THE SIMS: A perfectly designed real life?

in OCD3 months ago (edited)

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

Saga Sims

Imagine a place where you can be whoever you want, exactly the way you might have dreamed. Your physical traits are modeled in your own way (that body that you may be working hard to achieve), as well as all of your behavioral and psychological actions. Each of the details very well thought out, carefully planned and faithfully executed to become reality with just a few clicks. I'm sure this idea is something very attractive and seductive for many people around the world .. But, would you be one of them?

The Sims is the brainchild of game designer Will Wright who arrived in the video game market in 2000. Produced by the company Maxis, the main objective of the game is to make a suitable field so that there is a virtual reality where players can create their characters (according to their own preferences) and through the actions of each one and their respective impacts, live the reality that they may be looking for (in the real world, where things are not always so easy). A "perfect" mix between something unreal based on something real.

Microsoft

Initially, the game has some relatively simple packages... However, as everything quickly gained momentum and fame (and today the franchise has an extremely powerful status in the video game market), this real-life imitation has become a major franchise that obviously started to invest in bolder and more modern strategies not only to captivate the old fans, but also the new ones. Challenging players (as their "perfect" characters) to live an increasingly fanciful and futile life, the point of the game is to make players feel "special" by being what they are not.

The focus of this post is not to review the game (as you may have already noticed), but to comment on the essence of it, which - in my opinion - has a relatively harmful bias (especially for players who suffer from a degree - high or low - self-esteem). In general, it can be said that all games have a false essence (because you "interpret" something that you are not), but there is a big difference between them and The Sims, because while in other games you wear a real clothes that will make you happy in a genuine way (feeding your ego creatively), here you feel happy wearing various fake clothes based on something that in the real world is part of who you are.

The Stanford Daily

Considering this scenario, once you disconnect from the game, your supposed life full of perfect elements just doesn't exist anymore (at least not until you decide to fall into that world again and live some new adventures). Honestly, it is difficult for me to understand how a game based on these extremely subjective elements could have made it so popular. Perhaps the most logical explanation is the dissatisfaction of a large part of the players (attention: I am not generalizing all the players and, in some way, classifying them as if they are all the same) with the direction of their lives.

In my opinion, what The Sims has always sold is not smart fun (despite being very creative), or something uncompromising for you to play alone or in a group... With an atmosphere that breathes a fake reality (and remains even more artificial with each new version of the game), the franchise continues to bring different packages and that, visually, has a very well done graphic level (retaining the idea of ​​the perfect reality that the game tries - at all costs - to create). In other words: What does The Sims represent if not a pathetic way of living life itself?

Microsoft

Excluding those players who only know the game out of curiosity (I have played it a few times, for example) and who have no ambition to "live" inside it... What really fuels people's interests in a game where are all the best layers are built on a fragile house of cards disguised as something complex? Of course, real life is complex, being an adult is not easy, but believing that playing a game that mimics that reality is fun really confuses me.


THE SIMS: ¿Una vida real perfectamente diseñada?

Imagine un lugar donde pueda ser quien quiera, exactamente de la forma en que podría haber soñado. Sus rasgos físicos se modelan a su manera (ese cuerpo en el que puede estar trabajando duro para lograr), así como todas sus acciones conductuales y psicológicas. Cada uno de los detalles está muy bien pensado, cuidadosamente planeado y ejecutado fielmente para convertirse en realidad con solo unos pocos clics. Estoy seguro de que esta idea es algo muy atractivo y seductor para muchas personas en todo el mundo... Pero, ¿sería usted uno de ellos?

The Sims es una creación del diseñador de juegos Will Wright, quien llegó al mercado de los videojuegos en 2000. Producido por la compañía Maxis, el objetivo principal del juego es crear un campo adecuado para que haya una realidad virtual donde los jugadores puedan crear sus personajes (según sus propias preferencias) y a través de las acciones de cada uno y sus respectivos impactos, viven la realidad que pueden estar buscando (en el mundo real, donde las cosas no siempre son tan fáciles). Una mezcla "perfecta" entre algo irreal basado en algo real.

Inicialmente, el juego tiene algunos paquetes relativamente simples... Sin embargo, como todo rápidamente ganó impulso y fama (y hoy la franquicia tiene un estado extremadamente poderoso en el mercado de los videojuegos), esta imitación de la vida real se ha convertido en un importante franquicia que obviamente comenzó a invertir en estrategias más audaces y modernas no solo para cautivar a los viejos fanáticos, sino también a los nuevos. Desafiando a los jugadores (como sus personajes "perfectos) a vivir una vida cada vez más fantasiosa y fútil, el objetivo del juego es hacer que los jugadores se sientan" especiales "por ser lo que no son.

El objetivo de esta publicación no es revisar el juego (como ya habrás notado), sino comentar la esencia del mismo, que - en mi opinión - tiene un sesgo relativamente dañino (especialmente para los jugadores que sufren con un grado - alta o baja - autoestima). En general, se puede decir que cada juego tiene una esencia falsa (porque "juegas" algo que no eres), pero hay una gran diferencia entre ellos y The Sims, porque mientras que en otros juegos usas un ropa real que te hará feliz de una manera genuina (alimentando tu ego de manera creativa), aquí te sientes feliz usando varias prendas falsas basadas en algo que en el mundo real es parte de lo que eres.

Teniendo en cuenta este escenario, una vez que te desconectas del juego, tu supuesta vida llena de elementos perfectos ya no existe (al menos no hasta que decidas caer en ese mundo nuevamente y vivir nuevas aventuras). Honestamente, es difícil para mí entender cómo un juego basado en estos elementos extremadamente subjetivos podría haberlo hecho tan popular. Quizás la explicación más lógica es la insatisfacción de una gran parte de los jugadores (atención: no estoy generalizando a todos los jugadores y, de alguna manera, clasificándolos como si fueran todos iguales) con la dirección de sus vidas.

En mi opinión, lo que The Sims siempre ha vendido no es diversión inteligente (a pesar de ser muy creativo), o algo intransigente para que juegues solo o en grupo... Con una atmósfera que respira una falsa realidad (y sigue siendo aún más artificial con cada nueva versión del juego), la franquicia continúa trayendo diferentes paquetes y eso, visualmente, tiene un nivel gráfico muy bien hecho (conservando la idea de la realidad perfecta que el juego intenta, a toda costa, crear). En otras palabras: ¿Qué representa The Sims si no es una forma patética de vivir la vida misma?

Sin tener en cuenta a aquellos jugadores que solo conocen el juego por curiosidad (por ejemplo, lo he jugado algunas veces) y que no tienen la ambición de "vivir" dentro de él... Lo que realmente alimenta el interés de las personas en un juego donde ¿Están todas las mejores capas construidas en un frágil castillo de naipes disfrazado como algo complejo? Por supuesto, la vida real es compleja, ser adulto no es fácil, pero creer que jugar un juego que imita esa realidad es divertido realmente me confunde.


THE SIMS: A vida real desenhada com perfeição?

Imagine um lugar onde você pode ser quem você quiser, exatamente do jeito que você um dia pode ter sonhado. Seus traços físicos são modelados à sua própria maneira (aquele corpo que você talvez esteja trabalhando muito para conseguir), assim como todas as suas ações comportamentais e psicológicas. Cada um dos detalhes muito bem pensados, cuidadosamente planejados e fielmente executados para se tornar realidade com apenas alguns cliques. Eu tenho certeza que essa ideia é algo bem atraente e sedutor para muitas pessoas ao redor do mundo... Mas, você seria uma delas?

The Sims é uma criação do designer de jogos Will Wright que chegou ao mercado dos vídeo games no ano 2000. Produzido pela empresa Maxis, o principal objetivo do jogo é fazer um campo propício para que haja uma realidade virtual onde os jogadores podem criar os seus personagens (de acordo com suas próprias preferências) e através das ações de cada um e seus respectivos impactos, viver a realidade que eles talvez tanto estejam buscando (no mundo real, onde as coisas nem sempre são tão fáceis). Um "perfeita" mistura entre algo irreal baseado em algo real.

Inicialmente, o jogo tem alguns pacotes relativamente simples... No entanto, como o tudo rapidamente ganhou força e fama (e hoje a franquia tem um status extremamente poderoso no mercado dos vídeo games), essa imitação da vida real se tornou em uma grande franquia que, obviamente, começou a investir em estratégias mais arrojadas e modernas não apenas para cativar os fãs mais antigos, como também os mais novos. Desafiando os jogadores (na pele de seus personagens "perfeitos") a viver uma vida cada vez mais fantasiosa e fútil, a intenção do jogo é fazer os jogadores se sentirem "especiais" sendo aquilo que eles não são.

O foco desse post não é fazer um review do jogo (como vocês já devem ter percebido), mas sim, comentar sobre a essência dele, que - na minha opinião - tem um viés relativamente danoso (especialmente para os jogadores que sofrem com um grau - alto ou baixo - de auto estima). De uma maneira geral, pode-se dizer que todos os jogos tem uma essência falsa (porque você "interpreta" algo que você não é), mas há uma grande diferença entre eles e o The Sims, porque enquanto nos outros jogos você veste uma roupa real que vai te fazer feliz de uma forma genuína (alimentando o seu ego de forma criativa), aqui você se sente feliz vestindo várias roupas falsas baseando-se em algo que no mundo real que faz parte de quem você é.

Considerando esse cenário, uma vez que você se desliga do jogo, à sua suposta vida cheia de elementos perfeitos simplesmente não existe mais (pelo menos não até você decida cair dentro daquele mundo novamente e viver algumas novas aventuras). Sinceramente, é difícil para mim entender como um jogo baseado nesses elementos extremamente subjetivos pôde ter tornado tão popular. Talvez, a explicação mais lógica seja a insatisfação de uma grande parte dos jogadores (atenção: eu não estou generalizando todos os jogadores e, de alguma forma, classificando-os como se todos eles fossem iguais) com o rumo de suas vidas.

Na minha opinião, o que The Sims sempre vendeu não é uma diversão inteligente (apesar de ser muito criativa), ou algo descompromissado para você jogar sozinho ou em grupo... Com uma atmosfera que respira uma realidade falsa (e se mantém ainda mais artificial a cada nova versão do jogo), a franquia segue trazendo pacotes diversos e que visualmente, tem um nível gráfico muito bem feito (fidelizando a ideia sobre a realidade perfeita que o jogo tenta - a todo custo - criar). Em outras palavras: O que The Sims representa senão uma patética forma de viver à própria vida?

Desconsiderando aqueles jogadores que apenas conhecem o jogo por alguma curiosidade (eu por exemplo, já o joguei algumas poucas vezes) e que não tem nenhuma ambição de "viver" dentro dele... O que realmente alimenta o interessa das pessoas em um jogo onde todas as melhores camadas são construídas sobre um frágil castelo de cartas disfarçado como algo complexo? É claro que a vida real é algo complexo, ser adulto não é fácil, mas acreditar que jogar um jogo que imita essa realidade é algo divertido realmente me deixa confuso.

Coin Marketplace

STEEM 0.22
TRX 0.02
BTC 11765.19
ETH 390.95
SBD 1.05