Parte 2 - A Breve História do Existencialismo: V - Existencialistas Humanistas - Rollo May

in philosophy •  11 months ago 

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Parte 2 - A Breve História do Existencialismo: V - Existencialistas Humanistas - Rollo May

"A Angústia não resolvida leva ao conformismo, inação e depressão." - charlie777pt

1 - Introdução


Este post era para falar de dois conhecidos humanistas, Rollo May e Abraham Maslow, mas decidi que tinha de o dividir em dois artigos, porque estes autores foram uma parte que estudei mais profundamente na minha educação universitária e porque influenciaram muitas teorias em psicologia social, razão pela qual têm de ser estudados separadamente, para que os leitores compreendam melhor os seus pensamentos.
Vou começar com uma citação que devia ser o lema das comunidades do Steemit do blockchain:

"A comunicação leva à comunidade, isto é, à compreensão, intimidade e valorização mútua." - Rollo May

As pessoas vivem em valores materialistas baseados na segurança, e perdem a vida por ela, porque ser rico é ser livre para buscar a Verdade e a liberdade no impossível, para transformá-la numa utopia realizável do nosso destino.

A nossa transformação interior leva à autonomia e á autodeterminação, e essa transformação interior contamina a realidade que nos rodeia, com o mesmo vírus benigno daqueles que procuram uma saída, mas que certamente amedrontará aqueles que não querem desmascarar o seu Ser e a moral ditada por uma sociedade centralizada, que temem a liberdade e odeiam qualquer mensageiro infectado com esta mensagem.

"Muitas pessoas sofrem com o medo de se encontrarem sozinhas e, assim, não se encontram." - Rollo May no livro "A Busca do Homem por si mesmo"

Rollo May tinha uma visão diferente sobre o desenvolvimento dos estádios psicossexuais de Freud, que para ele era mais focada nos principais pólos de tendências em jogo, na vida de cada pessoa:

  • A Inocência do estado de autoconsciência do pré-ego e dirigirá orientada pelas necessidades.
  • A Rebelião de um ser humano livre e disposto a desejar sem o sentido do contrapeso da responsabilidade.
  • O Ego ordinário (comum) do adulto consubstanciado pelo conformismo normalizado, para evitar o trabalho de adquirir o conhecimento da responsabilidade.
  • O verdadeiro adulto criativo, que se auto-constrói, no estágio existencial, livre das correntes do egocentrismo e do etnocentrismo.

A visão de Rollo incorpora uma forte influência do existencialismo, e estes estágios simultâneos, jogam em interação dialética e em iteração, desde a infância até o adulto, durante toda a nossa vida.

"O oposto da coragem na nossa sociedade não é cobardia, é conformidade." - Rollo May

     2 - Rollo Reese May (1909-1994)

Rollo May era um terapeuta existencial que foi influenciado pelo humanismo norte-americano da livre expressão e da liberdade pessoal, e que trás a compreensão do existencialismo europeu ao publico americano.
Ele estava interessado em reconciliar a psicologia existencial com outras filosofias, especialmente Freud e as teorias da psicologia humanista, incluindo a sua forte influência de Paul Tillich, que ele expressa no seu livro The Courage to Be, The Courage to Create (1975), e juntamente com com Viktor Frankl ele cria a psicoterapia existencialista.

A sua infância não foi fácil, num ambiente com pais que não se davam bem, tendo inclusivé a sua irmã sofrido um dirupção psicótica.

Ele sempre identificou Otto Rank (1884-1939) um membro do círculo de Freud, como a inspiração para a terapia existencial e realmente fez uma análise mais profunda das dimensões humanas da vida do que Abraham Maslow e encarnou os ideais existenciais de Erich Fromm da auto-expressão e do livre arbítrio.

Rollo May tinha um ascendente teórico de Søren Kierkegaard, no conceito de ansiedade e isolamento que foi alimentado pela sua experiência de tuberculoso internado num sanatório, em que teve de lidar com a angústia do medo e da ansiedade de uma doença mortal, tendo concluído que a Angústia e é o alimento do desenvolvimento e do crescimento individuais, a escolha entre o conformismo ou a coragem de dignificar a nossa liberdade e superar a ansiedade pelo medo diante dos obstáculos da vida.

"Ansiedade é a vertigem da liberdade" - Søren Kierkegaard

Em seu livro Amor e Vontade, ele distingue alguns tipos de amor agindo como um todo, nas condutas humanas sobre amor e sexo:

  • A Libido como uma função biológica para conseguir atos sexuais e liberar tensões.
  • O Eros, que procura um relacionamento amoroso mais psicológico e gratificante, incluindo o desejo de procriar.
  • A Philia, como a intimidade da amizade normal de uma unidade não sexual.
  • O Ágape é o reconhecimento, a honra e o amor pelos nossos companheiros humanos sem interesses materialistas.
  • O Maníaco, é a tempestade de sentimentos emocionais flutuantes entre extremos, criando relacionamentos celestes e infernais ao mesmo tempo .

Ele sempre apontou a geração dos anos 60 cometeu o erro de confundir "sexo livre", alimentado pela propaganda do comércio sexual e da pornografia da época, com amor livre, porque seguir nossas próprias pulsões e impulsos não leva à liberdade.

“O ódio não é o oposto do amor; apatia é.”- Rollo May

Pode também analisou a Culpa como a autonegação para explorar as nossas capacidades, entender as necessidades do outro, e que somos Um neste mundo, para lidar com nossa existência como uma parte natural do Ser e que é alimentado pela inconsciência do mundo ao redor que é cada vez mais potencializado pela moderna sociedade apressada.

Vivemos em permanente Ansiedade pelas ameaças ao nosso ser e à nossa vida, mas que é o vórtice de onde emana toda a força do crescimento interior como essência do viver.
Maslow dstinguiu a ansiedade normal da ansiedade neurótica, sendo esta última uma conseqüência da recusa em encarar a ansiedade que diminui a liberdade pessoal, porque a ansiedade neurótica cria mecanismos de defesa e reações emocionais desproporcionais ao estímulo das ameaças do perigo objetivo.

Então, este é o fim deste longo post dedicado a Rollo May, para terminar o assunto do humanismo existencialista com o próximo artigo sobre Abraham Maslow.

"A depressão é a incapacidade de construir um futuro." - Rollo May

Até lá, aja sobre a realidade, conhecendo-se a si mesmo, como uma alquimia para mudar a sua Existência e vê-la projetada no mundo ao seu redor.


Origem da fotografia: Wikipedia

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

Introdução à Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

I - Anarquismo

II - Existencialismo

Próximos posts da Série:
II - Existencialismo(Cont.)

  • O que é o Existencialismo?(Cont)
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo: V - Humanismo Existencialista - Abraham Maslow
    • Parte 2 - História Breve do Existencialismo: VI - Pós -Estruturalismo
    • Parte 3 - A Filosofia do Existencialismo : I - O significado do Sem Sentido
    • Parte 4 - O Medo da Liberdade de Erich Fromm
  • Os "Existencialistas"
    • Part 1 - Os Jogadores e os Tempos
    • Part 2 - Jean Paul Sartre - O Homem do Século XX
  • Humanismo e Existencialismo
  • Existencialismo e Anarquismo
  • O Futuro: Pós-Humanismo, Transumanismo e Inumanismo

III - Descentralismo

  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo

IV - Dialética da Auto-Libertação

  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • Psicadelismo e movimentos Libertários e Artísticos
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico

Referências:

- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Piotr Kropotkin - O surgimento do anarquismo
Colectivismo vs. Individualismo
Índice do Capítulo 1 - Anarchism desta série

Livros:
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Sarah Bakewell, At the Existentialist Café: Freedom, Being, and Apricot Cocktails with with Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty, and Others
Levy, Bernard-Henry , O Século de Sartre,Quetzal Editores (2000)
Jacob Golomb, In Search of Authenticity - Existentialism From Kierkegaard to Camus (1995)
Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Advanced Industrial Society
Louis Sass, Madness and Modernism, Insanity in the light of modern art, literature, and thought (revised edition)
Hubert L. Dreyfus and Mark A. Wrathall, A Companion to Phenomenology and Existentialism (2006)
Charles Eisenstein, Ascent of Humanity
Walter Kaufmann, Existentialism from Dostoevsky to Sartre (1956)
Herbert Read, Existentialism, Marxism and Anarchism (1949 )
Martin Heidegger, Letter on "Humanism" (1947)
Friedrich Nietzsche, The Will to Power (1968)
Jean-Paul Sartre, Existentialism And Human Emotions
Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo
Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense
Michel Foucault, Power Knowledge Selected Interviews and Other Writings 1972-1977
Erich Fromm, Escape From Freedom. New York: Henry Holt, (1941)
Erich Fromm, , Man for Himself. 1986
Fyodor Dostoevsky, Notes from Underground
Rick Roderick, Self under Siege Guidebook: The Self Under Siege – Philosophy in the 20th Century (1993)
About Rick Roderick and the videos : http://rickroderick.org/

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

Muito bom. Esses autores tenho pouco contato, no entanto é sempre bom poder ver outras perspectivas, que em fundamentos, me passam a impressão que todas se encontram. Esses dias, estava pensando e até trouxe um pouco aqui, como a ansiedade passou a ser cada vez menos suportada, quase sinônimo do patológico. Um ciclo vicioso de diferentes fatores, reforçados pelo positivismo do saber médico, e distanciamento do entendimento da alma humana. Faz parte do meu dia a dia, solicitações de medicações que irão dar conta dos problemas da vida, e é muito difícil estar nessa posição de explicar que não existe essa medicação, já que muitos colegas prescrevem algo para evitar esse desconforto.

Interessante essa diferenciação do amor por Rollo May. Me parece que o mesmo seguiu a segunda tópica da teoria freudiana. A que ficou mais conhecida e trabalhada por muitos especialistas. Acredito que Freud serviu e serve de referência de aprendizado para qualquer pessoa até hoje, me é prazeroso lê-lo. É muito bonito quando o mesmo traz o amor de Eros, e a dificuldade das pessoas entenderem isso. A recusa talvez do próprio amor. Ou mesmo experiência vivencial na própria pulsão de morte, como vivemos hoje no Brasil, dificulte ver além. Sem ver além, não há esperança, não há futuro, só resta apatia, sofrimento.

E caímos nos fundamentos do poder da palavra, de encontrar significados para a angústia e ansiedade. De encontrar alguém disposto ao diálogo, ao lugar da fala, da compreensão. Sem cair no viés da desresponsabilização de cada um pela própria vida, suas funções e atos. Como você disse, serve a todos nós, principalmente aqui em uma rede social, muito bom. Obrigado pela texto e reflexão. Deixarei a frase que você trouxe que resume isso tudo.

"A comunicação leva à comunidade, isto é, à compreensão, intimidade e valorização mútua." - Rollo May

Mais um vez é um prazer ler comentários enriquecedores.
Só hoje vi que não tinha feito post da minha resposta a este comentário, mas aqui vai.
Pelo que vi a maioria das pessoas medicadas perdem a capacidade de olhar para dentro e são separadas da solução dos seus problemas, e mais tarde tem de ser tratadas para abandonar os medicamentos prescritos
Um amigo meu pagou cinco anos de psiquaitra para receitar Ritalina para o filho e agora vai pagar 5 anos mais para ele desentoxicar.
A compreensão de nos pormos no lugar do outro é muito difícil hoje, mas a grande solução foi-nos dada pela anti-psiquiatria.

Há cerca de 225.000 crianças a serem medicadas com Ritalina em Portugal, numa população de 10 milhões de pessoas????..Loucura!!!
A manipulação dos laboratórios aqui é perfeita, pois até os psicológos hoje querem as crianças a Ritalina.
No meu próximo post sobre o pós-estruturalismo e irei abordar a linguagem e suas relações com a ordem do simbólico, como a ligação entre os homens, que os influencia mutuamente e transformam a Realidade, e ao mesmo tempo esta influencia a palavra.

philosophy is very amazing my friend,i like your post,i support and agree your works,success is always,@charlie777pt