A falácia do caráter deflacionário do Bitcoin

in #deflacao5 years ago

Existe um argumento comum contra o Bitcoin que afirma que o fato de que a emissão de moeda é previsível e limitada de forma absoluta resultará em uma moeda deflacionária. Vamos entender isso melhor: como a quantidade de Bitcoins em circulação é limitada, a produtividade da sociedade cresce mais rapidamente do que o número de Bitcoins. Isto quer dizer que no longo prazo o valor do Bitcoin tende sempre a crescer.
O argumento contrário ao Bitcoin sustenta que esta característica implica em uma transferência de riqueza das novas gerações para as antigas, e em especial, de todos para os que mais cedo começaram a acumular Bitcoins. Assim, toda a sociedade estaria remunerando os acumuladores de Bitcoins sem necessariamente ter qualquer retorno.
Existe uma falácia importante nesta argumentação.
Ela supõe que todas as pessoas das futuras gerações e mesmo todas as pessoas exceto os primeiros acumuladores de Bitcoins não tem qualquer escolha sobre a moeda a utilizar. Vamos compreender melhor esta falácia.
Existirão somente 21 milhões de Bitcoins no mundo. Para que somente estes Bitcoins substituíssem todas as moedas atualmente em circulação e mantivéssemos as mesmas transações, um Bitcoin certamente chegaria a valer milhões de dólares. Acontece, no entanto, que este argumento supõe que todas as demais moedas deixarão de existir e teremos somente o Bitcoin.
O mesmo erro ocorre quando afirmamos que o Bitcoin é deflacionário. É certamente verdade que o número de Bitcoins é limitado, mas isto não quer dizer de forma alguma que sempre teremos um crescimento maior da produção transacionada em Bitcoins. Cada pessoa pode transacionar seus bens na moeda que quiser. Na verdade elas são até mesmo obrigadas a não utilizar Bitcoins, mas supondo que sejam livres, podem usar Bitcoins ou quaisquer outras moedas.
Isto quer dizer que a não ser que o uso do Bitcoin seja mais vantajoso para os novos entrantes do que o uso de qualquer outra moeda, estes novos entrantes preferirão utilizar a outra moeda mais vantajosa.
Atualmente já vemos isto na prática. As altcoins já detém cerca de 10% do valor de mercado das criptomoedas, tendo, portanto, retirado 10% do valor que o argumento falacioso supõe que seria do Bitcoin.
Existem importantes motivos pelos quais as pessoas prefeririam o Bitcoin. Em especial, seja qual for o momento no qual você poupe, sempre valerá a pena poupar em uma moeda que provavelmente se valorizará, e a limitação da quantidade de emissão é importante para a valorização (não a garante, mas ao menos não a atrapalha). Por outro lado, existem também razões para escolher moedas pouco valorizadas, em especial uma razão especulativa, já que as moedas de menor valor podem, em princípio, se valorizar mais rapidamente.
Este é o caso do próprio steem, que tem se valorizado rapidamente. Do ponto de vista daqueles que entram agora no mercado, pode ser interessante acumular uma quantidade de uma moeda entrante que pode crescer em participação de mercado.
Enfim, a emissão de moeda do Bitcoin é limitada, mas seu valor não depende de sua emissão e sim de sua aceitação e uso. O valor do Bitcoin só cresce se seu uso e crescer mais do que proporcionalmente do que sua emissão.