#FazendoHistoria | Where The Web Was Born

in pt •  2 months ago

where_the_web_was_born_eu.jpg
Eu estive onde a web nasceu (Arquivo pessoal)

Se você está aqui no Steemit, obviamente está usando a internet. Arrisco-me a dizer que hoje já é bem difícil imaginar um mundo sem web. Concorda comigo?

Em plena era digital — e aqui no Steemit em particular — experimentamos um momento “René Descartes 2.0” onde, em vez de “cogito, ergo sum”¹ , impera a máxima

“Blogo, logo existo”.



Mas você sabe onde, como, e por qual razão nasceu a web?

Na foto² lá de cima, feita em setembro de 2010, estou bem na porta da salinha onde nasceu a web. Eu estava no CERN – Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear em Genebra, na Suíça, participando da Escola de Física do CERN. É no CERN, um dos mais importantes centros de pesquisa do planeta, que fica o LHC – Large Hadron Collider, o maior acelerador/colisor de partículas já feito pelo homem e onde foi detectado o Bóson de Higgs que rendeu Nobel de Física 2013 para o escocês Peter Higgs e o belga François Englert.

Pode parecer estranho, talvez improvável, mas a web nasceu num ambiente de pesquisas em Física Partículas e de Altas Energias!

Ficou curioso? Conto, a seguir, detalhes desta incrível história que mudou de forma drástica o nosso mundo e está provocando a Revolução da Informação, evento em escala mundial de extremo impacto na sociedade que imagino só possa ser comparado ao impacto também contundente provocado pela Revolução Industrial.

Tim Berners-Lee e sua incrível ideia

berners-lee[3].jpg
Tim Berners-Lee, o pai da web, em 1994 Fonte da imagem

Idealizada em 1989 pelo físico britânico Tim Berners-Lee, a WWW, W3 ou World Wide Web nasceu para ser um sistema global de informação em rede para que físicos espalhados por todo o mundo compartilhassem informações em tempo real, criando uma imensa teia de colaboração científica internacional³.

Em 1993 o sistema já era totalmente funcional e foi oficialmente doado para o mundo. Veja abaixo as cópias das duas páginas do documento que oficializa a web como um sistema royalty-free.

where_the_web_was_born_doc.jpg
Documento oficial do CERN doando a web pra humanidade Fonte da imagem

NeXT, o primeiro servidor web

O primeiro servidor web da história foi o NeXT da NeXT Computer fundada em 1985 por Stevie Jobs que havia deixado a Apple. Em 1996 a Apple comprou a NeXT Inc. Company que tinha desenvolvido um sistema operacional próprio, o NeXT Step, base do atual Mac OS X. E Jobs retornou para a Apple como CEO. E o resto desta outra história todo mundo conhece.

where_the_web_was_born_server.jpg
NeXT, o primeiro servidor web Fonte da imagem

Na CPU do NeXT servidor no CERN (imagem acima) havia um recado importante escrito a mão e em vermelho: “Esta máquina é um servidor. Não desligue”. Já imaginou desligar toda a web por um único e simples interruptor? Naquele momento isso era possível.

O nome NeXT da empresa de Steve Jobs já apontava para um futuro “próximo” incrível. Você, que comigo e outros bilhões de seres humanos vive tal momento, há de concordar que experimentamos um período bastante peculiar na história da humanidade!

A web, hoje, é multimídia, banda larga, rodando em telas full HD. E está presente até mesmo em dispositivos móveis. Mas como será que ela era em sua primeira versão? Na foto de Bernes-Lee acima, de 1994, já vemos uma tela colorida. A web, em 1994, já estava um pouco mais avançada. Na época da sua criação, no entanto, os monitores eram do tipo CRT – Cathodic Ray Tube, os tubos de raios catódicos que aceleravam elétrons que, ao se chocarem com a camada de fósforo da tela, emitiam uma luz verde fluorescente bem característica. Nunca viu uma geringonça dessas funcionando? Ficou curioso para saber como era? Clique aqui para abrir um simulador do Line-mode Browser, o primeiro navegador da internet e como ele exibia a home do servidor num monitor monocromático CRT dos anos 80 do século passado.

Pra refletir

blogger-336371_960_720[2].jpg
Usamos o protocolo WWW sem o custo dos royalties graças ao CERN Fonte da imagem

Já imaginou se a Web tivesse sido criada pela Microsoft, pela Apple, ou qualquer outra empresa focada em lucros? A cada vez que nos conectássemos à internet, teríamos que pagar direitos de uso para o dono da patente do protocolo WWW!

Graças ao CERN, temos uma rede mundial que nos conecta. E quando a acessamos, usando um computador ou um dispositivo móvel, pagamos para um provedor apenas o custo do acesso, ou seja, o uso da infraestrutura de comunicação. O protocolo WWW é royalty-free.

O serviço, em particular aqui no Brasil, já é bem caro! Seria ainda mais caro e talvez financeiramente inviável para um usuário doméstico se tivéssemos que pagar royalties ao inventor do protocolo.

Arrisco-me a dizer que, com essa diferença de custos, talvez a internet tivesse tomado outro rumo e não fosse tão popular entre pessoas físicas. Talvez nunca tivéssemos blogs pessoais, tampouco estaríamos experimentando a explosão das redes sociais. E, dentro do mesmo raciocínio, pode apagar a inapagável blockchain da nossa história também!

Será que há exemplo mais contundente do que este de que a ciência, direta ou indiretamente, tem a incrível capacidade de mudar radicalmente o mundo? A história da humanidade pode (e deve) ser dividida, sem medo, em a.W3 e d.W3 (antes e depois da W3). Concorda?

Custo ou investimento?

money-2724241_960_720[1].jpg
Ciência, além de conhecimento, gera tecnologia. E tecnologia gera dinheiro. Fonte da imagem

Quem gosta de Ciência e conhece bem o CERN e a sua importância no cenário da Física de Partículas e Altas Energias não precisa de nenhuma justificava para os enormes investimentos que lá já foram feitos. O CERN tem uma história de décadas de um sucesso atrás do outro. Por meio do gigante CERN adquirimos uma enorme quantidade de conhecimento científico original e, de “brinde”, muita tecnologia nas áreas da eletrônica, da computação, dos eletroímãs supercondutores e, obviamente, dos aceleradores de partículas. Praticamente tudo o que nasceu para servir à pesquisa de ponta e muito específica tem hoje aplicações amplas em diversas outras áreas.

Em Medicina, só para citar um exemplo importante e diretamente ligado às nossas vidas, muitos equipamentos utilizados em diagnósticos por imagem fazem uso de tecnologia desenvolvida para os aceleradores de partículas e em especial para o LHC. Estes exames por imagem revolucionaram a forma como os médicos podem antecipar tratamentos a ponto de conseguir resultados mais eficazes, o que tem impacto direto na qualidade de vida das pessoas.

Por isso digo sem medo algum de errar que, ainda que o CERN fosse um fracasso em pesquisas, a invenção da web por si só já justificaria todo o dinheiro que lá foi e continua sendo investido. É a ciência da melhor qualidade fazendo história!




Abraço do prof. Dulcidio. E Física & História na veia!



Este texto faz parte da primeira edição do #FazendoHistoria, projeto colaborativo do @leodelara que nasceu para agitar a comunidade #pt do Steemit. Que assim seja!


Referências:
[1] The birth of web: https://home.cern/topics/birth-web
[2] The document that officially put the World Wide Web into the public domain on 30 April 1993. : https://cds.cern.ch/record/1164399
[3] Nobel Prize 2013: https://www.nobelprize.org/nobel_prizes/physics/laureates/2013/



NOTAS

¹ “Cogito, ergo sum”, do latim, frase de autoria de René Descartes , quer dizer “penso, logo existo”, ou como querem alguns teóricos mais rigorosos, “penso, logo sou”.

² Na foto estou com cara de cansado. E não é para menos! Eu havia feito um voo noturno na madrugada de um sábado com duração 12 h de São Paulo para Frankfurt. Em seguida, depois de passar pela imigração na Alemanha e entrar oficialmente na Europa, outro voo Frankfurt-Genebra. Cheguei no hotel em Saint-Genis-Pouilly, um vilarejo no Sul da França, a 3 km do CERN, de ônibus, bem no final da tarde de sábado. E o curso no CERN começou logo no domingo de manhã quando, passando diante da sala de Tim Berners-Lee, não resisti e parei para tirar a foto, ainda confuso pelo jet lag e destruído pela longa viagem. Se quiser saber mais detalhes sobre a inesquecível experiência de ter feito um curso de capacitação no CERN, neste post, onde me apresento (#introducemyself), falo desta inesquecível experiência.

³ Na época, o principal acelerador do CERN era o LEP - Large Electron-Positron Collider, precursor do LHC - Large Hadron Collider. O LHC reaproveitou o túnel circular subterrâneo de aproximadamente 27 km de circunferência e 100 m de profundidade feito para abrigar o LEP.

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

Parabéns, seu post foi selecionado para o BraZine! Obrigado pela sua contribuição!
BraZine.png

Boa, professor! A gente liga aos militares a criação da rede, mas a web mesmo é cria do Tim Berners-Lee, né? :D Ainda lembro quando descobri a existência de páginas e mais páginas de informação através de uma conexão de placa fax-modem à linha telefônica, era bom demais pra ser verdade :P Quem imaginaria a revolução que estava por vir? Graças à Ciência :) Hehehehe! Obrigado por compartilhar ;)

·

Eu que agradeço a sua presença constante por aqui sempre comentando e contribuindo pra coisa andar! Show!


Sim, o Berners-Lee é o pai da criança. Um ou outro lugar herdou infra-estrutura física dos militares. Mas a ideia nasceu no CERN. E virou realidade lá mesmo, para integrar os cientistas de todo o globo.


Você é bem jovem. Chegou a conhecer uma BBS (Bulletin Board System)? Nela os computadores se conectavam por modem via telefone. Foi um pouco antes da internet discada. A primeira vez que entrei numa BBS pirei. Baixar arquivos, conversar via chat (ainda na tela preta do DOS)... Demorava uma eternidade para baixar qualquer coisa. Mas era sensacional!


O que vivemos hoje era ficção até bem pouco tempo. Sou maluco por este mundo incrível. Se soubermos usá-lo, daremos um enorme salto enquanto humanidade. Não tenho certeza se isso vai acontecer. Se acontecer, talvez não seja tão rápido. Tomara que sim, que aconteça e em breve!


Abraço. E Física na veia!

·
·

Bbs era lindo. IRC, Netscape, Linux kernel 1.0 kkkk windows 95/98 kkkk

Posted using Partiko Android

·
·
·

Hehehehehe
Tive estúdio nos 90's. Compunha trilhas rodando num 486 DX4 com Win3.11. O "milagre" estava numa placa dedicada da Turtle Beach que hoje perde pra qualquer placa de audio nativa de placa mãe meia boca. Até hoje fico pensando se isso foi mesmo possível um dia! Só quem viveu tudo isso acredita! :)

·
·
·
·

Realmente, na época que estudava engenharia eletrônica ( acabei largando para ir para computação ) lembro de fazermos um esquema de cabo coaxial na república para fazer um sistema de tv interno + rede interna para dividirmos a internet ( era conexão via linha discada ) hahahaha
Era uma época muito divertida, onde as pessoas pareciam letrinhas ( IRC ).
Realmente tem hora que fico pensando como eu consegui viver anos com 32M de RAM hahahaha

·
·
·
·
·

hahahaha Gambiarras didáticas! Aposto que aprenderam bastante com estes 'experimentos'!


“640 K é mais do que suficiente para qualquer um.”
Bill Gates, em 1981.
Quando eu tinha estúdio, nos 90's, vi uma matéria na TV com um estúdio ultra profissional que tinha 2 Gb de memória RAM. Babei! No computador do meu estúdio eram alguns megas apenas. Hoje tenho 6 Gb de RAM no meu celular. Loucura total! :D

Parabéns, seu post foi selecionado pelo projeto Brazilian Power, cuja meta é incentivar a criação de mais conteúdo de qualidade, conectando a comunidade brasileira e melhorando as recompensas no Steemit. Obrigado!

footer-comentarios-2.jpg

Olá, tudo bem? Parabéns por seu post, obrigado por usar nossa nova tag #fazendohistoria e é claro por participar do Desafio! Ficou incrível @fisicanaveia somada à história!

Que a Deusa Fortuna esteja do seu lado!!

Assinatura #fazendoHistória
Saiba mais no Steem.Center!

·

Obrigado @leodelara!
Vida longa ao projeto #fazendohistoria!

·
·

Vida longa!

Excelente texto, quando a Internet começou a "dominar" o mundo eu era apenas um adolescente, mas ainda lembro de algumas coisas contidas nesse texto. Maravilhoso relembrar tudo isso, obrigado.

·

Obrigado @antigourmet!
Acompanhar toda esta evolução está sendo incrível, não?
Abraço. E Física na veia!

·
·

Sim, é sensacional ver isso acontecendo. Tenho uma filha de 15 anos e por algumas vezes ela já me perguntou como que vivíamos sem internet, kkk.
Hoje as crianças já nascem praticamente com um Smartphone na mão e muitas vezes nem sabem como ou onde começou tudo isso.

·
·
·

Um adolescente já nasce hoje com tudo isso pronto e não tem ideia de onde tudo isso veio.
Sou do tempo que as famílias compravam disco de vinil e sentavam na sala pra ouvir o LP (long play) na vitrola. Tocava um lado. Acabava. Tinha que virar o disco pra ouvir o lado B. Aí veio a fita k7. Dava pra ouvir música no carro sem te que usar o rádio. Surgiram os toca-fitas para carro. Aí inventaram o toca-fitas auto-reverse que, com uma fita k7 maior, de 45 min de cada lado, dava pra ouvir 90 min de música sem parar porque ele virava o cabeçote de leitura automaticamente para ler o outro lado da fita k7.
Hoje a molecada compra faixas separadas de um disco pela internet. Adquire apenas o que quer ouvir. Ou baixa pelos diversos caminhos, sejam legais ou não. Grava no smartphone e carrega as músicas que gosta para onde quiser.
Eu mesmo assinei Spotify e agora ouço o que quero, quando quero, em qualquer lugar, inclusive no carro. O mundo mudou muito em muito pouco tempo!

·
·
·
·

Lembro bem dos LP's, foram os primeiros AC-DC que ouvi, lembro também das fitas K-7, eu tinha um walkman e andava com uma caneta para rebobinar as fitas e economizar pilha..kkkk, era muito bom.
Tinham os vídeos K7 também, o pessoal de hoje nem imagina o que é, lembro que na época eu tinha 2, enquanto um passava o filme o outro gravava. E as locadoras, existiam locadoras de filmes, hoje tem Netflix, Prime Video e tantos outros.
Gosto do tempo em que vivemos, mas as vezes bate uma saudade dos tempos antigos.

·
·
·
·
·

Hahahaha Rebobinar fita k7 com caneta é o clássico dos clássicos!
Sim, videocassete, locadora, foi uma revolução na época. Poder ver filme em casa, na TV. E o aparelho era tão caro que tinha consórcio de videocassete. Eu entrei no consórcio e peguei o meu logo no segundo sorteio! Era um G21 Panasonic, o top dos tops! Final de semana era correria na locadora para alugar filmes.
Quem diria que teríamos música e vídeo por acesso não linear?! Não tem que rebobinar nada porque a gravação não é mais numa mídia analógica, linear. Agora acessamos qualquer ponto da música ou do vídeo a qualquer momento.