

Somos uma prova viva de um paradigma completamente novo: hoje minha startup funciona 100% na internet com pessoas em 4 países diferentes, algo inimaginável há 20 anos. E é claro que no futuro (próximo) o trabalho será bem diferente da forma como o entendemos hoje.

É curioso que, diante deste ambiente de complexidade e mudanças, a maioria das instituições e empresas continuem a usar os mesmos modelos organizacionais popularizados há mais de 200 anos durante a Revolução Industrial. Estruturas hierárquicas rígidas que concentram o poder em poucos e deixam aqueles na base com pouca capacidade de decisão e criatividade. Parece familiar?

É assim que acabamos no paradoxo das organizações que inovam em seus produtos e serviços, mas não conseguem inovar na sua própria estrutura.

A atual revolução tecnológica e social requer que repensemos esses modelos e os valores em que se baseiam. E que os reinventemos.

Foto de ichsan em Unsplash.jpeg
Foto de ichsan em Unsplash

Passando para o próximo estágio

Existem múltiplos movimentos focados na criação de novos modelos organizacionais, propondo estruturas ágeis, capazes de se adaptar e oferecer aos seus membros um espaço para co-criar. E atenção: esta não é uma “tendência passageira”. É assim que as coisas serão de agora em diante.

Um desses movimentos é o das Organizações Teal, um conceito proposto no livro “Reinventando as Organizações”, publicado em 2014 por Frederic Laloux, e em que as organizações são entendidas como entidades vivas em constante evolução. As três principais inovações das Organizações Teal estão focadas no propósito evolutivo, na autogestão e na plenitude (união do nosso ser profissional e do nosso ser pessoal, que normalmente somos forçados a separar no trabalho). Eu recomendo o livro e o wiki oficial para explorar esses conceitos e entender como eles se aplicam às práticas diárias de uma empresa, incluindo: tomada de decisão, resolução de conflitos, cultura, valores e fluxos de informação.

Outro movimento para manter no foco é a Holacracy, criada por Brian Robertson e sua equipe da HolacracyOne. A Holacracy foi concebida como um sistema operacional para organizações e propõe uma estrutura de círculos aninhados compostos de roles (não pessoas), roles que podem ser assumidos por diferentes colaboradores em momentos diferentes. Assim, a mesma pessoa pode assumir roles múltiplos de acordo com suas habilidades e interesses, de forma fluida. Podemos já esquecer estruturas piramidais e departamentos isolados.

Você também pode se adentrar na Sociocracy 3.0, que está conectada com as idéias de Agile e Lean (termos familiares para aqueles na área do desenvolvimento de software) ou talvez ressoe com você a idéia do B Corps.

Photo by Erol Ahmed on Unsplash.jpeg
Photo by Erol Ahmed on Unsplash

Nova tecnologia, novas organizações

Se você tem entusiasmo, como eu, com as possibilidades da tecnologia blockchain, você certamente terá interesse em explorar a idéia das Organizações Autônomas Descentralizadas (DAOs), coletivos distribuídos pela Internet, que tomam decisões e trabalham juntos através de sistemas baseados em contratos inteligentes e criptomoedas. Estamos falando da criação de organizações como a Steemit, uma plataforma de conteúdo em que seus usuários são criadores e co-proprietários ao mesmo tempo.

Em suma, em essência esses e outros movimentos compartilham uma visão transformadora do trabalho e das organizações, da forma como distribuímos o poder e da nossa capacidade de usar a tecnologia para nos reinventar diante dos desafios da humanidade.

A aventura está apenas começando!

karla.png