Sort:  

Brigado, @manandezo.
Entendo que debemos preservar o idioma propio como parte do noso patrimonio inmaterial que está a escaparsenos das mans.
No caso da Galiza o idioma deturpase por a "invasión" cultural española e a globalización. Por sorte, o Portugués servenos como reservorio de verbas e expresións vivas onde tomar semente para manter a "colleita" da fala.

Eu tomei conhecimento dos movimentos galegos para a conscientização e uso da língua galega no final da década de 80 e início de 90, quando era estudante de Letras da UFRJ. Ali, tive o prazer de conhecer o professor Pedro Ivo, que era um amante do galego e foi muito bom saber de tudo o que ocorria nesta região que me encanta imensamente.

Eu sou a favor da liberdade de escolha da língua, do colorido único que cada idioma traz desde sua formação há séculos até o momento. Não há nada mais lindo no mundo das línguas que ver a mudança ocorrer, sentir o fluxo linguístico em seu todo abstrato. Isso é, sem dúvida, encantador!

Fico feliz, quando olho para o passado, e vejo que éramos apenas um, éramos o galego-português que, em um momento, tomou caminhos diferentes, mas guardam o amor e a beleza da fraternidade e do reconhecimento quando escrevemos ou, até mesmo, falamos.

Mais uma vez obrigado pela amizade e que o colorido dos linguajares nos fascine até o fim!

Fico agradecido pola súa comprensión, mais tamén por ter con quen partillar nunha lingoa común con xentes de todo o mundo.
Que nos fascinen as lingoas, esas meigas que conforman o noso Sistema Operacional !!
Que nos fascine a xente, co seu color, calor e óptica poliédrica !
Que nos fascine GAIA, nai e amor.
E que nos namore a amizade e as gañas de acadar un Planeta Humano-Humano.

Hoje no Steemit somos poucos que practicamos a galeguía... mais habemos de chegar a seren un bo feixe o que decida usar o "lusismo" para trasladar sin artificios os sentimentos, que só poden sair sinceiros nas lingoas nais.

Chame a mais, digalle a outros.... digamoslle que ainda en creoulo somos quenes de nos entender.

Virtuais, pero fortes, apertas de este humano . Saúde.