#FILMOTECA# - "Uma Quase Dupla" (2018)

in filmoteca •  10 days ago

Fonte: Divulgação (Arroba Nerd)

Sinopse: Uma série de assassinatos abala a rotina da cidade de Joinlândia, e o subdelegado Claudio recebe a ajuda da destemida e experiente investigadora Keyla. No entanto, a diferença de ritmo e a falta de química dos dois só atrapalha a solução do caso.

Uma das "fórmulas" mais exaustivamente utilizadas no cinema é aquela onde dois personagens com personalidades completamente opostas - e que naturalmente não se entenderiam - são colocados lado a lado (como se daquele momento me diante, eles se tornassem dependentes um do outro) para elucidar algum tipo de problema. Nesta nova comédia made in Brasil, o tema é exatamente o mesmo... E apesar do esforço em querer entregar algo diferente, acabou dando um belo tiro na água.

Fonte: Divulgação (Observatório do Cinema)

Dentre os diversos problemas que esse filme tem, o que mais chama a atenção é a falta de coerência no roteiro. Não é porque trata-se de uma comédia, que a inteligência do telespectador tem que ser ignorada. Talvez, pelo fato da própria narrativa se levar a sério demais, os furos na trama que vão sendo colecionados assim que a projeção avança ganham um peso ainda mais negativo... Evidenciando a falta de tato na construção da história (e também dos péssimos personagens).

Seguindo o bonde dos erros, chega a vez do elenco. Sinceramente, eu não sei o que foi pior de assistir: Tatá Werneck gastando o pouco do talento que tem com piadas majoritariamente sem graça dando vida a um personagem extremamente cansativo ou Cauã Reymond tentando ser "comediante" fazendo um papel de planta o filme inteiro na pele de um personagem totalmente desinteressante e monótono. Além deles, o elenco de apoio é extremamente caricato e também não tem boas piadas (com exceção de um único personagem que trabalha com telemarketing, concentrando a melhor piada do filme inteiro).

Fonte: Divulgação (Blah Cultural)

Os estereótipos do policial durão e intransigente (Werneck) e do policial abobalhado e sensível (Reymond) beiram a uma caricatura mal feita, tamanha é a falta de naturalidade deles em cena. Os personagens não funcionam (basicamente porque não eles não tem nenhum tipo de aprofundamento narrativo sensato) e carecem de uma boa de carisma, para no mínimo, tentar conquistar alguma atenção do público (pelo menos daqueles mais exigentes).

Quem comanda essa bagunça indigesta é Marcus Baldini. Sem demora, ele logo mostra a sua falta de tato para lidar com esse gênero cinematográfico (algo que fica evidente desde o início do filme, por exemplo, quando ele insiste em focar nas gafes cometidas por um dos protagonistas de maneira irritantemente constante). Além disso, ele parece ter apenas gritado "Ação!', e em seguida, deixado a coisa correr solta sem o menor controle... Resultando na confusão que esse filme consegue ser.

Fonte: Divulgação (Bol)

Achou pouco? Segura que tem mais coisa ruim chegando: edição de cenas. A trama vai e volta entre lugares desconexos, e insere personagens aleatórios (aqui o roteiro tem um culpa consistente também) de maneira quase excessiva, fazendo com que eles não ganham o destaque que deveriam. Apesar de um acerto ou outro, o trabalho na edição do filme é bem fraco porque os acontecimentos saem dos trilhos constantemente (às vezes, até ao ponto da história nem fazer mais sentido).

Creio que as únicas qualidades do filme que se destacas (ou melhor, quase grita na tela!), são o fato do projeto ser mais cria da TV Globo e não ser infestado pelas infames participações especiais de cantores, apresentadores, modelos, youtubers e personalidades afins e a produção (que de maneira geral é acima dos filmes desse padrão). Nesses contextos (algo que deve ser levado em consideração, considerando os inúmeros pontos fracos desse projeto), o filme se diferencia demais das comédias tupiniquins atuais.

Fonte: Divulgação (Loucos por Filmes)

Uma Quase Dupla é mais uma falha tentativa do Brasil em querer persistir no mesmo erro ao retratar temáticas repletas de clichês de maneira trivial (apesar de um esforço ou outro em querer mostrar uma linha de pensamento diferenciada), sem ao menos apresentar um único segmento novo que realmente funcione (ou seja, que realmente seja engraçado).

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!