Porque uma mudança climática catastrófica é agora provavelmente inevitávelsteemCreated with Sketch.

in aquecimento •  11 months ago  (edited)

1_SldrrNUZg1Lhp8pZiwNZuA.jpeg

Como o Capitalismo Incendiou o Planeta Implodindo em Fascismo

Por Umair Haque.
Originalmente publicado em [https://eand.co/how-capitalism-torched-the-planet-and-left-it-a-smoking-fascist-greenhouse-fe687e99f070] em 10 de outubro de 2018

Algumas vezes, quando escrevo ensaios assustadores, lhes encorajo a não lê-los. Esse é diferente. Será brutal, assustador, chocante e alarmante. Mas se você quiser meus pensamentos sobre o futuro, então leia.
Parece-me que o destino do planeta está agora provavelmente selado. Temos apenas uma década para controlar a mudança climática - ou adeus, um nível desconhecido de catastrófico, inescapável e descontrolado aquecimento é inevitável. A realidade é: Nós provavelmente não vamos conseguir. É altamente duvidoso nessa conjuntura que a humanidade vá ganhar a luta contra a mudança climática.
Mas isso é por uma razão muito inesperada - mesmo que perfeitamente previsível: a repentina explosão do fascismo global - que, por sua vez, é uma consequência do fracasso do capitalismo como modelo de ordem global. Se, quando, o Brasil eleger um neofascista que planeja arrasar e vender a Amazônia - os pulmões do mundo - então como você supõe que a luta contra o aquecimento será vencida? Será recuado por décadas - décadas ... que não temos. O mais novo juiz da Suprema Corte dos Estados Unidos já está derrubando leis ambientais - em seus primeiros dias no cargo - mas ele estará no cargo por toda vida ... além de um presidente que não apenas dizimou a EPA (Agência de Proteção Ambiental em inglês), mas a entulhou com o tipo de tolo delirante que acha que o aquecimento global é uma farsa. Mais uma vez, o mundo está retrocedendo em décadas... que não tem. Você entende meu ponto agora? Deixe-me torná-lo mais preciso.
Meus amigos, uma mudança climática catastrófica não é um problema para os fascistas - é uma solução. O mais perfeito, letal e eficiente meio de genocídio em toda a história, ponto final. Quem precisa construir um acampamento ou uma câmara de gás quando a inundação e o furacão farão o trabalho sujo de graça? Por favor, não confunda isso com conspiração: a mudança climática está perfeitamente de acordo com a crença fundamentalista fascista de que apenas os fortes devem sobreviver, e os fracos - os sujos, os impuros, os imundos - devem perecer. É por isso que os neofascistas não levantam um dedo para parar a mudança climática - mas fazem tudo o que podem para de fato acelerá-lo, e evitam todo esforço para reverter ou mitigá-lo.
Mas quero contar a triste, estranha e terrível história de como chegamos aqui. Chame isso de lamento por um planeta, se quiser. Você vê, não muito tempo atrás, nós - o mundo - estávamos otimistas de que a mudança climática poderia ser gerenciada, pelo menos de alguma forma. Os piores impactos provavelmente evitados, antecipados, evadidos - se trabalhássemos juntos como um mundo. Mas agora não estamos tão certos disso. Por que é assim? O que aconteceu? O fascismo aconteceu - precisamente no momento errado. Isso destruiu todos os nossos planos. Mas o fascismo aconteceu porque o capitalismo falhou - fracassou pelo mundo, mas foi vastamente bem sucedido para os capitalistas.
Agora, esta será uma história sutil, porque eu quero contar a você como deveria ser dito. Deixe-me começar com um exemplo e diminuir o zoom a partir daí.
O mundo está no meio de uma grande extinção em massa - uma das poucas na história. Agora, se tivéssemos sido sérios, em algum momento, realmente, sobre a prevenção da catástrofe climática, teríamos feito um esforço para “precificar” essa extinção - com um novo conjunto de medidas globais para o PIB e lucro e custos e tarifas e impostos e assim por diante. Mas nós não o fizemos, então todos esses seres mortos, esses animais e plantas e micróbios e coisas assim - coisas estranhas e maravilhosas que nunca saberemos - são "despropositados" na economia tola e autodestrutiva que fizemos. A vida é literalmente livre para o capitalismo e, portanto, o capitalismo abusa e destrói naturalmente, a fim de maximizar seus lucros, e é assim que você consegue uma extinção em massa espetacular, sinistra e sombria em meio século, dentre cinco em toda a história anterior.
Mas a vida biológica não foi o único custo não pago - a "externalidade negativa" - do capitalismo. Foi apenas um. E esses custos não pagos não seriam aditivos: eles se multiplicariam, exponenciariam, se emaranhando em si mesmos - de maneiras que achamos impossível desvendar. (E tudo isso foi o que economistas e pensadores, especialmente americanos, pareciam assoviar e ir embora, sempre que alguém sugeria isso.)
Veja, o capitalismo prometeu às pessoas - as classes médias que vieram para formar o mundo moderno - vidas melhores. Mas não tinha a intenção de entregar - seu único objetivo era maximizar os lucros para os donos do capital, não para tornar qualquer um mais rico em um só. Então, primeiro, comeu através das cidades e comunidades das pessoas, depois através de sistemas sociais, depois através de suas economias e, finalmente, através de suas democracias. Mesmo que as rendas das pessoas "subissem", inteligentemente, os preços que pagavam pelas mesmas coisas que o capitalismo lhes vendeu de volta com a outra mão, as mesmas coisas que eles estavam ocupando produzindo, aumentaram ainda mais - e assim as classes médias começaram a estagnar, enquanto a desigualdade explodiu. Vamos especificar os custos não pagos em questão: confiança, conexão, coesão, pertencimento, significado, propósito, verdade em si.
Estes eram custos sociais - não ambientais, como a extinção em massa acima. E vou fazer o link entre os dois claro em apenas um momento. Primeiro quero que você entenda o efeito deles.
Um sentimento de frustração, de resignação, de pessimismo veio varrer o mundo. As pessoas perderam a confiança em seus grandes sistemas e instituições. Eles se afastaram da democracia e do autoritarismo, em uma grande e estrondosa onda, que inclinou o globo em seu próprio eixo. A onda ondulou para fora do maior epicentro da estupidez humana da história, os Estados Unidos, como um tsunami supersônico, cruzando a Europa, alcançando as costas da Ásia, rumando para o sul, rumo ao Brasil, chegando longe na Austrália. As nações caíram como dominós para uma nova onda de fascistas, que proclamavam as mesmas coisas que os antigos - reichs e acampamentos e reinos dos puros. As pessoas começaram a virar-se contra os que estavam abaixo deles - o impotente, o diferente, o mexicano, o judeu, o muçulmano - na busca pelo senso de superioridade e poder, a fortuna e a glória, o capitalismo havia prometido, mas nunca entregado.
Os capitalistas ficaram ricos - inimaginavelmente ricos. Eles eram mais ricos que reis de antigamente. Mas o capitalismo implodiu no fascismo. A história riu da tolice das pessoas que mais uma vez acreditaram, como as crianças pequenas ouvindo um conto de fadas, que o capitalismo - que dizia às pessoas para explorar e abusar umas das outras, não se manterem próximas, mortais e frágeis - era de alguma forma vai beneficiá-los.
Agora. Deixe-me ligar os pontos dos custos sociais e ambientais não pagos do capitalismo, e como eles estão ligados, não aditivamente, 2 + 2 = 5, mas com a matemática da catástrofe.
Quando contarmos a história de como o capitalismo implodiu no fascismo, será mais ou menos assim: os custos sociais do capitalismo significaram que a democracia entrou em colapso no neofascismo - e o neo-fascismo tornou improvável, se não totalmente impossível, que o mundo pudesse fazer qualquer coisa sobre a mudança climática, na pequena janela que havia deixado, na junção precisa que precisava para agir mais. Você vê a conexão? A terrível e trágica ironia? Quão engraçado e triste é isso?
Os custos sociais do capitalismo não eram apenas aditivos aos custos ambientais - eles eram mais como multiplicativos, como uma grande inundação, encontrando um grande furacão. Os custos sociais exponenciaram o ambiental, tornando-os agora impossíveis de reduzir, pagar, endereçar, gerenciar. 2 + 2 não é igual a 4 - é igual ao infinito, neste caso. Ambos juntos fizeram um sistema que saiu do controle. Wham! O destino do planeta estava sendo selado, pelo capitalismo implodindo em fascismo - o que significava que um mundo em desintegração dificilmente poderia trabalhar em conjunto para resolver seu maior problema de todos.
Deixe-me aguçar tudo isso um pouco. Em 2005, depois de uma grande disputa, grande parte do mundo havia concordado em um plano para reduzir as emissões de carbono - o Protocolo de Kyoto. Foi apenas quase o suficiente - quase - imaginar que um dia a mudança climática poderia ser diminuída e reduzida o suficiente para ser administrável. Ainda assim, havia uma notável resistência - como de costume, os EUA. Agora, neste ponto, o mundo, que estava em um lugar muito diferente politicamente do que é hoje, imaginou que, com as disputas diplomáticas e as corridas de cavalos de sempre, talvez, apenas talvez, fosse fazer o trabalho. E ainda em 2010, o objetivo de tudo isso, que era criar um sistema global de precificação de carbono, ainda não havia sido alcançado - em grande parte graças à América, cuja devoção inabalável ao capitalismo significava que tal coisa era simplesmente politicamente impossível. Então, a essa altura, o mundo estava para trás - e, ainda assim, pode-se imaginar um tipo de sucesso. Talvez um presidente americano aparecesse e fosse sensato. Talvez o progresso estivesse indo na direção certa, geralmente. Afinal, lentamente, o mundo estava avançando, em direção a menos emissões de carbono, para um pouco mais de cooperação, aqui e ali.
E então - Bang! A América foi a primeira nação a cair na onda neofascista. Em vez de um presidente que poderia ter levado o país a um futuro descarbonizado, os americanos elegeram o rei dos idiotas (não, por favor, não me venha com apologia ao colégio eleitoral). Esse rei dos idiotas fez o que os reis dos idiotas fazem: ele leonizou, de todas as coisas ... carvão. Ele questionou se a mudança climática era ... real. Ele empacotou o governo com lobistas e amigos que estavam muito felizes em ver o mundo queimar, se isso significasse uma cobertura com vista para um afogado Central Park. Ele terminou com aliados, amigos e parceiros. Você vê o ponto? A ideia de um futuro descarbonizado foi repentinamente invertida. Tinha sido uma possibilidade ontem - mas agora, estava se tornando uma impossibilidade.
Antes da onda neofascista, o mundo poderia de fato "resolver" a mudança climática. Talvez não no duro sentido de que a vida iria continuar amanhã como acontece hoje - mas no sentido suave de que os piores e mais cruéis cenários eram em sua maioria extravagantes ficções científicas. Isso porque, antes da onda neofascista, poderíamos imaginar nações cooperando, de forma lenta, relutante, de maneira fragmentada, em relação a coisas como proteger a vida, reduzir o carbono, precificar o meio ambiente e assim por diante. Essas coisas só podem ser feitas através da cooperação global, afinal.
Mas depois da onda neofascista, a cooperação global - especialmente de um tipo genuinamente benéfico, não predatório - começou a se tornar menos e menos possível a cada dia. O mundo estava se revelando. Quando os países estavam destruindo as Nações Unidas e humilhando seus aliados e proclamando quão pouco eles precisavam do mundo (todos para ganhar vitórias em ligas menores para oligarcas, que descontavam suas fichas, rindo) - como poderia um globo assim cooperar mais? Não poderia - e não pode. Portanto, a onda neofascista em que estamos agora também significa cooperação global menos drástica - mas menos cooperação global significa uma mudança climática incalculavelmente pior.
Então agora vamos conectar todos os pontos. O capitalismo não apenas estuprou o planeta rindo, e causou mudanças climáticas dessa maneira. Fez algo que a história considerará ainda mais surpreendente. Implicavelmente implodindo no fascismo precisamente no momento em que o mundo precisava de cooperação, tornava impossível, mais ou menos, a luta contra a mudança climática reunir vigor, ritmo e força. Não foram apenas os custos ambientais do capitalismo que derreteram o planeta - foram também os custos sociais que, ao destruir a democracia global, o direito internacional, a cooperação, a ideia de que as nações deviam trabalhar em conjunto, criaram um mundo fraturado e destruído. que já não tinha a capacidade de agir em conjunto para evitar as enchentes e os verões em chamas.
(Agora, é nesse ponto que os americanos me perguntam, com um pouco de raiva, por "soluções". Ah, meus amigos. Quando vocês aprenderão? Vocês não se lembram do meu ponto?
Não há soluções, porque estes nunca foram "problemas" para começar. O planeta, como a sociedade, é um jardim, que precisa cuidado, rega, carinho. As ligações entre essas coisas - sociedades desestabilizadoras de desigualdade tornando menos possível a cooperação global - não são coisas que podemos consertar durante a noite, transformando uma porca ou um parafuso ou jogando dinheiro nelas. Eles nunca foram. São coisas que precisávamos ver há muito tempo, para realmente rejeitarmos juntos, e investirmos, nutrirmos, protegermos e defendermos por décadas - para que o capitalismo não se dissolva no fascismo e tire todo o nosso poder para lutar por nossos mundos, precisamente quando precisaríamos mais.
Mas nós não fizemos isso. Nós estávamos ocupados “resolvendo problemas”. Problemas como… ei, como posso lavar a minha roupa? Posso receber meu pacote em uma hora em vez de um dia? Uau - você quer dizer que eu não preciso mais andar na rua para pegar minha pizza? Surpreendente!! Desta forma, resolvemos todos os problemas errados, se quiserem, mas diria que resolvemos problemas mecânicos em vez de crescer como pessoas. Coisas como a mudança climática, a desigualdade e o fascismo não são realmente “problemas” - são processos emergentes, que se juntam, em grandes riscos de ruína, cada um se acumulando, que resultam de décadas de negligência, inação, insensatez, cegueira. Nós não plantamos as sementes, nem cuidamos de nossas sociedades, economias, democracias ou planetas com bastante cuidado - e agora estamos colhendo a amarga ruína. Talvez você veja o meu ponto. Ou talvez você não veja o meu ponto de vista. Eu não te culpo. É difícil de ver.)
As mesas viraram. O problema não é mais a mudança climática, e a solução não é a cooperação global - pelo menos, dada a política implosiva de hoje. O problema é você - se você não é um dos poucos predadores escolhidos. E a solução para o problema de vocês é a mudança climática. Para os fascistas, isso é. Eles estão muito felizes por terem encontrado o motor mais espetacular, eficiente e letal de genocídio e devastação conhecido pela humanidade, que é uma catástrofe natural infinita e gratuita. Nada separa os fortes dos fracos mais impiedosamente como um planeta inundado, um céu trovejante, uma floresta em chamas, um oceano ressequido. Um homem com uma arma dificilmente é páreo para um planeta em chamas.
Acho que isso fica mais claro a cada ano: nós fracassamos, meus amigos, em salvar nossa casa. Que engraçado que estamos focados, em vez disso, em nossas terras natais. Seria engraçado, vergonhoso e patético dizer: ainda há tempo para nos salvarmos? Esse é o tipo de egoísmo nervoso e ansioso pelo qual os americanos são conhecidos - e é somente se nós rejeitamos, realmente, que aprendemos a lição de agora. Imaginemos, em vez disso, que, apesar de toda a loucura, estupidez e ruína desta era, os homens fortes e os fracos de espírito, naquelas noites escuras e assustadoras, quando a chuva cai e o trovão ressoa, ainda podemos acender uma vela para democracia, pela liberdade e pela verdade. A verdade é que não merecemos ser salvos se não salvarmos eles primeiro.

Bio:
Umair Haque é Membro do Thinkers50, ranking mundial de especialistas de gestão. Publicou dois livros na Harvard Business Publishing, onde também escreveu no principal blog da Harvard Business Review por vários anos, sobre temas como economia, liderança, inovação. finanças e carreiras. Umair ocupou cargos altos em finanças e estratégia e é graduado pela McGill University e pela London Business School.

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

Native language you use?

yes, portuguese is my native

avoid any effort to reverse or mitigate it