#FILMOTECA# - "Homem-Aranha: Longe de Casa" (2019)

in #filmotecalast year (edited)

Almanaque de Cultura

Sinopse: Peter Parker está em uma viagem de duas semanas pela Europa, ao lado de seus amigos de colégio, quando é surpreendido pela visita de Nick Fury. Convocado para mais uma missão heroica, ele precisa enfrentar vários vilões que surgem em cidades-símbolo do continente, como Londres, Paris e Veneza, e também a aparição do enigmático Mysterio.

Há quem goste dessa nova fase do "amigo da vizinhança", mas eu definitivamente não sou um deles e eu tenho três razões particulares (bem específicas) para isso: 01. O processo de infantilização de Peter Parker me irrita demais; 02. A escalação do ator Tom Holland até hoje não me convence em nada e 03. O fato do Homem-Aranha ter que ser "acionado" para defender o mundo tira toda a sua autonomia enquanto figura auto-suficiente. No entanto, eu devo concordar com o seguinte fato (e confesso que fiquei surpreso com isso!): Homem-Aranha: Longe de Casa é bem mais divertido do que o seu antecessor.

Estação Nerd

Carregando o "fardo" de ter que ser o primeiro filme da Marvel Studios depois de Vingadores: Ultimato, é possível dizer que aqui, a conclusão relacionada a Saga do Infinito foi finalizada e uma nova fase se inicia com esta sequência. Isso foi - reconhecidamente - uma estratégia muito bem pensada por parte dos roteiristas para manter o MCU vivo - e provavelmente com mais uma tonelada de filme de super heróis por vir - nos cinemas.

Deixando a "nostalgia" de lado (já que o filme faz muita referência ao personagem do Homem de Ferro por razões óbvias), agora Peter Parker tem um desafio ainda mais complicado pela frente (algo que inclusive é tratado de forma mais abrangente ao longo da projeção): continuar a sua jornada de super herói em meio aos seus "típicos" problemas adolescentes depois de toda aquela tragédia e analisar qual foi - ou será - o impacto disso no seu ciclo social (porque querendo ou não, ele tem uma vida no "mundo real").

O foco agora é fazer com que Peter "esqueça" de suas responsabilidades como salvador da nação e para isso, ele vai curtir as férias de verão na Europa com os amigos do colégio (incluindo Ned e MJ). No entanto, é claro que as coisas logo ficam esquisitas e ele é acaba sendo requisitado por Nick Fury e Maria Hill para ajudar Quentin Beck (o Mysterio) a lutar contra os chamados Elementals, que estão destruindo tudo por onde passam.

Metro Jornal

Em meio a essa nova missão, a abordagem narrativa é muito feliz porque coloca em evidência aquele que passa a ser o maior dilema do protagonista: "Qual é o tipo de herói que ele deseja ser?"... Enquanto ele decide isso (argumento dramático bem eficiente e que ronda uma boa parte do filme), precisa lidar com a angústia de ter que, de alguma forma, preencher o espaço deixado pelo Homem de Ferro e entender o que a chegada do enigmático Mysterio vai trazer.

Apesar da boa ideia apresentada (e na qual todo o tempo se constrói), o filme falha em um dos aspectos principais: o desenvolvimento de seus personagens. Não se trata se ser um erro completo, mas assim como na parte anterior, é fácil notar que alguns personagens ficam soltos e confusos na trama (como se fossem meros acessórios esquecíveis), enquanto o filme faz um tremendo esforço para ficar de pé e não desmoronar.

O duo Tom Holland + Jack Gyllenhaal é eficiente junto, mas separados ficam precários (basicamente porque o Holland é um ator ruim mesmo!). Já os outros personagens, parecem que fazem apenas figurações (mesmo que algumas soem como algo mais importante do longo do desenvolvimento do filme). É impressionante ver o quanto boa parte de todo o elenco é mal aproveitado e no quanto algumas performances são caricatas!

O Globo

Uma tentativa falha de fazer a produção se manter como puro entretenimento também não funcionou, porque a ação (que vista apenas nos trailers é bem empolgante) ficou um pouco aquém do esperado (apesar de existirem alguns ótimos momentos e que fazem jus aos filmes do aranha) e além disso, o fato de terem picotado fortemente as cenas mais instigantes foi bem frustrante de assistir... Foram mal dosadas, e acabaram não funcionando da maneira correta.

Em relação a aposta para tentar manter o público intrigado, a inclusão do Mysterio à trama foi relativamente rasa e ficou bem bagunçada (tendo que melhorar muito para se tornar algo verdadeiramente substancial). Sem contar o fato de que ter o Homem-Aranha como "única opção" disponível para defender o mundo (já que existem lutas em diversos lugares da Europa) foi um argumento que não intrigou em nada, e que por sinal, eu achei bem falho.

O diretor Jon Watts parece não ter segurado as rédias e deixou a produção correr solta no seu próprio ritmo e facilmente, tudo saiu do controle (existem momentos onde o filme simplesmente não sabe para onde corre). O resultado não poderia ter sido outro: uma bagunça visual (que por sinal, posta em ótimos efeitos especiais e uma trilha sonora muito boa!), mas que "inexplicavelmente" teve algum sentido quando chegou ao seu final.

R7 | Diversão

Mesmo com todos esses defeitos, eu digo que Homem-Aranha: Longe de Casa consegue ser, de maneira geral, superior ao seu antecessor porque ele trás uma essência mais verdadeira em termos de entretenimento que busca oferecer algo a mais além de "mais um filme de super herói" ao espectador (embora persista em alguns mesmos erros)... Demonstrando que pode acontecer um possível amadurecimento da franquia nos próximos filmes.

View this post on Steeve, an AI-powered Steem interface